Kleina renova com a Ponte Preta. (Foto destaque: Diego Almeida/ PontePress)

À primeira vista, tudo indica que a pergunta que o torcedor fez ao longo da semana tem uma boa resposta. Do mesmo modo, o presidente pontepretano Marco Antonio Eberlin confirmou na tarde desta sexta-feira (3) a renovação do técnico Gilson Kleina no comando da Macaca, até o final de 2022.

 “Apesar de toda a dificuldade, o Gilson vestiu a camisa, soube conviver com o momento e tem interesse de ficar. Ele compreendeu o momento da Ponte, reduziu a demanda salarial e negociamos para pagar no ano que vem alguns valores que precisavam ser acertados”, pontua Eberlin.

Da mesma forma, Gilson embarcou no final da tarde para o Rio de Janeiro, pois estará nos próximos 10 dias fazendo o curso de Licença PRO da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). De maneira que, diz estar muito feliz e confiante para fazer um bom trabalho em 2022.

“Estou muito feliz em poder dar continuidade ao trabalho, pela missão cumprida e com certeza de dias melhores. E com foco e convicção no trabalho, sempre”

Nesse ínterim, com a definição no comando, os próximos dias serão mais focados no elenco. De maneira que Eberlin afirmou que não adianta chegar e mandar 0s jogadores embora, e em 25 dias ter que montar a equipe. Além disso, frisou que pretendem trazer atletas da base e fazer contratações.

Kleina renova com Ponte Preta e continua sua história com o clube

Eventualmente, o carinho do técnico pela Ponte, a admiração dos jogadores e torcedores também favoreceram a decisão. Juntamente com isso, Kleina está na quinta passagem pelo Majestoso, com 224 jogos. Logo, é o quarto treinador que mais vezes dirigiu a Macaca na história, atrás de atrás de Zé Duarte (245), Nico (260) e Cilinho (345).

Por fim, o treinador voltou à Ponte em maio deste ano e conduziu a campanha da Alvinegra em uma Série B em que a ameaça de rebaixamento permaneceu até a penúltima rodada.

Foto destaque: Diego Almeida/PontePress

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs