Chapecoense e Criciúma fazem seletiva mirim para torneio de futebol feminino

Antes de mais nada, o futebol feminino vive grande ascensão, não somente no Brasil, mas também por todo o mundo. Sendo assim, a Chapecoense e o Criciúma realizarão neste mês de novembro uma peneira. Dessa maneira, visam meninas de até 16 anos, a fim de que comecem seu caminho no futebol.

A princípio, do mesmo modo que os meninos se espelham em Neymar, Messi e outros, as meninas também têm suas referências dentro do esporte, sendo Marta, Cristiane, e Formiga os nomes mais fortes aqui no Brasil. Logo, com a popularização do esporte dentre as garotas, é normal que novas referências venham a surgir, como é o caso da ex-atleta Milene Rodrigues e Andressa Alves, que joga no Barcelona.

Futebol Feminino – Da proibição até a obrigação

De antemão, a prática do futebol, que havia sido decretada como proibida em 1941, foi revogada somente 38 anos depois, e tida como obrigatória após outros 40 anos. Logo, somente em 2019, a CBF, em parceria com a Conmebol, declararam que todos os times brasileiros precisariam ter equipes femininas.

Deste modo, é comum vermos novas estrelas femininas surgirem em território nacional. Decerto, a Chapecoense e o Criciúma não querem ficar para trás. Em suma, neste sábado (13) e domingo (14), as equipes realizarão peneiras para garotas de até 16 anos.

Por fim, as seletivas vão servir para que as equipes possam compor seus elencos para a Liga de Desenvolvimento de Futebol, que acontecerá em Sorocaba, interior de São Paulo, no próximo mês. Nesse ínterim, cabe aos torcedores cruzarem os dedos e torcer para que um novo prodígio do futebol feminino apareça.

Assim, p futebol feminino ainda tem bastante a evoluir – e vai. Não somente com a questão da visibilidade e reconhecimento. Mas também com patrocínios e eventos de tamanho e magnitude iguais ao do masculino.

Filipe de Mello
Me chamo Filipe Augusto do Nascimento de Mello, tenho 21 anos de idade, trabalho a 3 anos e meio como corretor de seguros (primeira experiência profissional). Escolhi ser jornalista em meados de 2014 e ingressei na faculdade em 2016, atualmente busco experiência na área, principalmente nos setores de redação, foto e cobertura de notícias.