Ponte Preta celebra Consciência Negra e jogará com frase antirracismo. (Foto destaque: Divulgação/ PontePress)

Primeiramente, neste sábado (20), no dia da Consciência Negra a 1ª democracia racial do futebol, a Ponte Preta celebra a data. De maneira que, a equipe com negros no elenco e na diretoria desde a fundação, entrará em campo reforçando na camisa do time: a luta pela igualdade.

Da mesma forma, todos os atletas jogarão contra o Confiança o com a frase “Racismo Não” estampada nas costas do uniforme.

“O racismo acontece não só dentro do futebol como fora também. É sempre muito chocante a gente se deparar com esse tipo de atitude que, inclusive, é crime. Acho que a saída para isso é a educação, tanto de nossas crianças como, principalmente, de nossos adultos”,  volante pontepretano Marcos Jr.

Assim também, o primeiro presidente negro da história da Ponte e único afro-brasileiro entre todos os presidentes da série A e B do Brasileirão. Ainda mais, que Tiãozinho o autor da lei que criou o feriado de Dia da Consciência Negra em Campinas quando foi vereador na cidade, destaca a importância da Ponte nesta luta.

“Como já disse antes e faço questão de reiterar a cada instante, a história da Ponte Preta foi construída em cima da diversidade e da aceitação de que, mesmo sendo diferentes, somos todos iguais. Essa verdade, essa igualdade e harmonia entre pessoas de diferentes etnias, religiões, orientações sexuais, classes sociais, é algo que defenderemos hoje e sempre.

Ponte Preta celebra Consciência Negra

Do mesmo modo, pontuou que essa defesa precisa ser contínua, pois ainda existem casos de racismo no esporte. Bem como, citou do caso neste ano com o jogador Celsinho.

Vale lembrar, o meia do Londrina foi vítima de uma injúria racial desferida por um dirigente do Brusque em partida entre as equipes realizada em 24 de setembro. Por outro lado, a equipe chegou a ser punida com perda de três pontos. No entanto, justamente nesta semana em que se comemora o Dia da Consciência Negra, o STJD reverteu a pena.

“O STJD tinha uma grande oportunidade de fazer algo bem positivo e infelizmente ao invés de evoluir, eles retrocederam. Muito vergonhoso. Que grande decepção”, lamentou o jogador em declarações à mídia.

Simultaneamente, criada em 11 de agosto de 1900, o clube  tinha negros tanto dentro de campo quanto em seu quadro diretivo desde a data da fundação. Eventualmente, Migué do Carmo, um dos fundadores e meio-campista da equipe, foi o primeiro negro a jogar em um time de futebol na história do Brasil.

Ocasionalmente, em virtude deste fato, o clube, que exibe na camisa um selo permanente destacando ser a primeira democracia racial do esporte. Além disso, também se tornou – em novembro de 2020 –  o primeiro time do país a receber o selo de combate ao racismo concedido pelo Movimento AR.

 

Foto destaque: Divulgação/ PontePress

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs

Deixe um comentário