Zeca começa bem o ano e destaca psicóloga

O futebol não é apenas 11 titulares e o treinador a beira do campo. Desse modo, o Vasco vem fazendo um trabalho elaborado com varias áreas do fora das quatro linhas. Assim, o lateral Zeca elogiou a psicóloga Maíra Ruas que está com o elenco principal. Além disso, o jogador atravessa um bom começo no time, titular absoluto, reconhecimento da torcida e feliz no dia a dia no clube.

ZECA E ALGUNS PROBLEMAS PESSOAIS

Antes de mais nada, em outubro de 2020, quando ainda era jogador do Internacional, ele teve que conviver com a perda precoce de sua mãe, Dona Lucimara Neves, vítima de câncer aos 44 anos. Além disso, o jogador ficou dois meses fora para dar suporte para a família e ainda vivia um momento delicado dentro do time gaúcho. Desse modo, no final da temporada de 2020 ele decidiu aceitar um novo projeto e fez esforço, inclusive financeiro. Ademais, abriu mão de uma boa quantia que tinha que receber do Internacional.

Assim, rescindiu com o Colorado e assinou contrato com o Vasco, clube que lhe fez sentir algo que não experimentava desde os tempos de Santos. Desse modo, para efeito de comparação, na temporada passada pelo Bahia, o lateral disputou 19 jogos dos 72 possíveis e ficou em campo apenas 984 minutos. Pelo Vasco, em 2021, ele tem dez partidas, mas já são 818 minutos atuados.

ABRE ASPAS

“Os torcedores do Vasco me fizeram sentir algo que eu não sentia há muito tempo. Eles me fizeram me sentir importante. A sensação que eu tinha no Santos, quando subi para o profissional, abraçado, querido, eu voltei a sentir aqui”, desabafou Zeca 

A Maíra (psicóloga do Vasco) tem uma importância muito grande e pouca gente sabe ou até mesmo dá valor. A psicóloga tem que ser valorizada, como o fisioterapeuta é, como o nutricionista é, como o massagista é. O jogador de futebol é ser humano e não robô”, completou

Foto Destaque: Reprodução/ Vasco/ Rafael Ribeiro

Avatar
Nicollas Almeida
Escolhi o jornalismo porque queria contar histórias, participará dela também. Já estagiei na assessoria de imprensa de um órgão do governo do Rio de Janeiro. Fiz trabalhos voluntários no meio religioso e político, participei de um programa de debate na rádio na faculdade.

Deixe uma resposta