Danilo: o maestro multicampeão (Foto: Reprodução/Leandro Moraes/UOL)

Nascido na cidade de São Gotardo, interior de Minas Gerais, Danilo Gabriel de Andrade seria, mais tarde, um dos jogadores mais vitoriosos do Brasil. Dessa maneira, a coluna Nostalgia Brasileira traz a história do craque da camisa 20. Podem chamá-lo de Danilo ou, se for da Fiel, apresento-lhes Zidanilo.

Início da carreira 

Ainda quando jogava no Sparta Esporte Clube, time da sua cidade natal, um olheiro do Goiás, em 1996, encontrou Danilo. Pelo Esmeraldino, a partir de 1999, quando estreou na equipe principal, participou de 89 jogos e fez oito gols. Assim, o meia conquistou quatro vezes o Campeonato Goiano (1999, 2000, 2001 e 2003) e três vezes a extinta Copa Centro-Oeste (200, 2001 e 2002).

Além disso, fez parte de um momento histórico para o Goiás, quando a equipe alcançou o primeiro título nacional e, dessa forma, foi campeão da Série B do Campeonato Brasileiro de 1999. Mais tarde, o feito foi repetido pelo clube somente em 2012. Em resumo, Danilo permaneceu no time goiano até final de 2003, quando foi contratado pelo São Paulo. 

Danilo no Goiás (Reprodução/UOL)
Danilo no Goiás (Reprodução/UOL)

Danilo no São Paulo: herói ou vilão?

O jogador chegou ao Morumbi para, teoricamente, acabar com a falta de criação no meio-campo. Logo na primeira temporada, ajudou a levar o São Paulo às semifinais da Libertadores de 2004. Entretanto, o Tricolor tropeçou no Once Caldas. Ainda naquele ano, a equipe paulista ficou na 3ª posição do Campeonato Brasileiro.

Dessa maneira, disputaria mais uma vez a Libertadores da América no ano seguinte. Assim, em 2005, com Danilo sendo titular e maestro, o Tricolor conquistou o Paulistão, a Libertadores e também o Mundial de Clubes. Posteriormente, em 2006, o clube quase foi o melhor das Américas novamente. Contudo, perdeu para o Internacional na final da competição.

Em seguida, Danilo levou a equipe, em 19 de novembro de 2006, ao título de tetracampeão brasileiro. Portanto, foram quatro títulos com a camisa do time do Morumbi: Paulistão, Libertadores e Mundial (2005) e, por fim, Brasileirão (2006). Por fim, ao todo, foram 193 jogos (111 vitórias, 44 empates e 38 derrotas) e 37 gols.

Depois, foi contratado pelo Kashima Antlers, do Japão, no início de 2007. Posteriormente, Danilo teve a oportunidade de retornar ao Soberano. Contudo, o Corinthians também entrou na disputa pelo craque, que, logo, foi contratado pelo Timão. Por conta disso, parte da torcida tricolor tem mágoa do meia. 

Danilo: campeão de tudo pelo Corinthians 

O craque chegou no ano do centenário do Alvinegro: em 2010. No início, não brilhou, mas era só questão de tempo. No ano seguinte, voltou a ser maestro, como na época de Tricolor, e se destacou. Assim, o Corinthians venceu o Campeonato Brasileiro. Inclusive, juntamente com Liedson, Danilo foi fundamental em uma goleada história do Timão sobre o São Paulo por 5 x 0, em 26 de junho de 2011.

Diante de mais de 32 mil torcedores no Pacaembu, foram três gols de Liedson, um de Danilo e outro de Jorge Henrique. Naquela temporada, o Coringão, comandado, por Tite, contava ainda com Ralf e Paulinho, além de Willian Bigode, Fábio Santos e companhia. Além disso, em 2012, o Corinthians ganharia o título inédito da Libertadores. Inclusive, Danilo é o quarto jogador com mais vitórias na competição latino-americana com 48 triunfos em 82 jogos. Encabeçando a lista, Rogério Ceni possui 51. 

https://twitter.com/libertadores/status/1274416729318395905?s=21

Mais tarde, no mesmo ano, o Alvinegro ainda conquistou o Mundial de Clubes. Ao todo, foram oito títulos em nove temporadas pelo clube. Lá, ganhou o apelido de Zidanilo, em referência ao francês Zinédine Zidane. A qualidade no controle e domínio de bola, a precisão nos passes e, talvez, a falta de cabelo foram algumas características em comum entre os dois jogadores.

Quanto a uma curiosidade, em 2015, num amistoso contra o time inglês Corinthian-Casuals, nos últimos minutos de jogo, Danilo vestiu a camisa do Casuals. O gesto foi repetido pelo camisa 20 em homenagem a Sócrates, que, em 1988, também em um amistoso contra a equipe de Surbiton, defendeu o time rival por 15 minutos. 

Vila Nova

Após sair do Corinthians, Danilo assinou com o Vila Nova, de Goiás, no início de 2019. Entretanto, após 15 partidas e três gols, teve seu contrato com o Colorado rescindido em maio daquele ano. Ainda quando a equipe goiana estava disputando a Copa do Brasil, o camisa 20 perdeu dois pênaltis em dois jogos distintos.

Na 2ª fase da competição, o Vila visitou o URT em Minas Gerais. Com o placar em 2 x 2 no fim do tempo normal, a decisão teria que ser na disputa de pênaltis. Assim, dono da segunda cobrança do Tigre, Danilo mandou por cima do gol. Mesmo assim, o time do veterano conseguiu a classificação ao ganhar de 5 x 4 nas penalidades em disputa emocionante.

Posteriormente, pela 3ª fase da Copa do Brasil, o Vila Nova não conseguiu se classificar diante do Juventude, no Estádio Serra Dourada, em Goiânia. No tempo normal, empate em 0 x 0. Novamente, Danilo não converteu o pênalti. Na cobrança, a bola bateu na trave esquerda do goleiro e saiu. Com isso, o clube gaúcho venceu por 4 x 3 e, dessa maneira, eliminou os goianos. 

E agora? 

Após a rescisão com o Vila Nova, em entrevista para o GloboEsporte.com, Danilo confessou sua vontade de se tornar treinador de futebol. Em suma, o meia recebeu proposta para continuar no Corinthians, mas fora das quatro linhas, como dirigente. Entretanto, na época, não aceitou, já que queria continuar com a carreira de jogador. Portanto, assinou com o Vila Nova.

Foto destaque: Reprodução/Leandro Moraes/UOL

Danyela Freitas
Danyela Freitas
Sou goianiense, graduada em Letras pela Universidade Federal de Goiás (UFG), pós-graduada em Jornalismo Esportivo pela Estácio-SP e tenho três grandes paixões: a escrita, a leitura e o esporte (não necessariamente nessa ordem).

Artigos Relacionados