A princípio, cinco candidatos reúnem as melhores condições matemáticas na briga pelo acesso à Série A e atingiram a marca de pelo menos 48 pontos ao final da 28ª rodada. São eles: o líder Coritiba, Avaí, o tradicional Botafogo, Goiás e CRB. Outras equipes eventualmente podem verticalizar a sua performance na reta final. Vasco, CSA e Guarani ainda sonham com a subida. Desse modo, para fins analíticos, este texto irá se ater aos cinco primeiros. Afinal, hoje são esses times que despontam na Série B em 2021. Em síntese, nossa ideia é trazer um panorama geral de como os postulantes ao acesso chegaram até aqui e o que esperar da sequência de cada um até o final de outubro.

O implacável Coritiba

O líder da Série B tem a classificação para a elite bem encaminhada. Com 54 pontos, o Coritiba – em tese – precisa de mais 10 para subir de divisão. 3 vitórias e 1 empate, traduzindo em resultado. Isso levaria o Coxa a 64 pontos (média histórica que garante o acesso à Série A). Desde que roubou a liderança do decadente Náutico ainda no 1º turno, o Coritiba não largou o topo. Se consolidou no G4 e busca a primeira das quatro vagas para a Série A. O tricampeonato da Série B – o Coxa venceu o torneio em 2007 e 2010 – é uma possibilidade e isolaria a equipe paranaense como a maior campeã da competição. Todo recorde é bem-vindo.

Por outro lado, a caminhada do Coritiba reserva algumas batalhas árduas. Em seguida, o plantel do Coxa encara Cruzeiro (C), Vasco (F), Sampaio Corrêa (C) e CRB (F). Inclusive, o clube alagoano é um concorrente direto à vaga. Em contrapartida, os demais times ocupam hoje a faixa intermediária da tabela de classificação. É até válido mencionar que sempre será complicado enfrentar os gigantes Cruzeiro e Vasco da Gama (ambos tentam tirar o atraso matemático em relação aos demais) – além dos maranhenses do Sampaio Corrêa que desejam voltar ao G4. Parada dura. De certa forma, o ideal para o Coxa seria administrar sua vantagem para tentar subir em outubro.

A força do Avaí na Série B

Eis uma equipe que se acostumou a viver uma certa mobilidade entre as duas principais divisões do Campeonato Brasileiro. O Avaí festejou o acesso em 2014, 2016 e 2018. Por outro lado, amargou o rebaixamento à Série B em 2015, 2017 e 2019. O Leão da Ilha não subiu ano passado e encerrou a sequência bate-e-volta que perdurava desde 2014. Atualmente, o Avaí é o vice-líder – com 49 pontos – e precisa fazer outros 15 se quiser ascender de divisão. Em outros termos, 5 vitórias devem assegurar a vaga no G4. Conhecido pela tradição das suas arrancadas no fim da Série B, o clube catarinense tem um retrospecto favorável na disputa em pontos corridos e pretende dar trabalho.

A campanha do Avaí é dura e atraente na mesma medida. Ele teve a oportunidade de desbancar o concorrente CRB em um confronto emocionante e se fortaleceu antes de vencer de virada o badalado Botafogo. Duelos contra Ponte Preta (C), Confiança (F), Cruzeiro (C) e Operário (F) completam o outubro avaiano. É mais que fundamental não perder essas partidas. A arrancada para a Série A começa agora. Afinal, o Avaí pode aproveitar para aumentar a sua diferença em relação aos rivais. Ademais, derrotar os times que brigam contra o rebaixamento é obrigação se o Leão da Ilha quiser algo melhor em 2022.

A ressurreição do Botafogo

Inicialmente, o Fogão estava mal na Série B. Começou o campeonato no meio da tabela e só foi se encontrar após a contratação do técnico Enderson Moreira. Também caiu ano passado, como Coritiba e Goiás – curiosamente, dos quatro rebaixados em 2020, só o Vasco está um pouquinho distante do G4. Enderson tem aproveitamento de campeão. Venceu 9 jogos, empatou 2 e perdeu mais 3. Atingiu a marca positiva de 5 vitórias consecutivas e 7 jogos de invencibilidade. O Botafogo escalou até o G4 e tem pretensões ainda maiores. O discurso adotado no Fogão fala em buscar o primeiro lugar. Para que isso aconteça é necessário que o momento vitorioso continue.

Nesse sentido, o Botafogo precisa derrotar uma pedreira em casa se ainda quiser sonhar com a liderança: o CRB. Cruzeiro (F), Brusque (C), Goiás (F) fecharão o mês de outubro do Fogão. Com 48 pontos, o Botafogo precisa de mais 16 para subir. A conta pode ser reduzida a 5 vitórias e 1 empate. Me parece muito plausível, considerando a recuperação impressionante dos cariocas no torneio. Até me arrisco a dizer que a postura do Fogão diante dos seus adversários diretos pode ser mais que determinante para o seu desfecho. Somar pontos nesses jogos é uma maneira de desacelerar os concorrentes. Especialmente contra CRB e Goiás.

O Goiás e a oscilação no torneio

Assim como o Coritiba e o Botafogo, o Goiás foi rebaixado na temporada passada e espera retornar à Série A o mais rápido possível. Hoje tem 48 pontos e recuperou a vaga no G4 após derrotar o Vitória (3 x 0). O Esmeraldino quer seguir na cola dos concorrentes. Contudo, Marcelo Cabo sabe que não será fácil vencer essa guerra. Assumiu o Goiás no final de julho, mas sofre com a instabilidade. Apesar disso, o rendimento do Verdão da Serra beira uma certa regularidade. Ele acumula até aqui 7 vitórias, 4 empates e 4 derrotas. Os goianos precisam de 16 pontos para atingir o objetivo principal. Isso requer um somatório de outras 5 vitórias e 1 empate nas 10 partidas que restam.

Antes de mais nada, é preciso notar que apesar do momento evidenciar uma oscilação nada está definido. O Goiás fará jogos difíceis. A seguir, os nordestinos Náutico (F) e CSA (C) dividirão a cancha com a equipe de Marcelo Cabo. Ambos tentam dar o gás para voltar a brigar pelo acesso. Todavia, se o Esmeraldino decidir subir o salto pode deixar escapar pontos preciosos. Por fim, o Goiás enfrenta um candidato ao rebaixamento e um concorrente direto. São eles, respectivamente, Londrina (F) e Botafogo (C). Uma possível sequência de vitórias pode dar ao time a tranquilidade necessária para a reta final da Série B em novembro.

O CRB quer deixar a Série B

Recentemente, escrevemos um texto dedicado ao CRB. O clube alagoano não disputa a primeira divisão há um certo tempo e busca sua redenção em 2021. A torcida ficou empolgada após a classificação diante do Palmeiras, na Copa do Brasil. Além disso, o técnico Allan Aal conseguiu desenvolver bem sua filosofia de jogo durante a Série B. Atualmente 5º colocado, o Galo da Pajuçara soma 48 pontos – a matemática para subir é a mesma de Botafogo e Goiás. Dessa forma, faltam 16 pontos para o acesso alvirrubro: 5 vitórias e 1 empate. A derrota em Maceió para o Avaí (1 x 2) pode até ter arrefecido um pouco os ânimos da torcida. Entretanto, o CRB segue firme e forte na briga.

O CRB fez um clássico local com o CSA na rodada passada. No entanto, mais dois duelos decisivos aguardam o Galo da Pajuçara: Botafogo (F) e Guarani de Campinas (C). Por fim, uma partida diante do Vila Nova (F) e o jogo contra o líder Coritiba (C). O caminho dos alagoanos não é fácil se considerarmos o nível técnico dos adversários. Por outro lado, o CRB já deu algumas provas de que pode lidar bem com a pressão externa e dessa vez não quer deixar o acesso escapar. Em 2007, 2016 e 2019 o Galo da Pajuçara até passou perto. Contudo, deixou a desejar nas rodadas finais. Chegou a hora de contar uma nova história?

Foto destaque: Divulgação / Folha de Pernambuco

André Filipe
Apaixonado pela dimensão histórica do futebol e pela ciência da bola. Gremista desde a Batalha dos Aflitos para o que der e vier. Sinto na escrita o calor latente das minhas paixões profissionais. Historiador, jornalista esportivo e jogador de pôquer nas horas vagas.

Deixe um comentário