Celsinho

Na tarde desta sexta-feira (24), o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) julgou o caso de injúria racial, sofrida por Celsinho, do Londrina. Dessa forma, Brusque e um conselheiro responderam por um “ato discriminatório” contra o jogador e foram condenados.

A saber, a punição do Quadricolor é a perda de três pontos, além de uma multa de R$60 mil. Além disso, Júlio Antônio Petermann, presidente do Conselho Deliberativo, foi suspenso por 360 dias e terá de pagar uma multa de R$30 mil. Apesar disso, a decisão, proferida pela Quinta Comissão Disciplinar do STJD, foi em primeiro grau e cabe recurso.

Otacílio Araújo, presidente da Quinta Comissão, disse que discriminar um atleta pela sua cor é inconcebível. Além disso, afirmou que o STJD vai acabar com o preconceito.

“Por qual motivo vamos discriminar um atleta pela sua cor? Isso é inconcebível para mim. Temos que evoluir. O dirigente disse estar afastado, mas está falando do clube. O clube ainda soltou uma nota bizarra. Infelizmente, não tenho como tirar uma vírgula do voto do relator. Vamos acabar com isso, vamos acabar com gritos homofóbicos. Hoje isso é inaceitável e não cabe mais”, declarou o auditor.

Depoimento de Celsinho

O atleta Celsinho afirmou que ouviu mais de um insulto racial, visto que sua primeira denúncia foi ao fim da etapa inicial e o grito de “macaco” foi após a volta do intervalo.

“A expressão “macaco” foi no início do segundo tempo, quando saímos do banco de reservas para aquecer, foi onde saiu a palavra macaco, isso eu ouvi bem alto e claro. Só não relatei para não apontar uma pessoa errada. Quando eu fiz a primeira denúncia foi no intervalo do primeiro tempo e o macaco foi no início do segundo tempo e eu confirmo isso ao final da partida quando o repórter me faz a pergunta”, relatou o meia.

O jogador também expôs como a situação foi tratada na sua família.

“É pesado e constrangedor eu ter que dar satisfação ao meu filho mais velho, de 14 anos, que entende mais, que as pessoas ainda usam esse tipo de crime. O maior peso, onde realmente me machucou emocionalmente, foi pelo lado familiar, ver minha esposa chorando, meu filho chorando, meu filho mais novo sem entender e eu tendo que explicar que ele não tem que aceitar isso. É por isso que eu vou até o final nesses casos, justamente por isso, por mexer com meu lado familiar. Em nenhum momento eu vou ao estádio pedir que as pessoas me insultem. O tom que ele usou foi de raiva, mas o que me incomodou mais foi que ele se sentiu muito confortável em falar isso, como se de fato ele tivesse atingido o que queria, como se fosse algo prazeroso e conseguiu, porque eu fiquei fora de mim”, finalizou.

Relembre o caso

No dia 28 de agosto, o Brusque recebeu o Londrina, em partida válida pela 21ª rodada da Série B. Ao fim do duelo, o árbitro Fábio Augusto Santos Sá Junior relatou, na súmula, que um integrante do staff do Quadricolor, ao fim da 1ª etapa, falou: “vai cortar esse cabelo, seu cachopa de abelha”. Entretanto, Celsinho disse que ouviu “macaco”, também vindo das arquibancadas.

Um dia depois, o Brusque, em nota oficial, acusou o jogador de falsa imputação, além de o chamar de oportunista. Ademais, também relatou incoerência do jogador em suas declarações. No entanto, logo em seguida, o Londrina publicou um vídeo em seu Twitter, onde é possível escutar a palavra “macaco”.

Situação do Brusque na tabela

Com os três pontos perdidos, o Brusque chegou a 26 e estacionou na 16ª colocação. Assim, fica com apenas um ponto a mais que o Vitória, primeiro time da zona de rebaixamento. Além disso, o Quadricolor fica com dois pontos a mais que o Londrina, de Celsinho. A saber, as equipes se enfrentam na 26ª rodada, o que significa que o Bruscão não pode terminar a rodada na 18ª posição.

No entanto, o Brusque está com um ponto a menos que o Vila Nova, que está em 15º. Já a Ponte Preta, que ocupa a 14ª colocação, tem 29 pontos. Após a punição, o Quadricolor entra em campo nesta sexta-feira (24) para enfrentar o Vasco. A saber, a partida acontece às 21h30 (horário de Brasília) e é válida pela 26ª rodada do Brasileirão Série B.

Foto Destaque: Divulgação/Beno Küster Nunes/AGIF

Gabriel Vicco
Oi, eu sou o Gabriel Vicco e sou apaixonado por futebol e sempre o tive o sonho de trabalhar com isso. Escolhi o jornalismo por gostar de escrever e me comunicar de várias maneiras. Tenho uma página no Instagram com alguns amigos, o Debate (@debate.fcs), onde postamos notícias, análises e coberturas do Brasileirão Feminino. Atualmente, tenho a certeza de que a profissão que mais almejo é o jornalismo esportivo, por isso busco por experiências e pela minha evolução nesse ramo.