Kleina destacou espírito guerreiro da Ponte Preta na primeira vitória fora de casa. (Foto destaque: André Jonsson/OFEC)

A principio a primeira vitória fora de casa veio e a palavra que resume é: foi na raça. De maneira que a Ponte Preta venceu o Operário no Germano Kruger. Juntamente com isso o técnico Gilson Kleina ficou orgulhoso, principalmente pelas circunstâncias do duelo. Simultaneamente a Macaca precisou superar duas expulsões para segurar o resultado de 2 x 1 em Ponta Grossa.

Vale lembrar que André Luiz aos 27 minutos e Fábio Sanches aos 44 foram expulsos pelo segundo cartão amarelo. Similarmente o time terminou a partida com nove jogadores em campo. Segundo o comandante o ponto principal é enaltecer o espírito dos atletas.

 “Isso foi fundamental para a nossa primeira vitória fora de casa. Esse tem de ser o espírito. Quando estava 11 contra 11, nosso time conseguiu encaixar o jogo, a marcação. Depois das expulsões foi uma atuação de superação, com as defesas do Ivan, o Kevin salvando a bola em cima da linha e também a entrega de todos – disse o treinador em entrevista coletiva virtual após a partida.”

Da mesma forma o resultado positivo consolida a campanha de recuperação na luta contra o rebaixamento. Ocasionalmente Kleina pontuou que a vitória é de todos na Ponte Preta, que mostram trabalho digno, de muita entrega e estudo.

“Estamos vivendo um dia de cada vez. Passamos por processos e por uma reformulação dentro da competição. Nossa equipe tem uma identidade, criou uma forma de jogar, tem uma mentalidade de jogar dentro e fora. Pela primeira vez conseguimos vencer fora de casa, e agora vamos fazer de tudo para conquistar mais uma em casa também”.

Kleina

Juntamente com isso o treinador recebeu cartão amarelo por parte das reclamações e citou os critérios adotados pelo árbitro. Do mesmo modo enfatizou que achou os critérios diferentes. Bem como citou o pênalti no Rodrigão. Eventualmente o lance do Djalma que colocou a mão no rosto do Iago (pelas imagens da TV colocou).

“Era o segundo amarelo para ele também. Eram 10 contra 9 em campo. Depois colocou oito minutos de acréscimo. O banco deles também todo tempo pressionando a arbitragem. Essas situações foram minando. Umas faltas também que os atletas entravam direto no corpo. Achei que ficou um pouco a desejar”

Em suma resultado fez o time chegar aos 29 pontos, quatro a mais que o Vitória, que abre o Z-4 e a Macaca assumiu a 14ª colocação.

“Uma vitória importante. A gente estava buscando essa vitória faz um tempo. Estava tendo desempenho, mas não resultado. E falamos que desta vez a gente tinha que ter resultado. Agora ganhamos duas posições”.

Nesse ínterim a Ponte volta a campo no domingo (26), quando recebe o lanterna Brasil-RS, às 18h30, no Majestoso. Do mesmo modo o time está invicto há seis partidas (cinco vitórias e o empate no dérbi).

 

 (Foto destaque: André Jonsson/OFEC)

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs