Salvo por Luiz Felipe Scolari na última temporada, o Cruzeiro se meteu em outra enrascada. 18º colocado na Série B, somando 13 pontos, novamente o clube mineiro luta contra o rebaixamento para a Série C. Muito pouco se levarmos em consideração a trajetória vitoriosa da Raposa bicampeã da América. A crise em espiral fez o Cruzeiro recorrer ao mesmo método utilizado em 2020. Chega um técnico experiente para salvar a equipe de outro vexame ainda maior. Em síntese, o que esperar de Vanderlei Luxemburgo no comando do Cruzeiro?

O comandante

Luxemburgo tem laços históricos com a Raposa. Afinal, era ele o treinador no mágico ano de 2003. Naquela temporada o Cruzeiro faturou a tríplice coroa: Brasileirão, Copa do Brasil e Campeonato Mineiro. Além disso, em 2015 teve uma breve passagem na equipe. Volta agora em um contexto muito mais delicado. Entretanto, o momento requer sabedoria tática e conhecimento de vestiário. Nesse sentido, considero uma boa aquisição para o comando técnico. Por outro lado, é necessário ponderar que Luxa não conseguiu salvar  o Vasco do rebaixamento.

A missão de Luxemburgo

A tarefa de Vanderlei Luxemburgo no Cruzeiro não é fácil, mas o treinador pode contar com um elemento importante da cultura futebolística da Segunda Divisão: o equilíbrio. Seja para subir ou para não cair, a briga sempre foi muito parelha. Após a 15ª rodada, a Raposa se encontrava empatada em pontos com Vitória, Ponte Preta e Londrina. Contudo, em desvantagem no saldo de gols. Desse modo, não parece tão impossível tirar o clube mineiro da zona de descenso. Em contrapartida, o cuidado com adversários acostumados a jogar a Série B é fundamental.

A sequência do Cruzeiro

Sem vencer há exatos nove jogos, o Cruzeiro fará mais quatro partidas até o final do primeiro turno: Brusque (F), Vitória (C), Sampaio Corrêa (C) e Náutico (F). Nesse sentido, vencer o confronto direto contra os baianos é crucial para as pretensões da Raposa na competição. Também é relevante pontuar contra o Sampaio Corrêa em casa. Até para dar confiança ao time. Porém, empates nos compromissos fora de Minas Gerais são bem-vindos. Se o Cruzeiro fizer mais oito pontos vai a 21 e chega um pouco menos pressionado no returno.

O futuro do Cruzeiro

É verdade que o Cruzeiro vive o “apequenamento” mais veloz e aterrorizante da história do futebol nacional. Creio que apenas a mudança operacional na gestão do clube, visando o modelo de sociedade anônima, pode construir um horizonte de alternativas para a Raposa. Desse modo, a equipe mineira poderia sanar seus débitos e investir alguns recursos nas categorias de base. Esse é o caminho para se restabelecer no campeonato, e posteriormente voltar ao curso de títulos. O Cruzeiro tem um tamanho incompatível com a Série B. Que prove isso dentro e fora do campo.

Foto destaque: Divulgação / Gazeta Esportiva

André Filipe
Apaixonado pela dimensão histórica do futebol e pela ciência da bola. Gremista desde a Batalha dos Aflitos para o que der e vier. Sinto na escrita o calor latente das minhas paixões profissionais. Historiador, jornalista esportivo e jogador de pôquer nas horas vagas.