Jean Pyerre e seu futuro no Grêmio

De antemão, o futuro do meia Jean Pyerre, de 23 anos, está incerto com o Grêmio. Mesmo com contrato ainda em andamento, o atleta foi liberado pelo clube para negociações.

https://www.youtube.com/watch?v=qlGq3QYvTY4

Em suma, o contrato de Jean vai até 2023. Entretanto, o jogador vinha com uma temporada ruim e sendo alvo de bastante crítica da torcida gremista. Dessa forma, em acordo entre direção e comissão técnico, o jogador foi liberado para férias antecipada. Além disso, o mesmo não está nos planos Tricolor. Sendo assim, o clube liberou o atleta para negociações com outras equipes.

Nesse ínterim, na coletiva, onde foi feito o comunicado dos jogadores dispensados, o vice-presidente Denis Abrahão citou que o jogador já não estava afim de jogar.

“O Jean Pyerre é um craque, mas não está afim, não queria jogar. Ele tem proposta de todos os cantos do mundo e as vezes é preciso sair para dar uma arejada. Existe o interesse do Alavés-ESP. Vamos ver o que vai acontecer’”, disse Abrahão.

Dentre algumas possibilidades, o Fluminense está mirando o atleta. O clube está querendo contratar alguma novidade para integrar o elenco, e o meia seria um bom negocio. Contudo, a proposta do Flu é de um empréstimo de um ano, o que não seria um bom negócio. Para que o Tricolor Gaúcho aceite, os cariocas teriam que bancar o salário do atleta, que hoje é de R$ 320 mil – o que tornaria algo favorável para os gaúchos, já que teriam tempo para valorizar o jovem e vender.

Jean Pyerre em 2021

Por fim, durante esta temporada no Grêmio, o meia disputou 39 jogos, marcando apenas quatro gols e quatro assistências. O último duelo pelo clube foi contra o Bahia, quando a equipe perdeu por 3 x 1, o que pode também ser o último jogo do atleta, dentro do time que o revelou.

Foto destaque: Reprodução/Lucas Uebel/Grêmio

Emilena Gonçalves

Emilena Gonçalves

Prazer, Emilena Gonçalves! Estudante de jornalismo, gaúcha, gremista, Neymarzete e amante do futebol. Me apaixonei pelo futebol na copa de 2002 e por crescer em uma família que só acompanhava Copa do Mundo, precisei começar a frequentar os estádios sozinha, aos 14 anos.
A vontade de fazer jornalismo começou aos 12 anos, e nada melhor do que unir duas paixões.