Náutico

Antes de mais nada, o Náutico enfrentou o Cruzeiro na quinta-feira (26). Dessa forma, a equipe empatou no último jogo do campeonato e garantiu a 8º colocação. Apesar de não ter chances de acesso há algumas partidas, o Alvirrubro já viveu um ótimo momento na Série B e tinha até expectativas de conquistar a taça.

A ASCENSÃO

Primeiramente, com um início arrasador, o Timbu manteve uma invencibilidade de 14 rodadas. Assim, com esse desempenho, o clube conseguiu a maior arrancada na história da competição nos pontos corridos. Nesses 14 jogos, a equipe de Hélio dos Anjos teve oito vitórias e seis empates.

Na 15ª rodada, enfrentou o Coritiba e teve a primeira derrota na Série B, por 3 x 1. Mesmo perdendo um duelo direto contra o Coxa, a liderança ainda era do Alvirrubro. Porém, após a sua primeira derrota, a equipe teria uma queda brusca de rendimento. Dessa forma, o 1º lugar não ficaria muito tempo na mão do Náutico.

A QUEDA

O duelo contra o Coritiba foi o ponto inicial da queda do Alvirrubro. Após essa derrota, o Timbu amargaria uma sequência de cinco resultados negativos consecutivos.

Como resultado dessa sequência, o técnico Hélio dos Anjos deixou o cargo após a derrota contra o Cruzeiro, na 19ª rodada.

https://twitter.com/nauticope/status/1428021939474505734

Somente na 20ª rodada o Timbu se reencontraria com a vitória. Nesse sentido, na partida entre CSA 0 x 1 Náutico, o clube conquistaria os três pontos fora de casa. Mas nesse momento o time já não estaria mais no acesso, sendo o 6º colocado.

A decisão de demitir Hélio não pareceu surtir o efeito desejado, pois a equipe ainda assim não reencontrou a sua melhor fase. Para substituir o cargo de treinador, Marcelo Chamusca foi contratado, porém não teve vida longa no clube. Após seis rodadas na frente do time, com uma vitória em seis jogos, Marcelo também deixou a posição de técnico. Assim, com a esperança de retomar a melhor fase, Hélio dos Anjos foi recontratado.

MAIOR PROBLEMA DO NÁUTICO

Primeiramente, um dos grande problemas do Náutico foi a parte defensiva. Ao mesmo tempo que o ataque era muito bom, a defesa deixava a desejar. Em suma, o time terminou a competição com 50 gols e o 3º melhor ataque. Em contrapartida, o Alvirrubro foi vazado de forma proporcional aos tentos. Curiosamente, o time também tomou 50 gols, mesmo número de vezes que balançou as redes.

Com essa inconstância entre o ataque e a defesa, a equipe pernambucana proporcionou partidas movimentadas. Por exemplo, em cinco rodadas seguidas, o Timbu teve jogos em que houve de quatro a sete gols.

ARTILHEIROS DO NÁUTICO

Os artilheiros da Série B foram os atacantes Edu e Léo Gamalho. Já no elenco do Timbu os artilheiros foram:

  1. Jean Carlos – 11 gols
  2. Vinícius – 8 gols
  3. Caio Dantas – 4 gols

O meia Jean Carlos foi o principal goleador do time na Série B, dividindo o 3º lugar na artilharia do campeonato com Cano, Bruno Sávio e Dellatorre.

Foto destaque: Divulgação/Tiago Caldas/CNC

Eric Barbosa
Meu nome é Eric, tenho 19 anos, sou aluno bolsista pelo Prouni e estou no quarto período de Jornalismo pela Universidade Paulista - UNIP. O esporte sempre fez parte da minha vida, principalmente o futebol, pois eu tinha o sonho de ser jogador. Porém, com as adversidades da vida, não consegui realizar esse sonho, mas isso não me impede de viver do esporte. Por isso, escolhi o jornalismo esportivo como carreira.