Entenda tudo sobre a venda do Botafogo

Antes de mais nada, os torcedores do Botafogo ganharam um excelente presente de natal. Já que na última sexta-feira (24), o empresário americano John Textor assinou um pré-contrato que lhe dá prioridade na compra do Glorioso. Assim, o Botafogo ainda não foi adquirido. Com o pré-contrato que se assinou, apenas garantiu-se a Textor, a prioridade na hora da compra.

Quem é o possível comprador do Botafogo?

Primeiramente, é importante entender quem é John Textor, o possível comprador do Botafogo. Assim, Textor é, atualmente, dono da FuboTv (plataforma de streaming). Entretanto, já foi executivo da Digital Domain, empresa que é referencia em efeitos especiais em Hollywood. Foi nesta empresa, que é responsável pelos efeitos de filmes como Harry Potter e Piratas do Caribe, que John Textor fez sua fortuna. Vale lembrar que a revista Forbes classificou Textor em 2016 como “guru da realidade virtual de Hollywood”.

A partir do momento em que Textor solidificou sua fortuna, passou a investir no futebol. Sua primeira tentativa foi em julho de 2021, quando tentou adquirir 25% da SAD (Sociedade Anônima de Desportos) do Benfica. Contudo, o negócio não saiu. Logo depois, comprou 18% do Crystal Palace por cerca de 87,5 milhões de libras (depois, investiu mais 16 milhões de libras). Por fim, além do Botafogo, John Textor também negocia parte do RWD Molenbeek, da 2ª divisão belga.

Por que um pré-contrato?

Todavia, esta transação ainda gera muitas dúvidas em torcedores e admiradores do Botafogo. Primeiramente, é importante destacar que nestas transações de grande porte, é normal assinar um pré-contrato antes do negócio ser fechado. Porém, o que garante este pré-contrato?

Em suma, este pré-contrato significa que o comprador (neste caso, John Textor) aceitou os termos exigidos pelo vendedor (Botafogo). Contudo, ainda não investirá dinheiro na assinatura do “contrato”. Além disso, este pré-contrato não tem tantas especificações, que deverão aparecer no contrato final.

Quais são os reais valores da aquisição do Botafogo?

Em suma, o documento do pré-contrato (vale lembrar que não é a versão final e os valores podem aumentar) fala em R$ 400 milhões. Entretanto, a tendência é de que este valor sofra variantes devido a aquisições recentes do Glorioso. Dois exemplos destas variantes são a ampliação da concessão do Estádio Nilton Santos, assinada na última quarta-feira, bem como a possível construção do Centro de Treinamento no Espaço Lonier.

Sobre as porcentagens, o mínimo que tem que ficar com o Botafogo é 10%. Ou seja, não é permitido que John Textor compre 100% do clube carioca. Inclusive, no atual pré-contrato, não há uma especificação da porcentagem que será adquirida. Assim, isto será negociado ao longo das próximas semanas.

O que dizem os envolvidos na negociação?

Antes de mais nada, os representantes do Botafogo na negociação comemoraram bastante a assinatura do pré-contrato (assim como os torcedores). O primeiro a falar foi o presidente do clube, Durcesio Mello:

É com grande satisfação que anunciamos esse marco histórico no Botafogo. Um clube da nossa grandeza terá um parceiro de altíssimo nível para investir e criar as condições que nos possibilitem retomar o protagonismo no futebol brasileiro e mundial. Agora, iniciamos uma segunda etapa do processo, igualmente importante, antes de formalização da nova constituição jurídica” – declarou Durcesio Mello.

Também falou o CEO do Botafogo, e principal negociador do lado alvinegro, Jorge Braga:

“Foram nove meses de muito trabalho sério e profissional para chegar ao fim de 2021 com o Botafogo na Série A e agora com um investidor na SAF (Sociedade Anônima de Futebol). Estou muito feliz por poder contribuir com o Glorioso.”

Por fim, o representante da XP Investimentos, empresa que auxiliou o Botafogo na busca por um comprador, Pedro Mesquita, fez um post nas suas redes sociais comemorando:

“Gostaria de parabenizar o Botafogo pela assinatura de acordo com o grupo liderado pelo americano John Textor! Mais um clube que escolheu o caminho da profissionalização! Parabéns a todos os envolvidos!”

Para onde vai o dinheiro?

Segundo o Botafogo, varias frentes irão receber investimento. Entre elas, a melhoria da estrutura de futebol e a formação de um elenco competitivo. Além disso, o Botafogo já investiu, por meio dos irmãos Moreira Salles, em um novíssimo CT para a base. Assim, a questão de mais um CT se discutirá com Textor. Já que não faria sentido dois novos centros de treinamento.

Além disso, é de conhecimento público que o Botafogo tem uma dívida bilionária. Sobre este ponto, o clube carioca deve tentar renegociar as dívidas antes de mais nada, que será possível graças a transformação em clube-empresa. Além disso, será necessário também um faturamento maior, o que é visto com otimismo dentro do clube. Contudo, ainda é muito cedo para cravar que Textor irá assumir a dívida, se ela será paga de maneira integral ou qualquer outra coisa.

Por fim, o Botafogo também busca termos no contrato final caso o resultado da compra não seja o esperado. O principal objetivo do Glorioso é se tornar fortes em todos os torneios que disputar, e se isso não acontecer, o CEO Jorge Braga declarou que não há motivos de preocupação para um possível rompimento da parceria com John Textor.

Há também a possibilidade de Textor vender sua parte do clube no futuro. Já que ele é empresário e visa sempre o lucro. Contudo, as clausulas de venda da parte de Textor ainda serão discutidas para o contrato final, assim como milhares de outros termos.

Qual será a participação de John Textor no dia a dia do clube?

Em suma, é muito cedo para dizer qual será a participação do empresário americano no dia a dia do clube carioca. Apesar de ser natural que o acionista majoritário queira ter um controle no negócio e coloque pessoas de confiança. Contudo, não é esperado que Textor faça mudanças logo de cara. Isso deverá acontecer ao longo do tempo, a depender da porcentagem que o empresário adquirir do Botafogo. Vale lembrar que também não está definido o tempo em que John Textor estará a frente do clube.

Foto destaque: Reprodução/Infoesporte

João Victor Freire
Alagoano, porém criado no Rio De Janeiro. 20 anos. Tenho pra mim que o Jornalismo é uma das profissões mais belas que existem, e é o que eu sei e gosto de fazer desde pequeno. E aliado a isso, tenho uma paixão por esportes.