Kleina fez uma análise da primeira vitória fora de casa na série B. (Foto destaque: André Jonsson/OFEC)

De antemão após a quebra do jejum de 15 jogos sem vitórias fora de casa e a vitória contra o Operário no Germano Kruger Kleina ressaltou sobre o espírito e a garra do time. Além disso o técnico fez uma análise da partida. Segundo o comandante é preciso vibrar com o resultado:

“Esse tem de ser o espírito. Quando estava 11 contra 11, nosso time conseguiu encaixar o jogo, a marcação. Depois das expulsões foi uma atuação de superação, com as defesas do Ivan, o Kevin salvando a bola em cima da linha e também a entrega de todos – disse o treinador em entrevista coletiva virtual após a partida.”

Similarmente sobre o primeiro tempo, o comandante disse que o time encaixou a marcação e teve uma transição forte. Bem como reforçou que o Fantasma teve dificuldade e conseguiu empatar numa jogada de falta. De maneira que após o gol cresceram e destacou que a Ponte depois teve as melhores condições:

“Quando o Moisés conseguiu definir a jogada, chegamos ao gol. A gente tinha de arriscar um pouco mais no último terço. Falamos no intervalo sobre os cartões e pedimos atenção também para o time não baixar as linhas. As trocas jamais foram para chamar o adversário. Só que com dois a menos é quase impossível ter uma plataforma de jogo. É tentar fechar o bloco central. Soubemos sofrer e estamos levando três pontos importantíssimos para Campinas”.

Ao mesmo tempo sobre as expulsões:

“Os dois amarelos que o Fábio e o André tomaram no primeiro tempo, tiveram lances semelhantes também do lado deles, e o árbitro não deu. Teve uma transição do Moisés no segundo tempo que não foi falta apenas, foi uma agressão. Essa foi a minha reclamação. Aquele lance me tirou do sério”.

Kleina

Em conclusão sobre a postura do time, o comandante agradeceu e parabenizou o espírito do time que conseguiu terminar com dois a menos contra um adversário que é muito forte em casa. Bem como lembrou que o time teve essa facilidade.

“Que bom que quando a gente sofreu apareceu nosso elenco, com as defesas do Ivan, os zagueiros brigando, o Kevin salvando em cima da linha. Quando você acredita no trabalho, em algum momento esse resultado iria ver. Ainda temos ajustes a fazer, mas muito feliz por levar três pontos para Campinas”.

 

(Foto Destaque: André Jonsson/OFEC)

 

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs