Kleina terá pelo menos uma mudança para o duelo contra o Operário. (Foto destaque: Diego Almeida/ PontePress)

Desde já a Ponte Preta treinou no Estádio Moisés Lucarelli e viajou na sequência. De maneira que o time vai ter ao menos uma mudança em relação ao empate por 0 x 0 no dérbi. A saber Kleina terá pelo menos uma mudança para o jogo contra o Operário na próxima quarta-feira (22), no Germano Kruger.

Assim como com a suspensão de Cleylton por três cartões amarelos, a possibilidade é que Fábio Sanches que não entra em campo desde o dia 11 de agosto assuma a vaga para atuar ao lado de Rayan. Tal como o lateral-esquerdo Rafael Santos e o atacante Moisés eram dúvidas devido a problemas físicos. Por outro lado trabalharam normalmente nos últimos dias e estão relacionados.

Juntamente com isso Rafael Santos sentiu um incômodo muscular no segundo tempo do clássico campineiro. Similarmente enquanto Moisés atuou contra o Guarani com dores no joelho. Do mesmo modo existe a possibilidade de Camilo entrar no lugar de Fessin por opção técnica. Nesse ínterim o restante da base titular deve ser mantido.

Em conclusão com 26 pontos, a Ponte busca a primeira vitória fora de casa na Série B para tentar abrir vantagem da degola.

Kleina

Simultaneamente uma provável Ponte tem: Ivan, Felipe Albuquerque, Fábio Sanches, Rayan e Rafael Santos. Bem como André Luiz, Marcos Júnior e Fessin (Camilo). Ou seja, mis pra frente Richard, Moisés e Rodrigão.

Com intuito de trazer os três pontos o histórico entre as equipes deve ser quebrado pelos visitantes. Vale lembrar que as equipes já se encontraram em campo cinco vezes. Em suma, são duas vitórias para os mandantes e uma para os visitantes. Ainda mais, acumulam um empate de 0 x 0, em confronto dessa temporada.

Assim também o time vai tentar quebrar dois tabus. Primeiramente conquistar a primeira vitória como visitante. Ainda mais que a equipe ainda não venceu como visitante na competição. Segundamente a primeira vitória em Ponta Grossa. Vale lembrar que Macaca ainda não venceu o Fantasma  nos confrontos no Paraná.

 

(Foto destaque: Diego Almeida/ PontePress)

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs