Palmeiras x Ferroviária - analise FNV

As quartas de final do Brasileiro Feminino A1 começam nesta quarta-feira (27) para Palmeiras e Ferroviária. Sendo assim, o primeiro jogo entre os clubes será nesta quarta-feira (28), às 19h30 (horário de Brasília), no Allianz Parque. As Palestrinas , com 28 pontos , terminaram a fase inicial na 5ª colocação. Já as Guerreiras Grenás terminaram em 4º lugar, com 29. A saber, para esta fase, o VAR será utilizado conforme informação da CBF.

Sem Zaneratto, mas com Carla. Os gols são esperança verde para avançar

O Palmeiras começou com um ataque de respeito formado por Bia Zaneratto e Carla Nunes. Ainda contando com Ary Borges e Otillia, as palestrinas com sua “linha de frente de respeito”, mostrou que não chegou a toa à fase de mata-mata. Os gols foram surgindo, porém, o treinador Ricardo Belli, perdeu uma das suas mulher-gol. Bia Zaneratto teve seu empréstimo encerrado e teve que voltar para o Wuhan, da China. Sem sucesso para prorrogar o empréstimo da Bia, Carla Nunes se tornou a maior esperança de gols. E a matadora não decepcionou: marcou 12 até agora, sendo a artilheira máxima do certame nacional.

Sendo assim, o time perdeu uma atacante, mas ganhou uma zagueira de respeito. Repatriou a experiente Jana, que atuou por 3 anos no Braga, de Portugal e agora reforça a zaga Palestrina ao lado da também experiente Agustina.

“Vai ser um jogo difícil e sabemos da qualidade da Ferroviária, mas, ao mesmo tempo, será especial por se tratar das quartas de final do Brasileiro e também por ser uma partida disputada em casa. As expectativas sempre são altas, queremos e vamos buscar a vitória, mas com os pés no chão e muita humildade”, destaca a zagueira Agustina.

Com o retorno de Bia Zaneratto (centro) ao futebol Chinês, Carla Nunes assume a responsabilidade dos gols alviverde. Foto: Pri Pedroso

Entretanto, o Allianz não tem dado sorte para as mandantes do jogo de quarta-feira (28). A saber, foram dois jogos contra Santos e Inter e duas derrotas. Também, duas foram o número de derrotas para as Guerreiras Grenás em 2020. Uma pelo paulista (2×1) e outra pelo Brasileiro (4×1). Ricardo Belli, treinador verde, avalia o confronto, para o FNV:

 

Ferrinha quer o Bi, Sochor chegou e também quer seu segundo brasileiro

Ao contrário do ano passado, onde a caminhada da Ferroviária, rumo ao título, foi sempre decidindo na casa do adversário. Agora as guerreiras grenás irão a segunda partida das quartas em casa. Mérito conquistado pela 3ª colocação na fase de classificação, com 29 pontos conquistados, um a mais das adversárias do confronto. Por outro lado, se o Palmeiras repatriou Jana, a ferrinha também trouxe uma das jogadoras de mais identificação com o clube.

A lateral Daiane, conhecida como capitã das Américas, ao levantar a Libertadores pelo clube, estava atuando pelo Benfica e retornou a Araraquara. Para a técnica Tatiele Silveira, é um confronto totalmente diferente.

“Esses confrontos que participamos, foram em fases classificatórias, onde as equipes puderam se encontrar e é sempre bom. Mas é um grande jogo e uma história diferente neste momento, pela importância e por ser um mata-mata. Quando entra o fator eliminatório, torna o jogo especial e ele merece toda nossa atenção, concentração possível, mesmo jogando fora de casa”, afirmou.

Sochor, ja soma oito gols na competição e sonha com titulo e artilharia. Foto: Assessoria AFE

Patrícia Sochor

Se o Palmeiras aposta no ataque, a Ferrinha também. Campeã brasileira com o Santos em 2017, Patrícia Sochor está de volta e quer fazer história com a camisa grená. Dessa forma, a atacante já soma oito tentos na competição e sabe da responsabilidade de estar na equipe que defende o título em 2020.

“Nós somos a equipe a ser batida e temos esse peso, mas carregamos com muito orgulho. A final do ano passado sem dúvida foi histórica, a final que participei com o Santos foi uma das experiências mais incríveis que já tive dentro do futebol. Então, se eu sonho em ter um segundo título? Sem dúvidas! Nós estamos trabalhando pra isso, estou trabalhando também para poder sempre ajudar a equipe da melhor forma. Então nós vamos lutar pelo bicampeonato até o fim”, comentou.

Em entrevista a Tv AFE, a zagueira Géssica fala sobre o confronto.

 

Foto destaque: Divulgação/Julia Bacci.

Video Palmeiras: Divulgação/Pri Pedroso

 

 

 

Hézyo Sadú
Hézyo, pra recalque e inconformismo dos fofoqueiros e fracassados, é Formado pela Univ. São Judas em Com. Social e também pela Fac. das Américas em Ger. de redes, com certificação Cisco. Corinthiano, Já cobriu diversas decisões como LBF, Brasileiro Masculino e Feminino, Liga Futsal e torneios de MMA. Umbandista, é medium da Casa de Mata VIrgem e filho de Pai Fabio Tadeu Odé de Gongobira.

Artigos Relacionados