Ponte Preta encerra preparação pela manhã e viaja para duelo contra o Goiás. (Foto destaque: Diego Almeida/ PontePress)

Primeiramente, a Ponte Preta encerrou a preparação para encarar o Goiás com um treino na manhã desta segunda-feira (1), no Majestoso. Simultaneamente, a delegação viajou à tarde, e o técnico Gilson Kleina leva dúvidas para o duelo na terça-feira (2), às 21h30, em Goiânia.

Eventualmente, diante do desgaste físico, a maioria dos jogadores que atuou no último sábado (30), a maior parte do tempo no empate por 0 x 0 com o Vitória, não treinou.

Simultaneamente, essa ausência impossibilitou Kleina de realizar ajustes no time. Assim também, além do substituto de Moisés, suspenso por três cartões amarelos, e da volta de Léo Naldi, livre de suspensão, existe a possibilidade de outras mudanças devido a questões físicas.

Da mesma forma, o zagueiro Rayan e o volante Yago Henrique, por exemplo, serão reavaliados. Do mesmo modo, para o lugar de Moisés, Iago e Fessin são os principais candidatos, com Niltinho correndo por fora. Já Naldi deve retornar na vaga de Matheus Anjos.

De maneira que, Richard, vaiado pela torcida quando substituído diante do Vitória, pode deixar a equipe. No entanto, Kleina já vai precisar fazer outras trocas por necessidade, a tendência é que prefira não mexer mais no time.

Nesse ínterim, com 38 pontos, a Macaca está a três pontos do Londrina, que abre a zona de rebaixamento. Em conclusão, faltam seis rodadas com 18 pontos em disputa.

Ponte

Afinal, uma provável Ponte tem Ivan, Kevin, Fábio Sanches, Rayan (Ednei) e Rafael Santos. Em suma, Yago Henrique (André Luiz ou Lucas Cândido), Léo Naldi e Marcos Júnior. Juntamente com isso Richard, Fessin (Iago) e Rodrigão.

Imediatamente, os dois times já se enfrentaram 25 vezes na história do futebol brasileiro. Assim, são onze vitórias para o lado da Ponte e dez pelo lado do visitado. Enquanto isso, somam quatro empates.

 

 

Foto destaque: Diego Almeida/ PontePress

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs