Antes de tudo, após o empate da Ponte Preta diante do Botafogo Kleina falou em jogo válido pela 35ª rodada do Brasileirão Série B. A saber, os dois times ficaram no empate em 0x0 na noite da última quinta-feira (11). Bem como, o time se aproximou ainda mais de garantir a permanência na Série B.

Por outro lado, a Macaca ocupa a 14ª colocada com 43 pontos, agora abriu cinco de distância para o Londrina, primeiro time na zona do rebaixamento. Ocasionalmente, sobre o jogo o comandante elogiou a postura da Ponte diante do líder da competição, principalmente no aspecto defensivo.

“Um ponto muito importante. Nós tivemos coragem para jogar. Tivemos oportunidades de chegar ao gol também. Um jogo que teve muito estudo e marcações bem encaixadas. Tenho que exaltar a nossa estrutura defensiva. Neutralizamos as tentativas de saídas do Botafogo”.

No entanto, uma situação chamou a atenção. Do mesmo modo, pela terceira vez durante a Série B, os jogadores da Ponte ficaram em silêncio como forma de protesto pelas pendências salariais. Eventualmente, ninguém deu entrevista no intervalo e nem ao fim da partida.

Kleina

De maneira que, sobre a situação, o treinador disse que há transparência interna sobre o assunto.

“Nós temos que estar focado com o resultado de campo. A diretoria está fazendo todos os esforços. É questão de tempo para organizar. A transparência está fazendo a diferença. Nós não estamos negando nada, estamos falando no olho no olho. Tanto é que teve uma reunião e o presidente se posicionou com os atletas. E as coisas vão se resolver, é só questão de tempo”.

Afinal, na próxima segunda-feira (15), a Ponte Preta vai enfrentar o Londrina, às 16h, no Estádio do Café. Bem como, o jogo é válido pela 36ª rodada da Série B. Assim como, se vencer, a Macaca confirma a permanência no campeonato.

 

Foto destaque: Marcos Ribolli

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs