Grêmio toma decisão e libera sete jogadores

Antes de mais nada, o Grêmio comunicou a liberação antecipada de sete jogadores. O anúncio foi feito pelo vice-presidente, Denis Abrahão, na tarde dessa segunda-feira (29), em coletiva de imprensa.

À primeira vista, os atletas entram de férias antecipada. Dentre os jogadores liberados estão: Everton, Guilherme Guedes, Jean Pyerre, Leonardo Gomes, Léo Pereira, Luiz Fernando e Paulo Miranda.

Embora a torcida pedisse por uma mudança, o anúncio não agradou a todos. Isso porque a atitude foi tomada faltando apenas três rodadas para o fim da temporada. Além disso, alguns deles já estão com o contrato no fim ou até mesmo já não vinham sendo relacionado. Dessa forma, os torcedores não interpretaram como uma grande mudança.

A decisão foi tomada, após algumas reuniões, segundo Denis, após feito um acordo entre direção e comissão técnica. Assim, os critérios foram falta de comprometimento e de condição física.

“Não que sejam eles os culpados de alguma coisa. Somos todos nós. Mas foi uma decisão antes tarde do que mais tarde. Foi o momento que entendi necessário para fazer o que era preciso”, diz Denis, em coletiva.

Situação dos atletas com o Grêmio

Nesse ínterim, Léo Pereira e Luiz Fernando possuem vinculo até o final do ano. Logo, não devem renovar. Já com os outros atletas, o Grêmio vai precisar buscar uma solução e tentar algumas negociações, caso não queira continuar para próxima temporada. Em suma, Jean Pyerre está na mira de outros clubes e será mais fácil.

Por fim, para o duelo contra o São Paulo, o técnico Vagner Mancini já não vai poder contar com os jogadores suspensos. Sendo assim, a equipe fica com 25 atletas na linha e quatro goleiros. O time entra em campo na quinta-feira (2), às 20h (horário de Brasília), na Arena do Grêmio.

Foto destaque: Reprodução / Lucas Uebel / Grêmio

Emilena Gonçalves

Emilena Gonçalves

Prazer, Emilena Gonçalves! Estudante de jornalismo, gaúcha, gremista, Neymarzete e amante do futebol. Me apaixonei pelo futebol na copa de 2002 e por crescer em uma família que só acompanhava Copa do Mundo, precisei começar a frequentar os estádios sozinha, aos 14 anos.
A vontade de fazer jornalismo começou aos 12 anos, e nada melhor do que unir duas paixões.