Vágner Mancini critica gramado do Castelão; este mês, os clubes cearenses recusaram revitalização

América perdeu mais uma partida no Brasileirão. A saber, dessa vez o Coelhão saiu derrotado do Castelão pelo Fortaleza, por 1 x 0, gol marcado por Yago Pikachu. Assim, dentre as muitas dificuldades que o Coelhão teve nesse jogo, o técnico Vágner Mancini pontuou o gramado do Castelão como principal fator negativo.

Vágner Mancini critica gramado da Arena Castelão

De acordo com o técnico Vágner Mancini, o gramado da Arena Castelão foi um dos princiais motivos para a derrota do América para o Fortaleza. Em suma, segundo o treinador americano, o campo dificultou movimentos simples de seus jogadores. Além disso, impossibilitou que sua equipe jogasse em velocidade. Que é a principal característica da sua forma de atuar.

“A única coisa a lamentar da partida de hoje foi o campo. Impraticável. E as duas equipes sofreram com isso. Hoje, a maioria dos estádios tem seus campos muito bons. Então as equipes estão acostumadas a jogar em mais velocidades. E hoje os atletas tinham que dar dois ou três toques para conseguirem dominar a bola. Então, aliado a essas duas interpretações [da arbitragem] que, na minha maneira de ver foram erradas, a gente ainda sofreu um pouco com o gramado. E aí hoje uma desequilíbrio, uma oscilação, dentro do jogo do América”, avaliou Vágner Mancini.

Problema antigo

Vágner Mancini
Reunião sobre gramado do Castelão (Foto: Divulgação / Governo Estadual do Ceará)

Para o torcedor cearense, a qualidade duvidosa do gramado da Arena Castelão não é uma novidade. A saber, o estádio é público, e recebe partidas de FortalezaCeará todos os anos. Além disso, é o estádio que mais recebe jogos no Brasil hoje, sendo que aproximadamente 70 jogos terão ocorrido no seu campo ao fim de 2022.

Neste mês de junho, o governo do estado teve uma reunião com os clubes e a FCF para oferecer a obra de revitazação do gramado. Mas o Leão e o Vozão recusaram.

“O equipamento tem uma dificuldade pelo tempo de plantio, é o gramado que tem mais jogo no Brasil, isso é inegável, as chuvas pesam, e ninguém quer criar problema. Mas nós não podemos parar, não tem como parar”, afirmou o presidente do Fortaleza, Marcelo Paz, na reunião.

Além disso, o secratário de obras públicas do governo do Ceará, Quintino Vieira, explicou que não seria uma obra simples. Assim, o tempo de duração seria um tanto longo.

“Para a substituição total do gramado e resolver de vez essa situação, precisamos de 60 a 90 dias de paralisação das atividades”, ressaltou Quintino Vieira.

Foto destaque: Divulgação / Governo Estadual do Ceará

Caian Oliveira
Minha paixão sempre foi o futebol. Mas, nunca sonhei em ser jogador. Não, meu sonho de moleque era levar o futebol às pessoas através da Comunicação. E aqui estou, realizando meu sonho.