Gilson Kleina técnico da Ponte Preta. (Foto destaque: Diego Almeida/PontePress)

Acima de tudo Gilson Kleina, comandante da Ponte Preta chega com um histórico de mais de 200 jogos no comando do time. Tal como sabe o que é jogar um dérbi. A saber entre os clássicos em que esteve presente, o comandante pontepretano não tem dúvidas sobre os que mais o marcaram.  Da mesma forma o objetivo é um bom resultado na noite desta sexta-feira (17), no Moisés Lucarelli.

“Para mim, de todas as passagens o que mais marcou foi o ano de 2011, quando começou minha história aqui na Ponte , e que foi um ano foi muito positivo pra nós nos dérbis. Ganhamos um aqui em casa por 2 a 0 , com gols de Ricardinho e Ricardo de Jesus, com mais de 17 mil torcedores no Moisés” relembra

Eventualmente o técnico pontuou sobre a chegada do time que teve uma recepção empolgante. Assim como enfatizou sobre o dérbi em que o time venceu por 3 x 0, com um golaço do Renato Cajá.

De maneira que o apoio da torcida, mesmo longe das arquibancadas em virtude da Covid, tem sido fundamental para a Ponte vencer em casa. Vale lembrar que a equipe soma cinco vitórias seguidas e espera conquistar a sexta no dérbi 201.

“Nossa relação com torcedor é ótima e vem crescendo cada vez mais. Estamos tendo esse apoio não só pro dérbi, desde antes, quando não estávamos conseguindo resultados em casa: nos apoiaram , estão junto com a gente, isso já foi provado em gestos de ambos os lados, como os atletas indo ao encontro do torcedor fora do estádio, aquele foi um momento épico”, diz.

Gilson Kleina

Ocasionalmente acrescenta ainda um recado importante:

“Como treinador e responsável pela Ponte Preta, preciso pedir para que a gente crie clima de festa, alegrias, evite a violência. O mundo inteiro já está passando por um momento ruim, não vamos dar brecha. Que possamos voltar tranquilos para casa, para a família, que a rivalidade fique apenas no campo. Que todos nós, envolvidos no dérbi, tenhamos equilíbrio.”

Em conclusão o treinador diz que o time vai mantar a mentalidade de vitória.

“Fazer de tudo para no final termos alegria. Temos total respeito ao oponente, mas temos nossa ambição e queremos dar uma arrancada. Então o melhor comportamento é fazer o que a gente já vem fazendo dentro de casa, sabendo que o adversário tem pontos fortes que temos que saber neutralizar. Vamos entrar com sentimento, gana e vontade de vencer.”

 

(Foto destaque: Diego Almeida/PontePress)

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs