Yago Henrique, sobre a lesão que sofreu no início do ano: "Faço trabalhos específicos e faço trabalho à parte”. (Foto destaque: Álvaro Jr./PontePress)

Antecipadamente, os volantes assumiram o protagonismo no segundo turno da Série B da Ponte Preta. Do mesmo modo,  a razão se dá diante da seca de gols dos atacantes na Ponte Preta. Assim, o desempenho dos ‘marcadores' também serve para suprir a ausência de gols de Moisés, goleador máximo do elenco em 2021. Assim, Yago Henrique, volante falou sobre a ajuda aos atacantes do grupo:  Rodrigão, João Veras, Josiel, Niltinho, Iago e Richard.

“Eu, individualmente falando, pude ajudar os meus companheiros, tanto na saída de bola quanto na recomposição das linhas, ocupando bem os espaços, como o professor Gilson pediu. Na verdade, é uma posição muito concorrida e tem muitos jogadores de qualidade. A disputa é muito sadia entre todos”, afirmou ainda em busca do primeiro gol.

Segundo o atleta, todos trabalham com muito respeito e todo grupo procura fazer o que o professor Gilson pede.

 “Dentro das minhas características, procuro ajudar da melhor forma”.

Por outro lado, o futebolista atualmente atua na condição de titular.

Yago Henrique

Eventualmente, depois de sucessivas lesões musculares na carreira, especialmente no Juventude, onde teve baixa minutagem nesta temporada, o futebolista tem conseguido emplacar boa sequência de jogos na Ponte Preta.

Juntamente com isso, atleta está emprestado pelo próprio clube gaúcho até o final da Série B. Ou seja, admitiu realizar trabalhos físicos especiais para reduzir a possibilidade de novas contusões na reta final de 2021.

“Com certeza, eu tive uma lesão complicada no início do ano, que me deixou bastante tempo parado. Foi uma lesão da qual eu me recuperei. Hoje eu estou bem. Faço trabalhos específicos e faço trabalho à parte”.

Em suma, pontuou que faz trabalho com o pessoal do clube, faz sempre o reforço muscular.

“Foi uma lesão muscular. Eu me sinto preparado e livre da lesão. Então estou fortalecido. É buscar manter esse ritmo para ganhar sequência nessa reta final”.

 

Foto destaque: Álvaro Jr./PontePress

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs