Montanha (Foto: Arquivo pessoal)

É fato que, no futebol, a paixão transcende os grandes jogos, as competições glamourosas e as cifras milionárias. Além disso, há inúmeros motivos que fazem o esporte ser tão amado mundialmente. Um desses casos é alguém que não vê sentido na própria vida e, como solução, acaba transformado um simples desafio de futebol em projeto social, para ajudar famílias necessitadas. Isto é, Thiago Coutinho, que tentou suicídio em duas oportunidades, escolheu vestir o capacete de seu ídolo Peter Cech e como goleiro Montanha, provar que a vida só tem sentido se podermos ajudar o próximo.

BRINCADEIRA QUE VIROU PROJETO SOCIAL

Tudo começou em um simples momento de descontração entre amigos. O “Melhor de Três”, como era chamado por eles, consistia em disputar três cobranças de pênaltis, gravar e postar os melhores momentos nas redes sociais por diversão. Essa brincadeira era realizada entre os amigos de futebol de Thiago, sem maiores intenções. Porém, um marco muito importante transformou o momento de brincadeira em algo muito sério, no ano de 2016.

Nesse caso, a participação do prefeito da cidade, Luis Otávio, fez com que o Desafio dos Três Pênaltis bombasse entre os cidadãos da pequena Cafelândia, interior de São Paulo. Em seguida, outro episódio também fez o desafio ter um maior alcance. Depois que Caio Ribeiro e Ivan Moré estiveram em Lins/SP, em uma caravana do Globo Esporte, Montanha convidou os apresentadores para participar e acabou ganhando uma matéria exclusiva, com a TV Tem, afiliada local da Rede Globo.

A partir daí, o movimento começou a ganhar força e oportunizar auxílio aos mais necessitados.

https://www.instagram.com/tv/CB3NvRbHzWO/

Em suma, o objetivo do Desafio dos Três Pênaltis é que o derrotado, seja o goleiro ou o cobrador, pague uma cesta básica para uma família carente de Cafelândia. Até aqui, mais de 50 famílias já foram beneficiadas, sem nenhum tipo de patrocinador ou incetivo financeiro. Vale ressaltar que Thiago é segurança noturno e, da mesma forma, retira o valor da sua renda básica para realizar a doação.

“Até hoje eu nunca tive investimento. Sempre fui sozinho. E cheguei muito longe. Participei de programas do Ratinho. Além do Ceni, que todos sabem que é alguém muito reservado. Isso tudo, sem tirar um real do meu bolso para conseguir. Mas, com certeza, se eu tivesse algum apoio financeiro, ajudaria mais pessoas”

DESAFIO NA ARENA CORINTHIANS

Embora tenha tido participações muito especiais no seu desafio, como Rogério Ceni, Neto e Falcão, além de animar o intervalo dos jogos do Linense, Montanha tem um objetivo maior ainda pendente. O grande sonho do goleiro é realizar o desafio com a sua torcida, na Arena Corinthians, assim que o público voltar a frequentar os estádios. E esse desejo tem um significado muito importante na história do jovem paulista. Em resumo, Thiago tinha uma forte ligação com o padrasto corintiano, que volta e meia presenteava-o com algumas camisas esportivas.

As vésperas do seu aniversário, seu presente deveria ser uma camisa de Cech, não encontrada na época. Entretanto, dias antes do data de celebração, o padrasto teve complicações nos rins e foi internado. Então, Montanha transformou sua camisa favorita do Corinthians, dada pelo familiar, no objeto tão desejado e, conseguiu leva-lá para seu “pai” no hospital, como forma de dizer que o presente havia sido dado. Infelizmente, ele acabou falecendo no mesmo dia da comemoração. Assim, o goleiro declarou a importância da camisa, que será usada na possível participação em Itaquera, como forma de homenagem.

Enfim, por todas essas razões, Montanha coloca a participação na casa corintiana como o terceiro grande passo do projeto, em função do amor pelo clube passado pelo pai e do quão importante isso contribuiu para ele ver sentido na sua vida e levar tão longe o Desafio dos Três Pênaltis.

“Quando eu comecei, eu só tinha noção que seria uma brincadeira. Na primeira matéria, criei que gostaria de chegar no Rogério Ceni, mesmo sendo corintiano. Quando eu cheguei nele em 2018, foi a primeira etapa. A segunda etapa foi o reconhecimento do Peter Cech. Eu queria muito conhecer ele pessoalmente, mas acho meio impossível. Meio porque impossível não existe. Porém, ele sabe quem eu sou, conhece meu trabalho, me mandou um vídeo, eu sai em um livro dele. Por isso, eu posso dizer que a segunda etapa foi concluída. A terceira etapa é fazer o desafio na Arena Corinthians. (…) Eu botei na minha cabeça. Quero chegar na Arena usando essa camisa”

RECONHECIMENTO MUNDIAL

Mesmo que seja um projeto realizado no interior, Montanha já quebrou barrerias e mostrou o Desafio dos Três Pênaltis para inúmeras personalidades do futebol e do jornalismo internacional. Além de comunicadores da Itália, recebeu vídeos de inúmeros ícones do futebol mundial, como Casillas, Donnarumma, Júlio Cesar e o seu ídolo maior, Peter Cech. Tratando-se desse último, saiu também no livro especial de aposentadoria do tcheco, onde conta a história e o objetivo da iniciativa. Segundo Montanha, tal feito é o fato mais marcante da sua trajetória.

“Eu me inspiro nele. Como foi o principal jogador que eu acompanhei, eu queria muito conhecer ele, mas sei que é algo mais difícil. Mas, só de ter saído no livro e receber o apoio dele, foi melhor momento no futebol até então”

https://www.instagram.com/p/B6wCyeBnyTv/

CONFIRA A ENTREVISTA DO GOLEIRO MONTANHA PARA O FUTEBOL NA VEIA

https://www.instagram.com/tv/CB_PN5opkAe/?utm_source=ig_web_copy_link

Foto Destaque: Reprodução/Arquivo Pessoal 

Paulo Sérgio Nunes
Carrego comigo a paixão pelo futebol passada pelo meu avô. Tenho 20 anos, curso Ciências da Comunicação na Universidade do Porto, em Portugal, e sou apaixonado pelo Jornalismo Esportivo desde criança. Amante de todos os tipos de futebol, seja ele em torneios amadores ou na Copa do Mundo. Acredito que a magia do esporte está na paixão de quem o joga. Admirador da causa do futebol feminino no Brasil e no mundo. Contato no Instagram: @paulosnns

Artigos Relacionados