Parabéns, André! O artilheiro de Santos e Sport completa 30 anos!

- Atacante teve grandes momentos no futebol com as camisas de Santos e Sport
André completa 30 anos (Foto: Reprodução / Marlon Costa)

Dizem que um bom time sempre começa pelo seu goleiro, mas sem um grande matador na frente, o jogo fica 0 x 0. Assim, um dos grandes goleadores da década completa 30 anos neste domingo (27). Logo, falamos do atacante André, antiga promessa do Santos de Neymar e Paulo Henrique Ganso e com grandes passagens pelo Sport de Diego Souza. Pelos dois clubes, foram quase 100 gols marcados e uma linda história de superação. Dessa forma, a coluna Parabéns ao Craque presta uma homenagem ao Bebezão Balada de tantas alegrias.

Leia mais:

UM CARIOCA MENINO DA VILA

Assim, há quem acredite que o Santos tenha sido o primeiro clube de André. Ledo engano. Isso porque, natural de Cabo Frio, no Rio de Janeiro, o craque iniciou sua carreira no infantil do time local, a Cabofriense, em 2007. No entanto, dois anos depois, já era um Menino da Vila sendo campeão e artilheiro do Campeonato Paulista Sub-20. Tão logo já estava integrado ao elenco profissional na leva que também projetaria Neymar Jr. e Paulo Henrique Ganso.

Dessa forma, sob o comando de Dorival Jr. e com um time mesclado com a experiência de Robinho, Edu Dracena e Durval, o trio da Vila ganhou projeção nacional. Muitos chegaram a afirmar que somente o futuro diria qual dos três seria maior. A bem da verdade, a vice-artilharia do Paulista, com 13 gols, e da Copa do Brasil, com oito tentos, em 2010, catapultaram André para o futebol do exterior. Não seria, como não foi, fácil segurar o menino em terras brasileiras.

Antes, as grandes atuações e o faro de gols, aliada as ajudas de Neymar Jr. e Paulo Henrique Ganso renderam ao atacante as conquistas do Paulistão e da Copa do Brasil, ambas em 2010. Assim, após o título nacional, nosso aniversariante deixou a Vila Belmiro rumo ao Dínamo de Kiev, da Ucrânia. Dessa forma, em sua primeira passagem, André marcaria 28 gols em 51 jogos pelo Peixe.

ALTOS E BAIXOS NA CARREIRA

No entanto, as boas exibições com a camisa do Santos ficaram no passado. Isso porque, em sua primeira experiência internacional, André sofreu para se firmar na Europa, teve pouquíssimas oportunidades na Ucrânia e com quatro meses foi emprestado. Assim, chegou ao Bordeaux, da França, mas novamente conviveu com dificuldades de adaptação e disputou apenas oito partidas. Logo, sem marcas gols no exterior, retornou ao Brasil para o Atlético-MG.

Em 2011, reencontraria o caminho dos gols. mas foi no ano seguinte que voltou a se destacar nacionalmente. Pois, pelo Galo, André conquistou o Campeonato Mineiro, em 2012, e foi vice-artilheiro da competição. Além disso, foi eleito o ídolo da galera, em votação online, e escolhido como o craque do estadual. Por consequência, entrou para a Seleção do torneio.

Dessa forma, famoso por repatriar ídolos, André retornou ao Santos, ainda em 2012. E se ele perdeu a oportunidade de ganhar a Libertadores pelo Peixe, não desperdiçou a chance na Recopa Sul-Americana. No entanto, apesar dos gols marcados, não esteve a altura da primeira passagem e começou a atrair críticas e pressão da torcida. Logo, não demoraria para ser emprestado.

A FASE ANDRÉ BALADA

Apesar do rebaixamento do Vasco, o ano de 2013 ainda teria conquistas individuais para André. Isso porque, o craque comprovou o faro de artilheiro e foi o maior goleador do Cruz-Maltino no Brasileirão e no ano, com 12 gols. No entanto, iniciaria um apelido que pegou entre os torcedores, especialmente os rivais, o Balada. Pois, o nosso aniversariante era visto como pouco compromissado com a situação do clube e com problemas de indisciplina, foi afastado de São Januário.

E no histórico de indisciplina continuaria na volta ao Atlético-MG. Assim, com poucas chances no time principal,, às vezes sem ser nem relacionado, André viveu seu pior ano na carreira em 2014. Logo, a então contratação mais cara da história do Galo Mineiro era um problema para a direção não ter prejuízo gigantesco. Além disso, o atacante seria afastado do elenco junto com e Emerson Conceição e o desempenho recente condenaria o futuro do craque no futebol. No entanto, as portas de Recife se abriram para ele voltar a ser o goleador dos tempos da Vila Belmiro.

NO SPORT, A GUINADA NA CARREIRA DE ANDRÉ

Em baixa na carreira, André acertou sua ida ao Sport para, enfim, ser feliz e colocar a cabeça no lugar. Assim, cercado de desconfiança pelo passado de Vasco e Atlético-MG, os Rubro-Negros esperavam contar com o Menino da Vila. Ao lado de Diego Souza, nas duas passagens, formou uma das maiores duplas de atacantes da história recente do Leão. Além dos gols, o craque se destacou com assistências que foram determinantes para a 6ª posição, com 59 pontos, no Brasileiro, a melhor campanha leonina na Era dos pontos corridos na Série A, em 2015.

Pelo Sport, foram 14 gols em 34 jogos, na primeira passagem. No entanto, apesar de reconhecer a importância do clube para uma mudança de status no futebol, André teve que retornar ao Atlético-MG ao final da temporada. Logo, foi emprestado ao Corinthians, e lá, não teve alegrias, ainda mais após perder o pênalti que eliminou o Timão da Libertadores. O mal desempenho ainda lhe acompanharia no Sporting, de Portugal, por onde teve poucas oportunidades, novamente, e retornou ao Leão da Ilha.

Quem vai, um dia sempre volta, e não demorou para André voltar a vestir uma das camisas por onde foi mais feliz. De regresso ao Sport, demorou para se afirmar e marcar, mas tão logo fez o primeiro gol no retorno, desandou a balançar as redes. Assim, contribui para uma grande campanha no primeiro turno do Brasileirão, inclusive com um hat-trick contra o Grêmio. No entanto, o rendimento do clube caiu e André foi decisivo na última rodada ao marcar o tento da permanência do Leão na Série A contra seu ex-clube, o Corinthians.

ANDRÉ EM BUSCA DE GOLS

Acontece que diante da crise financeira do Sport, foi negociado com o Grêmio de Renato Gaúcho. No entanto, o técnico não conseguiu fazer o craque manter a boa forma dos tempos de Recife. Assim, em dois anos em Porto Alegra, André não foi nem a sombra do que se via na Ilha do Retiro. Recentemente, se transferiu para o futebol turco onde tenta, novamente, reencontrar o caminho dos gols.

Dessa forma, brilhante por Santos e Sport, André convive com altos e baixos desde sempre na carreira. No entanto, o faro de gol, o oportunismo natural, o sendo de área sempre estiveram presentes. Com companheiros ao lado, como com Neymar Jr. e Diego Souza, o brilho do atacante aparece e ele desanda a fazer gols. Passagens gloriosas e tentos marcantes, esse é André, não o Balada. Que possa reencontrar a grande fase e seguir brilhando nos gramados… Como sempre o vai, volta… quem sabe não pinta na Vila ou na Ilha do Retiro?

Parabéns, André!

Foto Destaque: Reprodução / Marlon Costa

Ricardo do Amaral

Sobre Ricardo do Amaral

Ricardo do Amaral já escreveu 710 posts nesse site..

"Alvíssaras! Sou Ricardo Accioly Filho, pernambucano de 27 anos, advogado e estudante de jornalismo pela Uninassau. Tenho como mote que “no futebol, nunca serão apenas 11 contra 11”; é arte, é espetáculo, humanismo, tem poder de mover multidões e permitir ascensões sociais. Como paixão nacional do brasileiro, o futebol me acompanha desde cedo, entretanto como nunca tive habilidade para praticá-lo, busquei associar duas vertentes de minha vida: o prazer pela leitura e o esporte bretão. Foi nesse diapasão que encontrei no jornalismo esportivo o elo de ligação que me leva a difundir e informar o que, nas palavras de Steven Spielberg, é o “mais belo espetáculo de imagens que já vi”."

BetWarrior


Poliesportiva


Ricardo do Amaral
Ricardo do Amaral
"Alvíssaras! Sou Ricardo Accioly Filho, pernambucano de 27 anos, advogado e estudante de jornalismo pela Uninassau. Tenho como mote que “no futebol, nunca serão apenas 11 contra 11”; é arte, é espetáculo, humanismo, tem poder de mover multidões e permitir ascensões sociais. Como paixão nacional do brasileiro, o futebol me acompanha desde cedo, entretanto como nunca tive habilidade para praticá-lo, busquei associar duas vertentes de minha vida: o prazer pela leitura e o esporte bretão. Foi nesse diapasão que encontrei no jornalismo esportivo o elo de ligação que me leva a difundir e informar o que, nas palavras de Steven Spielberg, é o “mais belo espetáculo de imagens que já vi”."

    Artigos Relacionados

    Topo