Vasco: Dívidas e salários atrasados para 2022 estão controlados

Em suma, o Vasco segue sua recuperação financeira, tão prometida pela atual diretoria do clube. Decerto, o time conseguiu acertar diversos acordos em 2021 e a dívida diminuiu alguns milhões. De acordo com os balanços financeiros, além da fala do Vice Presidente de Finanças, Adriano Mendes, em um ano, os passivos diminuíram em cerca de R$100 milhões:

“Tenho que estar preparado financeiramente para qualquer cenário. Nesse ano, em 2021, nos preparamos para qualquer cenário. Na próxima semana vamos apresentar um balanço que já mostra um pouco esse trabalho que foi feito. Você tinha um passivo de R$ 830 milhões, agora já está na casa de R$ 700 milhões. O Vasco já está com uma dívida menor e com custos menores”.

https://www.youtube.com/watch?v=p6evi8HostI&t=1994s

Salários atrasados e dívidas do Vasco

Portanto, em relação aos salários atrasados, que foram recorrentes neste ano, Adriano Mendes declarou que, no planejamento, não irá se repetir em 2022. Decerto, o grande problema do Vasco é o que ficou para trás. Em suma, os números apresentados mostram que o futebol do clube, hoje, se paga.

Além disso, a direção conseguiu um acordo para pagamento das dívidas em longo prazo de tempo, que irá desafogar, no primeiro momento, a obrigação de pagar altos valores, em bloqueios de conta e de receitas, como venda de jogadores:

“O dinheiro pune, não adianta bravata. Tem que cumprir o que faz e o que pode. Hoje o gasto do Vasco com o Vasco é menor do que a receita que vem da Série A ou da Série B. Isso está controlado. Mas tem as dívidas do passado. Vamos cumprir nosso orçamento. Gastamos menos do que arrecadamos. Em relação às dívidas, elas estão organizadas. No ano que vem vamos gastar R$ 10 milhões com dívidas tributárias. Cerca de R$ 40 milhões com dívidas civil e trabalhista. Teremos uma receita mínima de R$ 140 milhões. Vai sobrar cerca R$ 100 milhões para o Vasco fazer todo seu custo a mais”.

Foto destaque: Divulgação/Vasco

Robert Ferreira
Sou o Robert! Fiz jornalismo para vivenciar histórias, estar dentro dos fatos e o principal, ter acesso a verdade, sempre! O esporte sempre esteve na minha vida, e unir a escrita com o futebol seria é o ideal de vida. Escrevi para redação do jornal universitário além de atuar fortemente nas redes sociais com posicionamentos sobre cultura negra. Sujeito calmo com o objetivo de ganhar o mundo!