Desclausurando o Uruguaio é uma coluna semanal com o intuito de explorar histórias, curiosidades e tudo o que envolve o futebol bicampeão mundial. Dessa forma, o tema dessa semana é a história de formação do Club Atlético River Plate de Montevidéu, em 1932 e os acontecimentos por trás deste tradicional clube uruguaio.

A FUNDAÇÃO

O Club Atlético River Plate foi fundado em 1932 depois da fusão entre o Olimpia Football Club e o Club Atlético Capurro com o intuito das equipes conseguirem competir profissionalmente. Assim, o nome River Plate se deu em homenagem ao extinto River Plate Football Club, histórico clube da Cidade Velha de Montevidéu e tricampeão uruguaio no amadorismo.

Nos arredores da Cidade Velha nasceram o Capurro (1914) e o Olimpia (1922). Sendo assim, o Capurro usava camisas listradas vermelhas e brancas. Enquanto o Olimpia, que era conhecido como “Los Alas Rojas”, levava uma camisa branca com um par de asas vermelhas no peito. Ambos os clubes dividiam a simpatia dos habitantes da região. Durante o ano de 1926, na zona do Prado foi inaugurado o campo oficial do Olimpia, denominado de Olimpia Park, mais conhecido hoje como Parque Federico Omar Saroldi.

Os dois também chegaram à Primeira Divisão em 1927, dois anos após o encerramento das atividades do River Plate FC, e permaneceram nela até o final da era amadora, em 1931. Logo depois, ambos foram questionados sobre a transição para o profissionalismo e a acabou com que a única solução possível para competirem no futebol profissional era pela união de forças e formação de uma nova instituição, deixando de lado a rivalidade que tinham entre si. Assim, no dia 11 de maio de 1932, foi fundado do Club Atlético River Plate, também com o apelido de Darseneros, em homenagem aos empregados do porto de Montevidéu que o fundaram.

INÍCIO DA ERA PROFISSIONAL

No mesmo ano de fundação do River, o futebol profissional foi iniciado no Uruguai. Assim, a primeira partida profissional dos Darseneros foi um empate por 1 x 1 contra o Peñarol, pela primeira rodada do Campeonato Uruguaio de 1932, que acabou com o próprio Peñarol como campeão.

Logo depois, em algum dia do mês de julho do mesmo ano, em partida contra o Central Español, Federico Omar Saroldi, o primeiro goleiro Darsenero, sofreu uma falta que provocaria seu falecimento poucos dias depois. A dor dos torcedores Riverplatenses foi tão grande que decidiram rebatizar o antigo Olimpia Park com seu nome, em sua homenagem.

Durante seus primeiros anos, alguns dos maiores jogadores da história do Uruguai jogaram no River Plate, como Severino Varela e Héctor Puricelli. O primeiro ficou três anos no clube e depois foi se tornar estrela no Peñarol e Boca Juniors. Varela ainda fez parte do Seleção Uruguaia de 1935 até 1942, sendo campeão da Copa América de 1942. Por outro lado, o segundo brilhou em Montevidéu pelo River, depois passou dois anos no Central Español e rumou à Europa depois de se destacar no futebol uruguaio. Jogou pelo Bologna, onde atingiu seu auge técnico e seguiu para o Milan, quando também foi muito bem. Depois de um ano jogando na Itália, se naturalizou italiano e jogou pela sua nova seleção.

Antes da união entre Olimpia e Capurro, o clube também contou com Isabelino Gradín, que pode ser considerado o primeiro grande jogador uruguaio da história. Assim, em 1915, Gradín começou sua carreira pelo Peñarol e depois foi jogar no Olimpia. Também foi campeão da Copa América em 1917.

O AUGE NA PRIMEIRA DIVISÃO

Depois de anos passando pelas primeiras e segundas divisões nacionais, a partir dos anos 90, o clube se estabilizou definitivamente na Primeira Divisão, caindo somente em 2003, mas conseguindo o acesso no ano seguinte. Em 1992, chegou a sua melhor posição na história do Campeonato Uruguaio, quando foi vice-campeão com a equipe dirigida por Vítor Púa. Graças as boas atuações nas competições nacionais, os Darseneros conseguiu se classificar para sua primeira competição nacional na história: a Copa Conmebol de 1996. A equipe acabou sendo eliminada nas quartas-de-final pelo Rosario Central, da Argentina.

Após o rebaixamento em 2003 e volta à Primeira Divisão em 2004, o River conseguiu se estabilizar na divisão máxima do futebol uruguaio e não foi rebaixado novamente até os dias de hoje.

“EL EQUIPO PLAYSTATION” E SEQUÊNCIA INTERNACIONAL

Em janeiro de 2007, o foi contratado Juan Ramón Carrasco, ex-treinador da Seleção Uruguaia, e assim uma revolução surgiria no futebol do clube. A equipe começou a jogar um futebol ultra-ofensivo e vistoso que seria chamado de “El Equipo PlayStation” pela imprensa. Dessa forma, na temporada 2007-08, foi considerada como a equipe sensação do futebol uruguaio, brilhando em várias partidas e terminando o Clausura na primeira posição, junto com o Peñarol. Algumas das vitórias mais importantes durante o torneio foram contra o próprio Peñarol (6 a 3), Defensor Sporting (5 a 1), Danubio (5 a 1) e Rampla Juniors (7 a 0). Entretanto, na partida de desempate entre os líderes da competição, os Darseneros acabaram perdendo para o Peñarol por 5 a 3, sendo vice-campeão novamente.

Logo após, o River teve sua terceira participação em competições internacionais, pela Copa Sul-Americana 2008. Também conquistou sua primeira vitória contra uma equipe estrangeira: por 2 a 0 sobre a Universidad Católica, do Chile. Contudo, foram eliminados na mesma primeira fase depois de serem goleados na partida de volta em Santiago.

No ano seguinte, os Riverplatenses voltaram a se classificar para a Sul-Americana. Desta vez, conseguiram chegar às semi-finais da competição, passando por cima do Blooming, Vitória e San Lorenzo. Porém, foram derrotados pela LDU de Quito, campeã da Libertadores do ano anterior e campeã da Sul-Americana de 2009, nas fases finais.

Confirmando a grande fase em que a equipe viveu sendo treinada por Carrasco, a equipe também se classificou para a Sul-Americana de 2010 e acabou sendo eliminada na primeira fase pelo Guaraní, do Paraguai. No entanto, o treinador se demitiu no final da temporada.

A ERA GUILLERMO ALMADA

Em abril de 2011, Guillermo Almada foi contratado como treinador da equipe. Após um ano no comando da equipe, foi campeão do Torneo Preparación, um torneio oficial organizado pela AUF (Associação Uruguaia de Futebol) em que participavam todas as equipes da Primeira Divisão do Uruguai.

Na temporada de 2012-13, a equipe ficou na quarta colocação e também se classificou novamente para a Sul-Americana, onde eliminou os bolivianos do Blooming novamente e logo depois caiu para o Itaguí, da Colômbia. No Uruguaio, lutaram a temporada inteira por ambos os torneios e pelo Anual, mas novamente acabou sem o título.

Pela Copa Sul-Americana de 2014, o River enfrentou novamente a Universidad Católica, desta vez eliminando os chilenos, mas caíram para os equatorianos do Emelec.  Na temporada seguinte, terminaram na terceira colocação e finalmente conseguiram sua primeira classificação para a Copa Libertadores.

A PRIMEIRA PARTICIPAÇÃO NA LIBERTADORES

A primeira partida do River Plate na competição aconteceu no dia 2 de fevereiro de 2016, no Estádio Domingo Burgueño Miguel, contra a Universidad de Chile, pela primeira fase do Campeonato. Assim, o jogo terminou com uma vitória por 2 a 0 do clube uruguaio, com gols de Michael Santos e Nicolás Schiappacasse. A partida de volta terminou empatada por 0 a 0, assim dando a classificação para a fase de grupos para o River.

Os Darseneros acabaram caindo no grupo da morte da competição, com Rosário Central, Palmeiras e Nacional do Uruguai. A equipe acabou na última colocação do grupo, com nenhuma vitória, três empates e três derrotas.

A SUL-AMERICANA DE 2019 E OS DIAS ATUAIS

Juntamente com as semi-finais de 2009, o outro grande momento da história da equipe uruguaia foi quando eliminou o tricampeão da América, bicampeão mundial e um dos favoritos ao título da competição, Santos Futebol Clube, na Copa Sul-Americana de 2019. No Uruguai, a primeira partida acabou empatada por 0 a 0, após muitos gols perdidos pela equipe brasileira. Depois, o segundo jogo acabou 1 a 1 e os Darseneros eliminaram o Peixe pela regra de gol fora. Após a histórica classificação, na segunda fase, acabaram sendo eliminados pelo futuro vice-campeão da competição, o Colón, da Argentina.

Em setembro do mesmo ano, o River Plate, treinado pelo multicampeão Jorge Fossati, chegou na final do Torneio Intermedio, contra o Liverpool de Montevidéu. Contudo, acabaram novamente com o vice-campeonato, depois da partida acabar 1 a 1 no tempo normal e 2 a 2 na prorrogação, o jogo acabou indo para os pênaltis e o Liverpool conquistou o título.

Hoje, enquanto a América do Sul espera uma definição sobre uma volta no futebol no continente, o River se encontra na 10ª colocação no Apertura Uruguaio, com três pontos em três partidas em que disputou.

Foto: Reprodução/Diário El Pueblo Uruguay

Henrique Castro
Tenho 20 anos e estou no 5º semestre de Jornalismo. Comecei a me interessar por futebol na Copa do Mundo de 2006, quando tinha 6 anos e desde então, o encanto pelo esporte só aumentou. Tal interesse, me fez ter a vontade de seguir uma carreira no jornalismo esportivo. Sou apaixonado pelo Santos Futebol Clube, sou torcedor do Philadelphia 76ers, na NBA e meu maior ídolo no esporte é um tal de Michael Jeffrey Jordan. Além de tudo, o que mais gosto no futebol é acompanhar os clubes do Leste Europeu, América do Sul e Ásia (e um pouco da África também).

Artigos Relacionados