Meados da década de 80, vinculado ao Inter (RS), o lateral-esquerdo Cláudio Mineiro precisava de frequentes exercícios de musculação para superar incômoda artrose no joelho. O entra e si da equipe principal se estendeu por um período até ser relegado, ocasião em que do treinador do clube à época, Cláudio Duarte, afirmou que ele era jogador ‘bichado’.

Soou como estrondo aquela afirmação. A repercussão seria negativa até nas transações por empréstimo a clubes do interior gaúcho interessados em contratá-lo. “Aquilo me prejudicou bastante”, atestou. Para superar o impacto e mostrar que teria ‘lenha para queimar’, comunicou a eventuais interessados que toparia fazer contrato de risco, reconhecidamente uma situação constrangedora para quem começou no América Mineiro e passou por Atlético (MG), Flamengo, Corinthians e Inter (RS). Aí apareceu a Ponte Preta em 1982, carente de lateral-esquerdo que preenchesse lacuna deixada por Odirlei, visto que improvisação do lateral- direito Toninho Oliveira no setor, ou fixação de Everaldo – então garoto saída da base – não resultaram no rendimento esperado. Cláudio Antonio Nascimento, que em junho completa 65 anos de idade, desabrochou como jogador na conquista do título mineiro pelo América em 1971.

Logo, acabou contratado pelo Atlético (MG) onde ficou durante três anos, transferindo-se para o Sport Recife. Em 1977 tocou a sirene no Parque São Jorge anunciando a contratação dele pelo Corinthians, período em que aderiu à moda de cabelo black power. Todavia, como jogar se o titularíssimo Wladimir não dava chance? O jeito foi se adaptar igualmente à lateral-direita e substituir Zé Maria quando necessário, e assim reafirmar as condições de marcador seguro e chute potente em cobranças de faltas.

No primeiro ano de Inter (RS) em 1979 ratificou o futebol que dele se esperava, no título brasileiro, em um time formado por Benetez; João Carlos, Mauro Pastor, Mauro Galvão e Cláudio Mineiro; Batista, Falcão e Jair; Valdomiro, Bira e Mário Sérgio. Depois, problema no joelho implicou em queda de rendimento. Na sequência, passagem apenas discreta pela Ponte Preta durante dois anos, XV de Piracicaba, futebol pernambucano, paraibano e sul- matogrossense, com encerramento da carreira no Corumbaense em 1988. Incontinenti, migrou à função de treinador em clubes daquele Estado.

Ariovaldo Izac
O portal Futebol na Veia passa a inserir em sua grade de conteúdos a coluna de futebol Reminiscências assinada pelo jornalista Ariovaldo Izac, com 38 anos de militância no jornalismo. O foco é abordagem sobre jogadores do passado, principalmente aqueles que mais se destacaram.

Artigos Relacionados