Nesta segunda-feira (20), a Conmebol anunciou mudanças nas premiação da Libertadores. De fato, a categoria masculina recebe valores acima da média em comparação ao torneio feminino. Em suma, a entidade passará de US$ 229,26 milhões (R$ 1,31 bilhão) para US$ 244,36 milhões (R$ 1,39 bilhão), em premiações para as categorias masculina e feminina.

Conmebol aumenta premiação da Libertadores

Desigualdade entre categorias

Definitivamente, os valores entre as categorias têm uma grande diferença. Enquanto os homens passam a receber 16 milhões de dólares (R$ 91,6 milhões). As mulheres, por sua vez, ficarão na casa dos 1,5 milhão de dólares (R$ 8,58 milhões). Sendo assim, quem conquistar a Glória Eterna pelo masculino irá receber quase 11 vezes mais que as campeãs continentais.

“Queremos promover o futebol em todas as suas modalidades e em ambos os sexos. E devolvendo ao futebol o que é do futebol, também vamos recuperar a nossa identidade. É assim que voltaremos a conquistar o mundo, no nível dos clubes e das seleções”, afirmou Alejandro Domínguez, presidente da CONMEBOL.

Ao longo da competição, porém, o desnível de premiação entre masculino e feminino fica mais evidente. Quem chegar à final entre os homens, já terá acumulado mais US$ 25,05 milhões (R$ 143,3 milhões) por ter superado as diferentes fases prévias da Libertadores.

A Conmebol também divulgou aumentos na Libertadores masculina para a fase 1 (US$ 400 mil ou R$ 2,3 milhões por jogo), fase 2 (US$ 500 mil ou R$ 2,86 milhões por duelo) e fase 3 (US$ 600 mil ou R$ 3,43 milhões por partida).

Relembre as campeãs da Conmebol Libertadores

A saber, a Libertadores Feminina começou em 2009 e é considerada a competição mais importante do futebol feminino. Em 2021, o Corinthians fez história ao conquistar seu terceiro título. Com isso, as Alvinegras se igualaram ao São José.

A competição é dominada por clubes brasileiros, com 10 títulos no total. Assim, São José e Corinthians com três cada, além de Santos e Ferroviária com dois cada. Por outro lado, Colo-Colo (CHI), Sportivo Limpeño (PAR) e Atlético Huila (COL) têm um troféu cada.

Foto Destaque: Divulgação/Conmebol

Thaynara Bernardo
Apaixonada por futebol desde os 10 anos, encontrei no jornalismo uma forma de me conectar com essa grande paixão. Na faculdade, desenvolvi trabalhos que me tornaram uma profissional versátil, com fácil adaptação e que adora novos desafios. Espero que um dia eu consiga o meu lugar no jornalismo esportivo!