Operário

Jogando em casa, com pressão da torcida e a chance de cair, foi o resumo do último confronto da equipe do Operário. Afinal, o elenco, que precisava de uma vitória, alcançou o impossível. Venceu o clube do Remo por 2 a 1. Ou seja, Felipe Garcia e Schumacher carimbaram o triunfo do clube e ampliou, com sete pontos, a distância da zona de rebaixamento.

Sendo assim, no Estádio Germano Krüger, em duelo válido pela 35ª rodada do Brasileirão Série B, o Operário-PR alcançou a marca de 45 pontos. Dessa forma, o Fantasma ocupa o 11º lugar na temporada, somando 12 vitórias, nove empates e 14 derrotas.

RELEMBRANDO O MOMENTO DE SUCESSO DO OPERÁRIO

Antes de tudo, vale lembrar o confronto que carimbou a vitória do Operário. Afinal, na partida, o elenco demorou para encontrar o ritmo. Em outras palavras, o grupo tinha dificuldades para criar boas oportunidades e só conseguiram suscitar perigo na reta final do primeiro tempo. Todavia, sem êxito até então.

Já na volta do segundo tempo, o Operário apertou e aproveitou as suas chances. Aliás, o primeiro gol do clube chegou nos 17’ de partida. A saber, Felipe Garcia deu o ponta pé na conquista. Aproximadamente 30’ depois, Schumacher carimbou a vitória do Fantasma. Ou seja, triunfo em casa e distância da zona de rebaixamento.

ALCANÇANDO O IMPOSSÍVEL

Dessa forma, apesar das diferenças dos dois turnos durante essa temporada, o Operário-PR atingiu o número mágico para escapar do rebaixamento. Em outras palavras, subiu três posições e fugiu da Z-4. Afinal, o elenco estava cada vez mais perto de descer, conseguiu se reerguer e conquistar a sua chance de sonhar com uma boa finalização na Série B 2021.

“A gente estava um pouco nervoso e refletiu no primeiro tempo. Quando se tranquilizaram [jogadores], chegamos com a bola mais limpa no ataque. Nos impusemos em casa e a vitória foi merecida.”, completa o técnico Catalá em entrevista coletiva.

Sendo assim, o clube alcança a 11º lugar, com 45 pontos. Ainda mais, já na reta final da temporada, se prepara para encontrar o Botafogo, na segunda-feira (15), às 16h00 (horário de Brasília), no Estádio Nilton Santos.

Foto Destaque: Reprodução/André Jonsson/OFEC

Amanda Scarlatt
Amo poder ter o jornalismo como a minha maneira de expressão. Sou apaixonada pelo meio digital e tudo que podemos construir nele na comunicação. Acredito fielmente na essência de uma boa matéria jornalística: a investigação. Afinal, independente da sua editoria e formato, o jornalismo pode mudar vidas. Enfim, VIVA O JORNALISMO!