Um dos responsáveis pela permanência da Ponte, Moisés ressalta: "Jogamos por nós, pela Ponte, por nossas famílias e pela torcida: sem vocês não somos nada". (Foto destaque: Diego Almeida/PontePress)

Primeiramente, um dos responsáveis da Ponte Preta no ano sem dúvidas, o artilheiro Moisés reafirmou sua importância. Do mesmo modo, no último compromisso do time contra o Confiança, o atleta foi o autor do golquô garantiu a permanência do time no campeonato. Assim também, autor de 13 gols, o camisa 21 compartilhou suas considerações acerca do feito, bem como sobre os sentimentos que envolveram a disputa em Aracaju.

“Estávamos focados, sabíamos que era o jogo das nossas vidas. Sabemos que merecíamos coisas maiores, queríamos o acesso, mas pelo menos conseguimos permanecer. E isso foi possível porque jogamos por nós, pela Ponte, por nossas famílias e pela torcida: sem vocês não somos nada”

De maneira que, Moisés ainda relatou a ansiedade que sentiu durante o jogo. Juntamente com isso, o sentimento compartilhado pelo elenco que buscava, o resultado.

“Queiramos conseguir o resultado o mais rápido possível. Essa vontade de matar logo nos atrapalhou um pouco, mais do que o calor.  Mas ninguém perdeu a fé e todos se empenharam muito, o tempo todo. Para quem nos secou e achava que íamos cair, quero dizer que quem determina não são eles. É Deus e o nosso trabalho”, pontuou.

Um dos responsáveis pela permanência da Ponte, Moisés

Nesse ínterim, o jogador agradeceu o apoio da torcida durante a temporada e projetou os ânimos para a temporada de 2022. De maneira que, pediu desculpas ao torcedor por não ter conseguido o acesso:

“Mas agradecemos o apoio e que Deus possa nos ajudar a subir no ano que vem. A Ponte é um time grande, não merece estar na B e muito menos na C.

Por fim, citou que foi um ano difícil, mas que em 2022 possa ser melhor para todos e um ano iluminado para a Ponte.

“De resto, por mais que tenhamos passado por adversidades, é agradecer a Deus e a quem nos apoiou, e em especial à torcida, excepcional pelo carinho que tem por nós”, concluiu.

Foto destaque: Diego Almeida/PontePress

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs

Deixe um comentário