Torcida protesta do começo ao fim e auxiliar desabafa: "É uma tristeza sem tamanho"

Em suma, a torcida do Vasco protestou do início ao fim na partida contra o Remo, em São Januário. Decerto, o empate em 2 x 2 nada serviu para que os torcedores vissem possíveis jogadores que irão ajudar em 2022. O clima foi pesado desde o aquecimento e não parou nem quando o time conseguiu marcar o segundo gol, recuperando o placar de 2 x 0 contra que vinha acontecendo. O auxiliar técnico, Fábio Cortez, que comandou a equipe na beira do campo, desabafou em entrevista coletiva:

“É uma tristeza sem tamanho. O torcedor está no direito de cobrar e vaiar. Isso não tem problema. Fizemos um ano triste. Se for avaliar, em muitos jogos, tivemos coisas complicadas. Bola desviando em jogador, erro técnico… Mas mostramos muito empenho e unidade nesses últimos dois jogos. Tenho de agradecer aos jogadores. Já vi uma desse nível aqui, tenho muito tempo de Vasco. Mas ser vaiado no aquecimento, sem chance de mostrar que está se querendo melhorar, é triste. Vamos esperar o próximo ano, é ano de reconstruir. Conheço esses garotos desde os 8 anos de idade e sei do amor deles pelo Vasco. Eles ainda estão em formação. Precisamos apoiar o ativo do clube, a prata da casa”.

https://www.youtube.com/watch?v=ny7Of0bpu-M

Torcida “poupa” Nenê e Cano

Portanto, os alvos principais da torcida foram Leandro Castán, vaiado desde antes da partida começar, Morato, Rômulo, Léo Matos e até o goleiro Lucão. A torcida pegou no pé de forma dura, mas também irônica, quando por exemplo, chamou o jovem da base, MT, de “jogador cachaceiro”. Apenas Nenê e Germán Cano foram poupados da ira vinda das arquibancadas. Outro jovem que passou ileso e no fim, marcou um gol, foi o paraguaio Galarza.

Decerto, o time ainda segue sua procura por uma nova cúpula de futebol e deve apresentar um novo diretor executivo nos próximos dias. Após isso, um novo treinador também chegará e assim, o planejamento de 2022 sairá do papel.

Foto destaque: Divulgação/Vasco

Robert Ferreira
Sou o Robert! Fiz jornalismo para vivenciar histórias, estar dentro dos fatos e o principal, ter acesso a verdade, sempre! O esporte sempre esteve na minha vida, e unir a escrita com o futebol seria é o ideal de vida. Escrevi para redação do jornal universitário além de atuar fortemente nas redes sociais com posicionamentos sobre cultura negra. Sujeito calmo com o objetivo de ganhar o mundo!