Fluminense e Miguel: caso recebe julgamento na Justiça

Após a saída de Marcos Paulo, mais um atleta formado em Xerém sai do Flu sem render valores aos cofres tricolores. Desse modo, depois de três meses do pedido de rescisão de contrato na Justiça, o caso entre Fluminense e Miguel recebeu julgamento. Assim, a juíza Daniela Valle da Rocha Muller, da 9ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, aceitou o pedido do jogador.

A saber, a Justiça do Trabalho determinou a rescisão do contrato entre Fluminense e Miguel, que ia até junho de 2022. Sendo assim, a decisão foi em razão do não recolhimento de FGTS e pelo Tricolor Carioca alegar “abandono de emprego”. No entanto, o clube, que continuou cumprindo com o pagamento de salário do atleta anunciou que vai recorrer sobre a decisão.

Assim, de acordo com o ‘Ge', o jovem cria de Xerém já está livre para fechar acordo com outro time. Bem como, na sentença, a juíza condenou o Fluminense ao pagamento, em uma semana, de:

  • Saldo de salário de sete dias de maio 2021;
  • Aviso prévio de 33 dias;
  • Férias proporcionais (11/12) acrescidas de 1/3 (R$827,44);
  • 13º salário proporcional de 2021 (05/12);
  • Multa de 40% do total atualizado do FGTS;
  • E quitar os salários até o fim do contrato, em junho de 2022.

Miguel no Fluminense

Anteriormente, Miguel já não vinha treinando com o Time de Guerreiros. Além disso, a contratação entre o atleta e o clube virou caso de justiça, devido à irritação do pai e procurador do meia, com a falta de oportunidades na equipe. Assim, o jogador e seu estafe buscaram a rescisão de contrato unilateral.

Vale ressaltar que o volante jogou apenas 20 duelos, somando 611 minutos em campo. Formado em Xerém, Miguel se juntou ao time profissional quando tinha apenas 16 anos, em 2019. Assim, a ida do jovem para a equipe principal, foi em um acordo entre o pai do jogador e o Fluminense para a renovação de contrato. Contudo, na temporada de 2020, o meia perdeu espaço no elenco.

Foto Destaque: Divulgação/Fluminense

Juliana Veiga
Estudante de Jornalismo, carioca, 22 anos. Escolhi o jornalismo, pois é uma profissão admirável, que apresenta uma amplitude de áreas para atuação e possui a missão de informar e formar opiniões. Desde a minha infância sonhava em ser comunicadora, e a paixão pelo futebol sempre esteve presente em minha vida. Assim, tornando o jornalismo esportivo a primeira certeza que tive na profissão. Redatora em sites jornalísticos e apaixonada por esportes, escrita e fotografia.