Passaporte Rússia é mais uma coluna do Futebol na Veia que apresentará curiosidades de todas as seleções que participarão da Copa do Mundo deste ano. Este é o primeiro de sete textos sobre a Seleção Argentina desta edição. Confira como é a história dos Hermanos.

A Argentina possui, no total, 16 participações em Copas do Mundo, ficando apenas atrás de Itália, Alemanha e Brasil. A seleção ficou de fora em apenas quatro ocasiões: em 1938, desistiu de competir por não concordar que aquela edição deveria ser novamente na Europa, pois em 1934 havia sido na Itália e, principalmente, por ter perdido para a França como sede de 38 (assim como a Alemanha). Nos anos 1950 e 1954, não participou por conta de questões políticas da AFA (Associação de Futebol Argentino); já em 1970, não conseguiu a classificação para o mundial. Ao todo foram dois títulos conquistados, em 1978 e 1986. Sempre temida, a seleção raramente decepcionou em suas participações, colecionando boas campanhas ao longo dos anos. Seu principal artilheiro em Copas até aqui é Batistuta, com 10 gols.

PASSAPORTE RÚSSIA – A HISTÓRIA DA SELEÇÃO ARGENTINA EM COPAS DO MUNDO

1930

Logo na primeira edição da Copa do Mundo, a seleção ficou com o vice, perdendo na final para o Uruguai. Sua campanha, no entanto, foi perfeita durante todo o caminho. Os Hermanos ficaram no grupo A, junto com França, Chile e México. Na primeira partida, vitória contra a França por 1 x 0, gol de Monti.  Já na segunda, um show de gols: 6 x 3 contra o México. O jogo marcou o primeiro hat-trick em Copas do Mundo, anotado por Stábile. A seleção, ainda fechou a fase de grupos com uma vitória contra o Chile por 3 x 1. Nas semifinais, goleada para cima dos Estados Unidos, 6 x 1 – Stábile (2), Peucelle (2), Monti e Scopelli fizeram para a Argentina, e Brown descontou para os norte americanos. Foi na final, apenas, que os argentinos foram perder o 100% na competição. 4 x 2 para o Uruguai. Peucelle e Stábile marcaram para a seleção argentina.

Seleção da Argentina em 1926 (Fonte: Revista El Gráfico)

1934

Nessa edição, a fase de grupos foi descartada para uma competição com um formato mais direto. A Argentina caiu logo nas oitavas para a Suécia. A derrota por 3 x 2 marcou uma eliminação precoce dos vices de 1930. Belis e Galateo fizeram os únicos gols dos hermanos naquela edição.

1958

A primeira Copa do Mundo conquistado pelo Brasil, a sexta edição no geral, e a que marcou a volta da Argentina para a competição. A fase de grupos, a esse ponto, já havia voltado a fazer parte do formato do mundial novamente. Os hermanos, no entanto, voltaram a decepcionar, e foram eliminados ainda na fase de grupos.  A seleção argentina, teve má sorte, e caiu no grupo 1, junto das potências Alemanha Ocidental e Tchecoslováquia. Logo na estréia, derrota por 3 x 1 para os alemães – Corbatta anotou o tento. Na segunda rodada, enfrentou a surpresa do grupo, Irlanda do Norte, e não teve dificuldades: 3 x 1 (Corbatta, Menendez e Avio). Chegou para a última rodada precisando de uma vitória. No entanto, foi atropelada pela Tchecoslováquia, por 6 x 1 (Corbatta), e deu adeus a Copa do Mundo.

1962

Mais uma participação em Copas, e mais um fiasco. Novamente a seleção argentina ficou na fase de grupos, e se despediu da competição precocemente. No grupo 2, junto com Inglaterra, Bulgária e Hungria, os hermanos conquistaram apenas uma vitória, diante dos búlgaros, por 1 x 0 (gol de Facundo). Com os resultados – uma vitória e duas derrotas – a seleção ficou com o terceiro lugar, e foi eliminada.

Seleção argentina de 62 – Domínguez, Delgado, Sachi, Cap, Marzolini, Sainz, Facundo, Pando, Pagani, Oleniak e González

1966

Disputada na Inglaterra, a seleção argentina chegou forte para a competição. No grupo 2 ao lado da Alemanha Ocidental, ambos passaram com tranquilidade para as quartas, empatados com 5 pontos. Na estréia, vitória sobre a Espanha, por 2 x 1 (dois gols de Artime). Após um empate sem gols contra a Alemanha na segunda rodada, enfrentou a Suíça no último jogo da fase de grupos, e venceu por 2 x 0 (gols de Artime e Onega). A seleção argentina, no entanto, pegou os donos da casa nas quartas de final, e saiu derrotada por 1 x 0. A Inglaterra continuaria para ser campeã da Copa do Mundo.

1974

A Argentina começava a montar a seleção que se consagraria campeã na edição seguinte, mas ainda se mostrava extremamente inconstante. A Copa de 74 mostrou um formato diferente, com duas fases de grupos. Quatro grupos na primeira fase – os quatro melhores avançam para a segunda fase -, dois grupos na segunda – os dois melhores se enfrentam na final, enquanto os segundo colocados disputam o terceiro lugar.

Na primeira fase, a seleção argentina caiu em um grupo complicado, com Itália, Polônia e o azarado, Haiti. Sua campanha foi longe de ser perfeita, mas foi o suficiente para avançar de fase. Derrota para a Polônia por 3 x 2 (Heredia e Babington marcaram para os hermanos), empate por 1 x 1 contra Itália (Houseman fez) e goleada sobre Haiti por 4 x 1 (Yazalde 2x, Houseman e Ayala anotaram os gols argentinos).

Seleção Argentina de 1974

Na segunda fase, ficou em um grupo mais complicado ainda. Junto de Alemanha Oriental, Países Baixos (um dos favoritos ao título), além de Brasil, a Argentina não teve chances e foi eliminada da competição. A goleada para os holandeses por 4 x 0, derrota para o Brasil por 2 x 1 (Brindisi fez o único gol)  e o empate contra a Alemanha Oriental por 1 x 1 (gol de Houseman), marcaram uma campanha sem vitórias na segunda fase. A Argentina estava eliminada da Copa de 74.

1978

Nessa edição a Copa do Mundo foi disputada na Argentina, e os donos da casa não decepcionaram. A Copa também foi marcada pela primeira vez que a seleção usou o escuda da AFA na competição, além de ser a última edição em que 16 seleções participariam – a partir de 1982, 24 seleções passaram a competir pelo mundial.

No grupo A, ao lado de Itália, França e Hungria, a Argentina teve trabalho, mas avançou de fase. A seleção estreou em Buenos Aires, no Monumental de Núnez, frente a Hingria, e não decepcionou os mais de 70 mil torcedores presentes – vitória por 2 x 1, com gols de Luque e Bertoni. Em seguida, mais uma vitória, dessa vez sobre os franceses, também por 2 x 1 (gols de Passarela e Luque). Por fim, derrota por 1 x 0 para a Itália, mas com a vaga assegurada para a fase final.

Grande nome da Copa de 78, Passarela levanta a taça (Fonte: Revista El Gráfico)

Na segunda fase, ficou no grupo de Brasil, Peru e Polônia. Os hermanos venceram os poloneses com 2 x 0, com dois gols de Kempes e empataram com o Brasil por 0 x 0. Chegaram para a última rodada precisando de uma incrível vantagem de, pelo menos, 4 gols sobre o Peru. Isso, porque a seleção argentina, com a vitória empataria em pontos com o Brasil, mas precisava de um saldo de gol maior para chegar na decisão. O placar final contra os peruanos marcou 6 x 0 para os argentinos, gols de Kempes (2), Tarantini, Luque (2) e Houseman. Os brasileiros reclamaram muito sobre o goleiro do Peru, Quiroga, ter facilitado a partida contra a seleção argentina. Quiroga, por sua vez, nasceu na Argentina, e se naturalizou peruano.

Assim sendo, os donos da casa avançaram até a grande final, contra os Países Baixos. Em um jogo difícil, a Argentina superou os holandeses apenas na prorrogação, por 3 x 1. Bertoni e Kempes (2), marcaram para a seleção, trazendo o primeiro título de Copa do Mundo para a Argentina.

1982

A Argentina chegava como a mais recente campeã. Maradona fazia sua estréia em Copas do Mundo, e a seleção queria a todo custo o bicampeonato. Os hermanos ficaram no grupo C, ao lado de Bélgica, Hungria e El Salvador. A derrota para os belgas na estréia por 1 x 0, não os abalou. Logo em seguida, golearam a Hungria por 4 x 1, com gols de Bertoni, Maradona (2) e Ardiles, e venceram El Salvador por 2 x 0. Passarela e Bertoni anotaram.

ARGENTINA 1982. Standing: Passarella, Olguín, Luis Galván, Kempes, Tarantini and Fillol. Bended: Ardiles, Barbas, Maradona, Calderón and Bertoni | Pes Miti del Calcio

Segunda fase com quatro grupos de três. Argentina ficou junto com Brasil e Itália. Com as derrotas para os italianos e brasileiros por 2 x 1 e 3 x 1, respectivamente, a seleção argentina terminou como lanterna do grupo, e foi eliminada da competição.

1986

A Argentina chegou como uma das grandes favoritas para essa edição. Com um elenco recheado de craques, a seleção não perdeu sequer um jogo durante toda competição. Na fase de grupos: vitórias por 3 x 1 sobre Coréia do Sul, gols de Valdano (2) e Ruggeri, e 2 x 0 contra a Bulgária (Valdano e Burruchaga), além do empate por 1 x 1 frente a Itália, com gol de Maradona. Foi na fase final, no entanto, que consagrou a Argentina, e eternizou Maradona como um dos maiores jogadores da história do futebol.

Maradona levanta a taça de 86 (Fonte: Revista El Gráfico)

Nas oitavas, os hermanos superaram o Uruguai por 1 x 0, gol de Pasculli, e nas quartas, fizeram um jogo espetacular contra a Inglaterra. Maradona anotou os dois tentos, na vitória por 2 x 1 sobre os ingleses. No primeiro, fez com um toque de mão, o qual o argentino mais tarde nomeou de “La mano de Dios”, mas foi no segundo que o craque mostrou toda sua genialidade. Fez uma arrancada incrível, driblando seis ingleses e depois o goleiro para marcar o gol da classificação. Na semifinal, mais uma vez o brilho de Maradona. Marcou os dois gols na vitória por 2 x 0 sobre a Bélgica. Contra a Alemanha Ocidental, na decisão: vitória por 3 x 2, com gols de Brown, Valdano e Burruchaga. A Argentina, assim, se sagrava bicampeã da Copa do Mundo.

1990

Na edição seguinte ao título, a seleção manteve sua forte geração e chegou como grande favorita ao tricampeonato. Teve trabalhos na fase grupos, se classificando apenas na terceira colocação. Derrota para Camarões, na estréia, por 1 x 0, vitória por 2 x 0 sobre a União Soviética (Troglio e Burruchaga anotaram) e empate com a Romênia por 1 x 1 (gol de Monzón).

Pinterest

Nas oitavas, eliminou o Brasil pelo placar mínimo, 1 x 0, golaço de Caniggia. Avançou, assim, para enfrentar a Iugoslávia, e se classificou apenas nos pênaltis (3 x 2), após empate no tempo normal, em 0 x 0. Na semifinal, mais uma vez, classificação nos pênaltis, dessa vez contra a Itália. Após empatar por 1 x 1 (Caniggia fez para os argentinos), a seleção venceu por 4 x 3 nas penalidades. Em sua quarta final de Copa do Mundo, a Argentina esperava conseguir mais um título para sua prateleira, no entanto, foi derrotada pela Alemanha Ocidental por 1 x 0, e ficou mais uma vez com o vice.

1994

A seleção caiu em um grupo relativamente fácil, ao lado de Grécia, Nigéria e Bulgária, mas se classificou apenas com o terceiro lugar. Batistuta (3) e Maradona, fizeram na goleada por 4 x 0 frente a Grécia, na estréia. Logo depois, 2 x 1 sobre a Nigéria, com dois de Caniggia, e derrota para a Bulgária por 2 x 0. Nas oitavas, a seleção acabou ficando pelo caminho ao ser derrotada pela Romênia por 3 x 2, gols de Batistuta e Balbo. Uma campanha decepcionante para uma geração tão forte.

Seleção argentina de 94 – Cáceres, Chamot, Islas, Redondo, Ruggeri, Maradona, Caniggia, Simeone, Batistuta, Balbo e Sensini

1998

Tentando compensar a fraca campanha em 94, a seleção argentina veio para a França determinada a fazer bonito. Na fase de grupos, não teve dificuldades e avançou com 100%. 1 x 0 sobre Japão (gol de Batistuta), 5 x 0 sobre a Jamaica (2 de Ortega e 3 de Batistuta) e 1 x 0 contra a Croácia (gol de Pineda). Nas oitavas, reencontro com a Inglaterra, e após um empate por 2 x 2 no tempo normal (gols de Batistuta e Zanetti), vitória nas penalidades por 4 x 3. A seleção argentina, no entanto, cairia na fase seguinte para a Holanda, com derrota por 2 x 1 (gol marcado por López).

Blog Gate to the Americas

2002

A Argentina já não vinha mais tão forte para a Copa do Mundo, e mostrou isso na competição. No grupo F, com Inglaterra, Suécia e Nigéria, os hermanos colecionaram resultados ruins, e ficaram com a terceira colocação, sendo eliminados do mundial na fase de grupos. A única vitória veio contra os nigerianos por 1 x 0 (gol de Batistuta, seu último em Copas do Mundo). Em sequência, uma derrota por 1 x 0 para a Inglaterra e um empate contra a Suécia por 1 x 1 (gol de Crespo), foram o suficiente para sacramentar a eliminação argentina.

Seleção Argentina 2002, de pé: Javier Zanetti, Juan Pablo Sorin, Pablo Cavallero, Mauricio Pochettino, Diego Placente, Walter Samuel. Agachados: Diego Simeone, Gabriel Batistuta, Kily Gonzalez, Ariel Ortega, Juan Sebastian Veron. | TOSHIFUMI KITAMURA / AFP / Getty Images

2006

Com uma geração nova, a Argentina chegava para a Copa na Alemanha buscando surpreender. À época, Messi era apenas um menino, e fazia sua estréia em Copas do Mundo. Na fase de grupos avançou como líder para as oitavas. Vitórias sobre Costa do Marfim, 2 x 1 (gols de Saviola e Crespo), e Sérvia e Montenegro, por 6 x 0. Maxi Rodríguez (2), Cambiasso, Saviola, Crespo, Messi e Tevez fizeram. O resultado foi a maior goleada daquela edição, e o jogo, além disso, marcou a estréia de ambos (Messi e Tevez). A seleção fechou sua campanha na fase de grupo com um empate por 0 x 0 frente a Holanda.

Seleção da Argentina em 2006 – Abbondanzieri, Coloccini, Sorín, Heinze, Riquelme, Ayala, Lucho González, Maxi Rodríguez, Crespo, Tévez e Mascherano

Nas oitavas, um jogo complicado contra o México. No final, vitória apenas na prorrogação, por 2 x 1, com gols de Crespo e Maxi Rodríguez. Em seguida, os donos da casa. A Argentina enfrentou a Alemanha nas quartas, e após sair na frente, com gol de Ayala, sofreu o empate aos 40 do segundo tempo. Nos pênaltis, vitória por 4 x 2 para os alemães, e eliminação da Copa do Mundo.

2010

A Argentina, mais uma vez, formava uma grande geração, e chegava forte para a disputa do mundial na África do Sul.  Na estréia, vitória apertada sobre a Nigéria por 1 x 0, gol de Heinze. Logo em seguida, 4 x 1 sobre a Coréia do Sul. Park Chu-Young (contra) e Higuaín (3) fizeram. Na última partida da fase de grupos, outra vitória tranquila, dessa vez sobre a Grécia. 2 x 0, com gols de Demichelis e Palermo. Com 100% na fase de grupos, a seleção avançou para enfrentar o México. Os mexicanos não foram páreos, e ao final, vitória argentina por 3 x 1, com gols de Tévez (2) e Higuaín. Nas quartas, mais uma vez foi colocada frente a frente com a Alemanha, e assim como em 2006, foi eliminada novamente. Dessa vez, no entanto, sofreu uma goleada vergonhosa por 4 x 0.

Elenco Seleção Argentina 2010| Blog O Melhor da Copa 2010

2014

Em 2014, a Argentina chegou com sua geração no ápice. Grandes nomes já consagrados no futebol mundial entre o elenco argentino, o que os tornava em grandes favoritos. Assim sendo, não decepcionou em um grupo fácil e avançou tranquilamente. 2 x 1 contra a Bósnia, Kolasinac (contra) e Messi fizeram, 1 x 0 contra o Irã, Messi, novamente marcou, e 3 x 2 sobra a Nigéria, com Messi (2) e Rojo marcando. Já nas oitavas, os hermanos sofreram para passar da Suíça. 1 x 0 na prorrogação, com gol de di Maria. Avançando para as quartas, enfrentou a Bélgica, e, novamente o placar mínimo foi o suficiente: 1 x 0 com gol de Higuaín.

Derrota doída para a Alemanha na final de 2014 (Fonte: Getty Images)

Na semifinal, o adversário foi a Holanda. Em um jogo tenso, nenhuma equipe foi capaz de marcar, levando a decisão para os pênaltis. No final, os argentinos levaram a melhor por 4 x 2. Chegada a decisão, era Argentina x Alemanha. Pelo fato da Copa ser no Brasil, havia um grande medo dos argentinos levarem a taça em solo brasileiro. Já os hermanos queriam acabar com o histórico ruim frente os alemães em Copas do Mundo. Mesmo assim, vitória da Alemanha, por 1 x 0 a prorrogação, e mais um vice pra conta da Argentina.

Enrico Carnevalli
Meu nome é Enrico Mendes Carnevalli, tenho 20 anos. Desde pequeno sempre fui muito comunicativo, e na escola era sempre o representante da minha classe em diversas coisas. Sempre gostei muito de jornalismo esportivo, uma das razões pelas quais eu escolhi esta profissão. Chegando na faculdade, fiz algumas amizades e decidimos por criar um blog de jornalismo esportivo. Com ajuda de nosso professor, Celso Unzelte, conseguimos aperfeiçoar muito nossa escrita.

Artigos Relacionados