O vazio do Morumbi

No último sábado, 02, o São Paulo voltou a jogar no Morumbi, após o estádio ficar fechado desde dezembro do ano passado, por causa das reformas para deixá-lo dentro das normas da FPF e da FIFA. Durante o tempo que ficou fechada, a casa do Tricolor ganhou novas traves e um novo campo, com um gramado melhor – com um sistema de drenagem e adubação mais eficientes –, medindo 105m por 68m, dentro do padrão internacional.

No entanto, durante o jogo de reinauguração, contra o Oeste, pelo Campeonato Paulista, notou-se que havia algo faltando dentro das novas dimensões do campo; um vazio só notado e sentido por aqueles que estavam nas arquibancadas.

Quem chega ao estádio Cícero Pompeu de Toledo, conhecido popularmente como Morumbi, não é capaz de notar muita diferença. A cor das arquibancadas é mesma, o escudo do clube ocupa ainda o mesmo lugar, tudo muito parecido com que era anteriormente. Diferente, apenas o campo, menor do que antes, por exigência da FIFA, algo que talvez só seja percebido pelos jogadores na hora de fazer correr a bola.

Mas o que os poucos mais de 10.000 torcedores que foram ao jogo no último sábado percebiam, na verdade, era um vazio existente, como se o estádio estivesse sido reinaugurado com um elemento faltando. A ligação entre o sistema defensivo e o ataque não tinha a mesma energia, as defesas não eram mais como antes e, principalmente, as faltas na boca da área não rendiam a mesma expectativa.

Depois de um pênalti marcado contra a equipe de Itápolis, no segundo tempo da partida, ouviu-se da arquibancada o nome do goleiro Denis, como uma forma de reviver algo do passado. Pedido que nem chegou perto de ser atendido. E a penalidade, que desempataria a partida, até então com o placar de 1 a 1, acabou sendo desperdiçada pelo zagueiro Maicon.

Após a frustração do pênalti perdido, foi visto que o nome que os torcedores queriam gritar na realidade não era o de Denis, e sim o de outro goleiro, ou melhor, como os são-paulinos gostam de dizer, de um mito: Rogério Ceni.

Com 132 gols marcados, 1.237 partidas jogadas com a camisa tricolor (o atleta que mais defendeu o mesmo clube na história do futebol), três títulos da Libertadores, três Mundiais e vários recordes batidos ao longo da carreira, Rogério Ceni – ou a sua ausência – foi o motivo do grande vazio sentido no novo Morumbi. Apesar de ter se aposentado um pouco antes das reformas do estádio começarem, Ceni ainda é lembrado pela torcida do São Paulo, que carece de um jogador que a represente nos gramados, mesmo diante da crise, como o goleiro conseguia fazer.

No final, Maicon ainda conseguiu se redimir da cobrança mal batida e fazer o gol da vitória sobre o Oeste (2 a 1). Porém, o espaço vazio deixado pelo goleiro, artilheiro, líbero e capitão Rogério Ceni continua lá no mesmo lugar e, ao que tudo indica, ficará sem ser preenchido por um longo tempo.

Renan Amaral

Sobre Renan Amaral

Renan Amaral já escreveu 16 posts nesse site..

Apaixonado por esporte, Renan Amaral percebeu que tinha o futebol na veia quando foi a um estádio pela primeira vez. Anos depois, descobriu no jornalismo a oportunidade de estar envolvido de alguma forma com esportes, principalmente com o futebol, sua velha paixão, que nasceu quando ainda era um moleque que esticava o pescoço para ver melhor os jogos da arquibancada.

BetWarrior


Poliesportiva


Renan Amaral
Renan Amaral
Apaixonado por esporte, Renan Amaral percebeu que tinha o futebol na veia quando foi a um estádio pela primeira vez. Anos depois, descobriu no jornalismo a oportunidade de estar envolvido de alguma forma com esportes, principalmente com o futebol, sua velha paixão, que nasceu quando ainda era um moleque que esticava o pescoço para ver melhor os jogos da arquibancada.

    Artigos Relacionados

    Topo