Morno foi o jogo entre Ponte Preta e Guarani que não saíram do 0x0. (Foto destaque: ÁlvaroJr/PontePress)

Inicialmente a expectativa era grande para o Dérbi 201 e a Ponte Preta chegou em balada após a sequência de cinco vitórias em casa. No entanto, tinha o Guarani que segue buscando o G4. No entanto assistimos a um jogo morno com pouca produtividade pelos dois lados.

Tal como para o dérbi sempre acontece uma preparação ao longo do dia. Ainda mais na chegada dos jogadores ao estádio outra festa linda por parte da torcida e o que realmente faltou foi o gol.

Ocasionalmente sobre o jogo os 10 minutos do primeiro tempo o Guarani começou melhor. Do mesmo modo a Ponte Preta não conseguia a bola e ficou acuada no seu campo defensivo. Assim como após esse período a Macaca melhorou e conseguiu pisar no campo de ataque.

Por outro lado o time mais confiante passou a atacar e criou lances de perigo como o lance do Felipe Albuquerque. Do mesmo modo pouco depois, Fessin que saiu frente a frente com Rafael Martins e tocou por baixo do goleiro.

A saber o jogo não saiu do 0x0

Morno

Simultaneamente o segundo tempo começou brigado do lado da Ponte Preta com Rodrigão que comandou as principais chances de ataque. Bem como naquele lance aos 12 minutos, que o jogador passou para o Richard, que invadiu a área e bateu firme para boa defesa de Rafael Martins. Dez minutos depois, exigiu boa defesa de Rafael Martins em chute de fora da área.

Pelo lado do Guarani, Lucão os 27, aproveitou bate-rebate na área e finalizou na pequena área, mas Ivan fez uma grande defesa.

No final, os dois rivais ainda buscaram a vitória, mas sem força.

Em conclusão com o resultado, a Ponte ganhou uma posição na tabela e se estabelece na 15ª colocação, com 26 pontos. Em contrapartida  o Bugre se mantém na quinta posição, com 38 pontos.

 

 

(Foto destaque: ÁlvaroJr/PontePress)

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs