AD Confiança

Em 1º de maio de 1936, Joaquim Sabino Ribeiro Chaves, Epaminondas Vital e Isnard Cantalice criaram a Associação Desportiva Confiança, em Aracajú. O nascimento no Dia do Trabalhador não se mostraria uma coincidência vazia. Além de germinar no bairro Industrial, o conjunto se consolidou com atletas que atuavam após o expediente na fábrica de tecidos que deu nome ao clube.

A ideia acabou por democratizar algumas das modalidades esportivas que compunham as Olimpíadas Operárias. Sendo assim, foi solicitado ao dono e fundador Joaquim Ribeiro que essa proposta fosse desenvolvida. O projeto foi tão bem sucedido que se expandiu para diversas vertentes, incluindo o estímulo a grupos femininos, até chegar ao futebol.

O primeiro título nessa categoria se concretizou em 1948, o que rendeu a inserção do coletivo na Federação Sergipana de Futebol, que organizava os campeonatos estaduais. As relações de proximidade entre o proprietário da fábrica e o alto clero do Bangu Atlético Clube são consideradas condições decisivas para essa tomada de decisão.

Dupla jornada

João Ramos foi contratado para atuar em diversas áreas da produção de tecidos. Antes disso, o faz-tudo treinava no Itabaiana, a quase 60 quilômetros de Aracajú. Garrinchinha, como é apelidado, foi apenas um dos casos de homens contratados teoricamente como funcionários tradicionais, mas que visavam o desempenho dentro das quatro linhas.

Conhecida como Super Equipe, o Confiança conquistou a primeira edição que disputou o Campeonato Sergipano, mas não pôde levantar o troféu. Isso porque o regulamento proibia jogadores transferidos de atuarem no primeiro ano após assinarem um novo contrato, regra que o Azulino descumpriu.

Conquistas

O torcedor do Dragão tem feitos tão grandes quanto qualquer taça conquistada em campo. Um exemplo marcante é o começo da caminhada profissional do time, acompanhada de perto por uma média de público espetacular. A representatividade do proletariado em meio a elite é um dos motivos apontados como pilar desse afeto coletivo.

Por fim, em um aspecto mais glorioso, a sala de troféus é invejável. São 12 campeonatos estaduais e quatro Copas Governador do Estado. O sucesso também é nacional, visto que é o único sergipano na Série B do Campeonato Brasileiro.

Foto destaque: Divulgação/ AD Confiança

Tiago Souza
Formado em jornalismo pela Universidade São Judas, atuei em diversas áreas de maneira colaborativa. Sou viciado em informação e, por isso, estudo todos os dias sobre futebol e videogames, tendo essas duas vertentes como pilares da minha personalidade. Apesar de levar esses temas muito a sério, tenho a plena noção de que, sem o amor e a descontração, nenhuma delas existiria de forma tão espetacular como são hoje.

Artigos Relacionados