Do lixo ao luxo: A retrospectiva 2021 do Botafogo

Antes de mais nada, o ano de 2021 foi bastante intenso para o torcedor do Botafogo. Assim, o botafoguense não encontrava algo para se agarrar no início0 do ano, e pensava que seria mais do mesmo de 2020: decepções atrás de decepções. Entretanto, o ano de 2021 lhes reservou fortes emoções, e um fim inimaginável lá em janeiro. Portanto, confira aqui, no Futebol na Veia, como foi o ano do Glorioso.

Início de ano difícil

Em suma, o ano de 2021 começou ainda com o Campeonato Brasileiro de 2020. Contudo, o Botafogo já estava praticamente rebaixado para a 2ª divisão, e já se preparava para a próxima temporada. Assim, o 1º grande evento do ano do Glorioso foi a posse do presidente Durcesio Mello. O atual presidente do Botafogo vai comandar o clube carioca para o próximo triênio (2021/2024). Com o grande desafio de equilibrar as contas e reconduzir o Alvinegro para o caminho da glória.

E no dia 5 de fevereiro, o inevitável destino do Botafogo na Série A aconteceu: O clube perdeu para o Sport por 1 x 0 em casa, e foi rebaixado para a Série B com quatro rodadas de antecedência. Todavia, não foi uma queda qualquer. O Alvinegro caiu em último lugar, na lanterninha do campeonato, com a sua pior campanha na história dos pontos corridos (com 27 pontos). Com 38 rodadas, apenas cinco vitórias e 21 derrotas. Por fim, o clube carioca errou muito em sua administração, na contratação de jogadores e, principalmente, na contratação/demissão de técnicos.

Ainda em fevereiro, antes mesmo do fim do Brasileirão 2020, o Botafogo anunciou seu técnico para a próxima temporada. E o nome escolhido foi o de Marcelo Chamusca. Assim, Chamusca chegava com a missão de reorganizar o Glorioso no âmbito futebolístico, depois de um dos anos mais difíceis para o clube carioca. Entretanto, poucos eram o que viam que o Botafogo tinha jeito. A partir deste momento, começaram também a pipocar as primeiras notícias da transformação em clube-empresa. Para isso, o Alvinegro já buscava um CEO.

Campeonato Carioca: mais do mesmo para o Botafogo

Com a chegada do técnico, começaram a aparecer os primeiros reforços do Glorioso. Principalmente, nomes indicados pelo próprio treinador, como Ronald, Marcinho e Matheus Frizzo. Assim,   são exemplos de alguns dos jogadores que se juntaram a nome que já estavam no clube carioca, como o zagueiro Kanu. Entretanto, diversos atletas também deixaram General Severiano. Nomes como Pedro Raul e Salomon Kalou acabaram por não ficar no Glorioso. Nos bastidores, as coisas também não iam bem, com um nome forte da política alvinegra soltando o verbo sobre a situação do clube.

Isso tudo sem contar o fato de que o Brasileirão de 2020 se emendou com o Campeonato Carioca de 2021. Ou seja: praticamente não houveram férias para jogadores e diretoria. Assim, o Botafogo começou sua caminhada no Cariocão de 2021 com mais do mesmo: futebol apático e sem graça. Resultado: um empate na 1ª partida de Chamusca em 0 x 0.

A 1ª contratação de peso para o Botafogo aconteceu apenas em março. Então, foi a volta do El Capitan Joel CarliO zagueiro de 33 anos havia sido dispensado em 2020. Contudo, nunca escondeu a vontade de jogar mais uma vez no Alvinegro. Por questões de débitos do clube com o defensor, Carli fechou contrato até o fim de 2022. No inicio, sendo apenas uma liderança dentro do vestiário, sem jogar.

Eliminação precoce na Copa do Brasil

Com certeza o foco do Botafogo era a disputa da Série B 2021. Entretanto, também era importante ir bem na Copa do Brasil, devido a premiação alta para o avanço de cada fase. Assim, o clube passou com facilidade pela 1ª fase da competição, eliminando o Moto Club. Contudo, caiu de forma prematura na 2ª fase para o ABC de Natal. Isto acentuou ainda mais a crise no clube carioca. O zagueiro Kanu, na época capitão da equipe, chegou a discutir com torcedores na saída do estádio.

Eliminação no Cariocão e movimentação nos bastidores

Após a queda na Copa do Brasil, veio a queda também no Campeonato Carioca. Assim, após uma derrota para o Fluminense, o Botafogonão tinha mais chances de classificação para as semifinais da competição estadual. Contudo, nem tudo estava perdido na disputa. O Alvinegro ainda tinha a disputa do título da Taça Rio, que virou uma disputa para decidir o 4º colocado do Campeonato Carioca 2021. E Marcelo Chamusca, já muito questionado pela diretoria e criticado pela torcida, decidiu ir com força máxima para a disputa, que tinha também Vasco, Nova Iguaçu e Madureira.

Enquanto isso, nos bastidores, o Botafogo deu um passo importante para se tornar um clube-empresa (ou SAF, como é conhecido hoje). Assim, foi anunciado o novo CEO do clube: Jorge Braga. A partir daquele momento, era ele quem cuidaria de todas as finanças do clube, e principalmente, acharia investidores para injetar dinheiro no clube carioca. No âmbito futebolístico, a diretoria ainda buscava reforços. Principalmente para o ataque.

Contudo, bastidor não ganha jogo. E o Botafogo, mais uma vez, não conseguiu seu objetivo dentro de campo. Acabou por ser derrotado pelo Vasco na final da Taça Rio, nas cobranças de pênaltis. A partir daí, não havia um torcedor do Botafogo a favor de Marcelo Chamusca. Todavia, mesmo pressionado, a diretoria manteve o treinador no cargo para o inicio da Série B.

Inicio da 2ª divisão

Após o término da campanha ruim do Cariocão, o Botafogo, em maio, começou o planejamento para o principal objetivo do ano: o retorno à Série A do Brasileirão. O elenco foi reforçado com a chegada de novos jogadores, entre eles, o meia Chay, que brilhou na Portuguesa-RJ. Em suma, o clube carioca também foi atrás de jogadores de clubes menores que se destacaram em seus respectivos estaduais. Assim, chegaram nomes como Luís Oyama, Diego Gonçalves e Daniel Borges.

Apesar dos reforços, o inicio do Botafogo na Série B foi tão melancólico quanto sua campanha no estadual. Uma campanha que começou no dia 28 de maio, com um empate em 1 x 1 com o Vila Nova, com um jogador a mais durante toda a 2ª etapa. Entretanto, já na 2ª rodada, veio a primeira vitória: 2 x 0 contra o Coritiba, em um jogo marcado de polêmicas. Nesta partida também saiu o 1º gol de Chay no Glorioso.

E com atuações irregulares atrás de atuações irregulares, assim seguiu o Botafogo. Vale destacar a derrota para o Náutico na 5ª rodada por 3 x 1, onde o clube carioca tinha a chance de assumir a liderança. Contudo, apesar da derrota, um nome começou a despontar no elenco: Rafael Navarro. Em suma, o jovem atacante já havia feito gols decisivos no estadual, porém foi no início da Série B que o atleta começou a chamar a atenção.

Demissão de Marcelo Chamusca do Botafogo

A inconsistência era o que definia o Botafogo. E o principal responsável era o treinador Marcelo Chamusca. Portanto, já haviam protestos do lado de fora do Estádio Nilton Santos por parte de torcedores para o desligamento do técnico. Porém, a diretoria insistiu em Chamusca, com ressalvas. Para se manter no cargo, o Botafogo precisava vencer o Cruzeiro, de qualquer maneira. E em um jogo de seis gols, a vitória não veio: 3 x 3. Portanto, no dia 13 de julho, dois dias após o jogo, Marcelo Chamusca foi demitido.

O substituto já estava escolhido pela diretoria. E o nome designado era o de Lisca. Após uma rápida negociação, com o Botafogo adequando os termos para a chegada do treinador que havia deixado o América-MG, Lisca optou por não assumir o Botafogo. Isso estremeceu os bastidores do clube carioca. Principalmente quando o mesmo Lisca assinou com o Vasco, principal rival na 2ª divisão.

Chegada do novo treinador no Botafogo e a virada de chave

Após a recusa de Lisca, o Botafogo logo partiu para a 2ª opção: Enderson Moreira. E o mesmo foi anunciado para o cargo no dia 21 de julho, gerando muita desconfiança da torcida, principalmente, por ser a 2ª opção da diretoria. Entretanto, logo em seu primeiro jogo comandando a equipe, o Bota venceu o Confiança por 1 x 0, apesar de Enderson ter sido expulso. Mas a fase ainda era ruim, já que o Botafogo ocupava a 11ª colocação na tabela após este jogo, o que ainda era muito distante da meta dos quatro primeiros.

Enderson Moreira colocou ordem na casa, e o clube alvinegro reencontrou o caminho da vitória. Assim, foi escalando o tabela de classificação, recuperando todo o tempo perdido no início da competição. Vale lembrar que, nesta época, o Botafogo chegou a engatar 10 vitórias em 12 jogos. Contudo, uma vitória foi a grande virada de chave para o Glorioso. Derrotar o líder invicto em casa (Coritiba) por 1 x 0 era para poucos (nesta Série B, para ninguém). E o Alvinegro conseguiu, com gol do, agora importantíssimo, Rafael Navarro. Em questões de tabela, o clube carioca, com a vitória no Couto Pereira, entrou no G4 para não sair mais.

Um time organizado, que cativava seu torcedor. Era assim que poderia ser descrito o Botafogo, que não se deixou levar pela boa fase em momento nenhum. Assim, continuou jogando seu futebol de forma envolvente e pra frente. Como diria seu torcedor: O Botafogo embalou.

Chegada do medalhão e a lua de mel do Botafogo estava completa

Contudo, faltava algo para fazer a lua de mel entre time e torcida ficar completa. Faltava a chegada de um jogador de impacto. E não havia nome melhor para preencher esta lacuna do que o botafoguense Rafael. Em suma, o lateral-direito cativou a torcida em suas redes sociais, praticamente cavando vaga no clube carioca, do qual ele é torcedor desde criança. E graças a um investimento vindo de fora do clube, o experiente lateral foi anunciado no dia 6 de setembro.

A chegada de Rafael coincidiu com a liberação da CBF do publico nos estádios. Assim, o Botafogo anunciou no dia 22 de setembro que voltaria a receber seu torcedor no Nilton Santos. E o publico voltou em grande estilo: com vitória sobre o Sampaio Corrêa por 2 x 0. Mais uma vez, o destaque era Rafael Navarro. Sobre o atacante, o clube carioca tentava a qualquer custo renovar com Navarro. Mas a cada dia que passava, a negociação ficava mais complicada. Até a torcida entrou na história, com gritos vindos da arquibancada de “Fica, Navarro!”

Acesso para a Série A

A essa altura, o acesso do Botafogo para a Série A já era quase inevitável: porém, houveram sustos no caminho. Entre eles, o empate sem gols contra o Cruzeiro na 30ª rodada, que mostrou diversas falhas no sistema de jogo do Glorioso. Além disso, houve a lesão de Chay no jogo contra o Goiás pela 32ª rodada. Porém, nada que tirasse a moral do time, da diretoria e, principalmente, da torcida, que cada vez mais ia para o estádio apoiar o Glorioso.

Já na reta final e com as chances de acesso em 99%, o Botafogo passou a dar show em campo. E uma partida em especial merece destaque: 4 x 0 contra o Vasco, em São Januário, pela 34ª rodada. Uma atuação de gala, com gols de Marco Antônio (2), Navarro e Diego Gonçalves. E já na partida seguinte, o acesso. O Botafogo venceu o Operário no Estádio Nilton Santos por 2 x 1, diante de 28 mil torcedores que não paravam de gritar um segundo sequer. Assim, confirmando sua vaga na Série A de 2022 com duas rodadas de antecedência. Porém, agora era hora de, finalmente, focar no título.

E o título da Série B

Este que foi confirmado já na rodada seguinte, a penúltima da Série B. Então, a vitória no dia 21 de novembro diante do Brasil de Pelotas por 1 x 0 garantiu o bicampeonato da 2ª divisão para o Glorioso. Vale lembrar que o título só veio de forma antecipada graças a derrota do vice-líder Coritiba para o CSA.

Por fim, na última rodada, a festa do campeão da principal divisão de acesso do Brasil. O resultado pouco importava para os quase 40 mil botafoguenses que lotaram o Nilton Santos na última partida do time no ano de 2021. E ainda teve uma grande surpresa. O goleiro ídolo do Alvinegro, Gatito Fernández, que passou o ano lesionado, foi relacionado e ficou no banco de reservas, a disposição do técnico Enderson Moreira.

No apagar das luzes…

Entretanto, quem acha que o 2021 do Botafogo acabou naquela partida, se enganou. A partir do momento que os objetivos em campo foram cumpridos, a diretoria começou a trabalhar intensamente para manter jogadores e, principalmente, finalmente tirar do papel a SAF (Sociedade Anônima de Futebol) botafoguense. Algumas partidas já eram inevitáveis, como a de Rafael Navarro, que deixou o Glorioso rumo ao Palmeiras.

Porém, no dia 24 de dezembro, véspera de natal, o Botafogo assinou um pré-contrato com o empresário John Textor pela prioridade da compra da SAF do clube. E a venda deve ser concretizada já em janeiro de 2022. Já que John se animou bastante com a repercussão entre torcedores do Botafogo. Inclusive, apresentando um crescimento no programa de sócio torcedor do Alvinegro. Em suma, Textor se empolgou com vídeos da torcida alvinegra. Ele sabe que tem em mãos a marca de uma potência incalculável. Já o Botafogo está prestes a, enfim, entrar no século 21, se tornando um clube-empresa.

Foto Destaque: Divulgação/Vitor Silva/Botafogo

João Victor Freire
Alagoano, porém criado no Rio De Janeiro. 20 anos. Tenho pra mim que o Jornalismo é uma das profissões mais belas que existem, e é o que eu sei e gosto de fazer desde pequeno. E aliado a isso, tenho uma paixão por esportes.