Neste domingo (24), o Internacional quebrou um tabu que perdurava desde setembro de 2018 e voltou a vencer o arquirrival Grêmio. A partida foi válida pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro 2020 e disputada no Beira-Rio. Com a vitória, o Colorado chega a 62 pontos, abrindo uma vantagem de quatro para o vice-líder São Paulo. O Imortal permanece com 51 e – apesar de ser o esquadrão menos derrotado (4) até o momento no Brasileirão – praticamente deu adeus à briga pela taça. Desse modo, a nossa crônica de hoje é sobre o Gre-Nal 429. Em seguida, faremos a projeção futura dos próximos passos da dupla gaúcha na competição.

A vitória do Internacional no Gre-Nal 429

Acabou a zica. Depois de 11 jogos sem vencer um clássico, o Inter ganhou muito mais que três pontos. Em primeiro lugar, podemos dizer que o fator emocional é o ponto forte da equipe de Abel Braga. Apesar de começar perdendo para o Grêmio em casa, foi buscar a virada e se consolidou na ponta.

Melhor no primeiro tempo, o Internacional foi incapaz de abrir o placar e viu o rival costurar uma posse de bola improdutiva. Na etapa complementar, o Rei de Copas engoliu o Colorado – que só reverteu o placar após as substituições. O Gre-Nal 429 foi o jogo em que brilhou a estrela do técnico no momento decisivo. O Inter exorcizou o fantasma de uma freguesia vergonhosa com a quebra do tabu. O resultado cresce com as derrotas de Atlético-MG, Flamengo e Palmeiras – além do empate do São Paulo diante do Coxa, no Morumbi.

A derrota do Grêmio no Gre-Nal 429

Todo clássico geralmente tem dois tempos – um de cada time. O Imortal dominou no segundo. Embora caminhasse para outro triunfo na cancha colorada, o Grêmio cedeu o empate e, posteriormente, a vitória para o arquirrival. Sem chutar a gol no primeiro tempo, o Tricolor Gaúcho voltou do intervalo comendo grama e foi para cima do Colorado com sangue no olho.

O brilhante – mas relativamente contestado – Jean Pyerre abriu o marcador após passe do artilheiro Diego Souza. Foi abraçado por Renato Gaúcho na comemoração. O treinador entende a cobrança e sabe o quanto um gol em Gre-Nal pode aliviar o psicológico do jogador. O Grêmio não perdeu o clássico porque o juiz decidiu dar um pênalti sem a revisão do lance – inclusive cabe mencionar que Kannemann recolheu o antebraço para evitar que a bola pegasse nele. Perdeu pelo primeiro tempo horroroso e por achar que o jogo estava ganho.

O futuro do Internacional no Brasileirão

Com seis partidas por jogar, o Internacional atinge 84,6% de chance de ser campeão, segundo o site Chance de Gol. Os próximos adversários são Bragantino (C), Athletico-PR (F), Sport Recife (C), Vasco da Gama (F), Flamengo (F) e Corinthians (C). O Inter só depende de si para levantar o caneco e quebrar um jejum incômodo que já dura 42 anos. Se contarmos o único troféu colorado da Copa do Brasil (1992), a seca de títulos nacionais diminui para 29 anos.

Decididamente o campeonato tem um favorito, mas se estivesse do lado de lá eu não festejaria tão cedo. Contudo, se vencer os jogos contra Atlético-GO, Ceará e Botafogo – além de não perder seus confrontos diretos contra Palmeiras, Grêmio e Flamengo – é possível que o São Paulo chegue na rodada derradeira lutando pela taça. Isso desde que o Internacional interrompa seu sprint de oito vitórias consecutivas e tropece na hora H.

O futuro do Grêmio no Brasileirão

O próximo jogo do Grêmio no Brasileirão é contra o Flamengo, em partida atrasada da 23ª rodada. Depois dessa pedreira, o Tricolor vai encarar Coritiba (F), Santos (C), Botafogo (F), São Paulo (C), Athletico-PR (C) e Bragantino (F). Seja via Brasileiro ou com o hexacampeonato da Copa do Brasil, a partir de agora o Grêmio foca em garantir vaga direta na Libertadores. Se o Palmeiras perder a final da competição continental para o Santos, o Imortal correrá uma maratona em fevereiro. O bicampeonato alviverde adia as finais para logo depois do término do Brasileirão.

Assim, vencer os postulantes à degola e somar pontos nos jogos mais difíceis deve dar ao Grêmio a tranquilidade necessária para as últimas rodadas. Ao mesmo tempo, a lesão de Pedro Geromel neste clássico é o contraponto negativo no que se refere às próximas partidas da temporada. Portanto, máxima cautela na reta final. O problema da equipe na temporada é a combinação deletéria de dois fatores em excesso até agora: lesões e empates. O rendimento gremista depende fundamentalmente de um ponto de inflexão nesse sentido.

Foto destaque: Divulgação/Exame

Avatar
André Filipe
Apaixonado pela dimensão histórica do futebol e pela ciência da bola. Gremista desde a Batalha dos Aflitos para o que der e vier. Sinto na escrita o calor latente das minhas paixões profissionais. Historiador, jornalista esportivo e jogador de pôquer nas horas vagas.

Artigos Relacionados