Em primeiro lugar o torcedor pontepretano não foi feliz após o juiz apitar o fim do jogo entre Vasco da Gama x Ponte Preta no último domingo (29). A saber o time foi derrotado pelo placar de 2×0. Por outro lado a Ponte não jogou mal e teve 15 finalizações que não foram suficientes. Da mesma forma com o resultado chegou à sétima derrota em 11 jogos longe de Campinas na Série B, além de quatro empates.

Ocasionalmente é a pior visitante da competição, com apenas quatro em 33 possíveis (12,12% de aproveitamento). Assim também a pergunta é por que o time não consegue vencer fora de casa?

Eventualmente algumas repostas: por que o time venceu em partidas em que o adversário era inferior. Por outro lado o time é fraco. Bem como a Ponte precisa de reforços. Ou mais afundo o time não tem um esquema tático. Segundo Gilson Kleina questionado sobre esses números o técnico enfatizou:

Temos que aprender uma coisa fora da casa: normalmente, você não cria tantas chances. Mas tivemos 15 finalizações e algumas chances reais. Temos de ter essa mentalidade de matar quando estiver bem no jogo. Hoje você não controla o jogo o tempo todo. É um jogo de xadrez muito grande”

Analogamente a semana cheia de treinamentos fez bem para os visitantes que contaram com Leandro Castan. Ou seja, além de ter feito desarmes e acertado quase que 100% dos passes tentados na primeira etapa (errou apenas um de 22 e fez lançamento). Bem como cobrou atenção da equipe a todo instante.

Com toda certeza outro fator que evidenciou o time visitado foi o desempenho nos desarmes. Outrossim foram 24 no total, o time de Lisca registrou o dobro dos efetuados pelos visitantes.

Em resumo depois do segundo gol aos 19 minutos do segundo tempo definiu a partida.

De tal forma assim a Ponte sofreu essa derrota, continua com os 22 pontos e o melhor é que não voltou para a zona de rebaixamento. Do mesmo modo o time precisa acordar.

Ponte Preta do Gilson Kleina

Eventualmente com a análise do jogo Kleina ressaltou que o time pegou um jogo difícil. No entanto, perderam mais um jogo com totais condições de pontuar.

“O erro tem que ser coletivo. O erro é meu, a gente passa para os atletas. A gente sabia que o Lisca faria uma pressão na saída de bola, e eu encorajei que a gente tivesse a postura de sair jogando, sem abusar do chutão. Mas erramos e, fora de casa, estamos pagando um preço caro. É tentar corrigir isso, os jogadores estão tentando fazer da melhor maneira possível”.

Em conclusão o próximo jogo acontece na sexta-feira (3) quando o Sampaio Corrêa viaja a Campinas para o duelo da 22ª rodada.

 

(Foto destaque: André Durão).

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs