Boiadeiro agora só no pasto

Em 2013, aos 48 anos de idade, o meio-campista Marco Antônio Boiadeiro surtou literalmente. Projetou que as pernas ainda permitissem que voltasse a jogar profissionalmente no Tanabi, na quarta-divisão de profissionais do Estado de São Paulo. Aí, irremediavelmente teve que voltar às peladas com amadores de Monte Aprazível, cidade do interior paulista em que é proprietário de uma fazenda, fixou moradia, solta a voz em interpretações de músicas sertanejas, e revive a adolescência quando cuidava de gado.

Só o fascínio pelo futebol explica o descuido dele ao aceitar contratos em equipes de menor expressão como Sãocarlense, Anápolis, Rio Branco de Americana e União Barbarense, onde encerrou a carreira em 2000. O final decadente contrastou com o apogeu no Vasco, Cruzeiro e Seleção Brasileira.

No Vasco, a partir de 1989, comemorou o primeiro título na vitória por 1 a 0 sobre o São Paulo, gol de Sorato, no Estádio do Morumbi. Ali jogou com Bebeto, Sorato, Luís Carlos Vinck, Mazinho e Bismarck, entre outros.

No primeiro ano de Cruzeiro, em 1991, sob o comando do saudoso treinador Ênio Andrade, jogou nesse time: Paulo César Borges; Nonato, Paulão, Adilson Batista e Célio Gaúcho; Ademir, Marco Antônio Boiadeiro e Luiz Fernando; Mário Tilico, Charles e Marquinhos. No clube, foi bicampeão da Supercopa da Libertadores da América 91/92 e campeão da Copa do Brasil em 93. O desempenho refletiu em contratos no Flamengo, Corinthians e Atlético (MG), porém com rendimento inferior.

Na Seleção Brasileira do técnico Carlos Alberto Parreira, em 1993, participou do Torneio US Cup nos EUA e Copa América, no Equador. Ao atingir a quinta partida, enfrentando a Argentina, o mundo desabou sobre a sua cabeça ao desperdiçar cobrança de pênalti que implicou na eliminação dos brasileiros, após empate em 1 a 1 no tempo normal.

Recordou o trauma da perda do título do Campeonato Brasileiro de 1986 pelo Guarani, quando perdeu pênalti na final contra o São Paulo em Campinas, na definição através desse experiente, após empate por 3 a 3 no tempo normal e prorrogação.

O apelido de Boiadeiro se justifica porque no lombo de um cavalo conduzia a boiada nos pastos de Américo Campos, cidade paulista onde nasceu. E usava traje a caráter: bota de fivela, chapéu, calça apertada e cinturão. Foi assim que apareceu no Estádio Santa Cruz, do Botafogo de Ribeirão Preto (SP), para participar de treino peneira. E orgulha-se de ter sido o único aprovado na relação de 39 garotos, em meados da década de 80.

 No time principal do Botafogo juntou-se aos também novatos Raí e Peu, e ao experiente Mário Sérgio, em 1985. O segundo passo foi no Guarani onde a carreira deslanchou.

BetWarrior


Poliesportiva


Ariovaldo Izac
Ariovaldo Izac
O portal Futebol na Veia passa a inserir em sua grade de conteúdos a coluna de futebol Reminiscências assinada pelo jornalista Ariovaldo Izac, com 38 anos de militância no jornalismo. O foco é abordagem sobre jogadores do passado, principalmente aqueles que mais se destacaram.

    Artigos Relacionados

    Topo