Rodrigo Chagas prega necessidade de agressividade

- Treinador do Vitória destacou falta de agressividade da equipe e ressaltou necessidade de trabalho psicológico com os atletas
Segundo o treinador do Vitória, tanto o sistema defensivo quanto ofensivo ficaram devendo na partida diante do América-MG

Pela 33ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, o Vitória visitou o América-MG fora de casa, na Arena Independência, em Belo Horizonte (MG). Porteiro da zona de rebaixamento, o Leão da Barra não resistiu a superioridade técnica da equipe mineira.

Líder da competição, com 66 pontos, o Coelho goleou o time baiano por 4 a 0. Os gols foram marcados por Rodolfo, Ademir e Neto Berola (2x). De maneira quase que idêntica ao duelo contra o Operário-PR, na rodada de número 32, o técnico Rodrigo Chagas, após a partida destacou a ineficiência do Vitória durante a partida.

Decepcionado com o desempenho, tanto defensivo como ofensivo, o treinador lamentou o resultado expressivo. Por consequência, cobrou mais “agressividade” do time nas próximas partidas. Vale destacar que, o Leão da Barra, encerrou a rodada com 37 pontos. Já o Figueirense – primeiro do Z-4 – possui um ponto a menos que a agremiação baiana.

“Achei que íamos entrar com uma atitude diferente, principalmente na questão de marcação. Eu gostaria que meu time fosse mais agressivo, e realmente isso não aconteceu”, declarou. 

POSTURA DO VITÓRIA PRECISA MUDAR NA LUTA CONTRA O Z-4

Com cinco rodadas restantes até o final da temporada na competição nacional, o Vitória terá jogos importantes pela frente. A começar pelo próximo adversário, o Avaí, no estádio Ressacada, na próxima quarta-feira (13), às 19h. Dessa forma, Rodrigo afirmou que buscará fortalecer a parte psicológica do seu plantel. Para o comandante, fazer com que os jogadores assimilem a proposta do jogo será fundamental na briga contra o rebaixamento para a Série C.

“A gente sabe que, nas quatro primeiras partidas em que nós estivemos à frente, tivemos um grupo com bastante atitude, com intensidade muito grande. Nestes dois últimos jogos depois que eu passei a ficar realmente à frente da equipe, não mais como interino… No primeiro jogo, fizemos um bom jogo, porém com pouca agressividade. Neste jogo, esperava que essa atitude, principalmente com relação à marcação, até porque a gente ia jogar com uma equipe com muita mobilidade na frente. Então a gente sabia das dificuldades que iriam acontecer. Mas não aconteceu como nós prevíamos, como queríamos. Agora é trabalhar mais o psicológico dos nossos atletas, fazer com que eles entendam que a gente tem que ter uma atitude diferente nos próximos jogos que virão pela frente”, completou o técnico. 

Portanto, o Vitória estacionou na 16ª colocação, com 37 pontos. Já o Figueirense, primeira equipe dentro do Z-4, que empatou sem gols com o CSA, na última sexta-feira (8), acumula 36 pontos.

Foto Destaque: Divulgação/EC Vitória

Pedro Moraes
Pedro Moraes
Falar e escrever sobre futebol é o que há! O Jornalismo Esportivo só me ajudou a ser amante deste esporte, seja ele estadual, nacional ou internacional. Copa do Mundo é vida! Libertadores é pra cardíaco!

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Topo