Pendências salariais levam elenco da Ponte a fazer "greve de silêncio", mais uma vez. (Foto destaque: Marcos Ribolli)

De antemão, ninguém da Ponte Preta falou na saída de campo no intervalo e depois do jogo contra o Botafogo. Vale lembrar que a partida foi realizada na última quinta-feira (11), no Moisés lucarelli e terminou empatado em 0x0. Imediatamente, o elenco está novamente em silêncio como protesto às pendências salariais.

Assim também, é a terceira vez isso acontece na campanha da Série B do Brasileiro – as outras foram em setembro e depois outubro. Ocasionalmente, a diretoria da Ponte se manifestou sobre o assunto. Além disso, o comunicado foi divulgado pela assessoria de imprensa assim que acabou o primeiro tempo, antes mesmo dos jogadores deixarem o campo.

A Ponte Preta informa que os salários dos atletas neste mês está três dias atrasado e que a Diretoria Pontepretana está envidando todos os esforços para que o acerto seja feito o mais rápido possível. Importante deixar claro que até então os salários (CLT) estavam em dia. Além disso, dos 39 atletas do elenco, onze recebem também direito de imagem. Com estes, há pendências que variam de um a três meses de direito de imagem em aberto (quando os vencimentos do atleta são compostos por salário e direito de imagem, o percentual da CLT é de no mínimo 60% e os direitos de imagem, no máximo 40%).

Pendências salariais levam elenco da Ponte a fazer “greve de silêncio”

Juntamente com isso, a tendência é que os jogadores fiquem sem dar entrevistas até que ao menos parte da dívida seja quitada. Do mesmo modo, a insatisfação também é pela condução do caso, sem o cumprimento de prazos e acordos feitos entre as partes.

Contudo, a diretoria aguarda a definição do futuro do time na Série B – ainda corre risco de rebaixamento. Bem como, para fechar com investidores. Além disso,  receber recursos que vão ajudar com os problemas financeiros.

 

Foto destaque: Marcos Ribolli

 

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs