Kleina após a primeira vitória diante do CRB. (Foto destaque: Álvaro Jr./PontePress)

Inicialmente, qual torcedor pontepretano que não comecou a segunda-feira (8), maravilhosamente bem, com 42 pontos, cada vez mais distante do Z-4 e fazendo as contas para a reta final da Série B? Do mesmo modo, veja o que disse Gilson Kleina após a primeira vitória diante da torcida, contra o CRB, no Moisés Lucarelli.

Por outro lado, o técnico valorizou a estratégia para segurar o adversário e especialmente, o meia argentino Diego Torres, camisa 10 do time alagoano.

“Nós sabíamos que o CRB é uma equipe que sabe jogar fora de casa. Jogadores que são muito rápidos na frente. E a gente precisava neutralizar o Diego Torres, um dos melhores jogadores da Série B. Nós conseguimos encaixar bem a marcação. Neutralizamos a grande criação do CRB. No começo tivemos um pouco de dificuldade, mas depois colocamos a bola no chão. Fico feliz pela entrega”.

A saber, o comandante destacou a “atitude” da equipe que sabia da importância de estar com mental bem trabalhado, por conta da rodada que tinha sido foi muito boa. Tal como, não poderiam desperdiçar a chance de conseguir uma vitória em casa, diante do  torcedor e frisou:

“Foi uma vitória de muita atitude”. 

O que disse Gilson Kleina

De maneira que, o que todo mundo quer saber são as projeções para a reta final e as contas para o time permanecer na Série B. Bem como, o líder trouxe os números:

“Na última rodada a linha de corte tava 42, depois com vitória de Bursque e Londrina passou pra 44. Eu vou ter que fazer contas pra ver se 45 pontos serão suficientes pra ficar.

Nesse ínterim, o objetivo é somar mais três pontos na próxima quinta-feira (11). Assim como, a Ponte recebe o Botafogo, que assumiu a liderança da competição. Em suma, a partida acontece às 19h, no Moisés Lucarelli.

 

Foto destaque: Álvaro Jr./PontePress

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs