Entre um dos jogadores mais conhecidos da América-Latina, principalmente no Brasil, onde se destacou pelo Palmeiras, Jorge Luis Valdívia Toro, ou simplesmente Valdívia, está sem clube. Posteriormente, o atacante não renovou com o Colo-Colo, equipe a qual atuava desde 2017. A principio, o time até que tentou uma renovação, porém não obteve sucesso. Ao que se sabe, o jogador e seu empresário recusarem uma proposta que viabilizava um contrato de um ano com hipótese de prorrogação. Desse modo, o clube acabou desistindo da negociação.

A partir disso, o chileno segue com o futuro indefinido e como era previsto, seu destino começou a ser especulado nos principais sites de esporte. Entre as principais apostas, o Alianz Parque, casa do Palmeiras, é o destino favorito indicado pelos blogs esportivos.  Em volta disso, em recente entrevista, Valdívia se declarou ao Palestra e frisou seu desejo em retornar.

”(…) ter a possibilidade de trabalhar de novo no Palmeiras. Quem não gostaria.? Não somente eu. Então é claro que eu gostaria de um dia voltar para o clube. Um dia não, né? Porque daqui há dois anos ou um ano e meio, já era para mim (risos).”

PRIMEIRA PASSAGEM PELO PALMEIRAS

O atacante chegou ao Palmeiras após grande temporada no Colo Colo em 2006. Estipula-se que sua transação tenha girado em torno de US$ 3,5 milhões (cerca de R$ 8 milhões), valor mais alto que o Palmeiras desembolsará por um jogador estrangeiro na época. O acordo frisava um contrato de três anos e um salário por volta de US$ 400 mil. Posteriormente, Valdívia era visto como um atleta promissor, chegando a ser destacado por Tite (técnico palmeirense na época) como ” uma promessa triunfosa”.

De antemão, em seu primeiro ano, não apresentou bons jogos, sendo marcado por lesões constantes. Seu êxito  ocorreu apenas em 2007, após a chegada do técnico Caio Júnior, onde logo se firmou na posição de titular e obteve a camisa 10 do clube. Seu primeiro gol com a camisa Alviverde, aconteceu na 2ª rodada do Campeonato Paulista, contra o Rio Branco. Ocasionalmente, chegou a ser apontado por profissionais como o novo ‘gringo' de sucesso no Brasil depois de Carlitos Tévez. A partir daí, Valdívia passou a ser o melhor jogador do Verdão, tendo como principal parceiro o atacante Edmundo.

Em 2008, com a demissão de Caio Junior, o Palmeiras optou por Vanderlei Luxemburgo para substituir o cargo. Além de Luxa, os jovens promissores, Diego Souza, Henrique e Kleber Gladiador também chegaram para acrescentar ao elenco. Todavia, a intenção palmeirense era montar uma equipe competitiva que lutaria por títulos. E nesse ínterim, faturou o Paulistão daquele ano com papel fundamental de Valdívia. Por sua vez, virou um carrasco dos rivais e referencia a torcedores, principalmente por sua desenvoltura em campo nas cobranças de pênaltis, no qual fazia o polêmico “chute no vácuo”, grande sucesso na época.

O RETORNO

Seu retorno, em 26 de julho de 2010, foi um dos assuntos mais comentados do mundo no twitter. Dessa vez, o Palestra estava sob o comando de Luis Felipe Scolari.  Seu retorno era pedido constante da torcida palmeirense que nunca se contentará com sua saída. Mais tarde, no dia 8 de agosto, em sua primeira coletiva de imprensa pós-volta, Valdívia encheu o torcedor de expectativa ao declarar: “Voltei para ser campeão.

”Agradeço a todos pelo carinho que tiveram nos dois anos em que fiquei aqui. Sem esse carinho, eu não teria retornado. Agradeço à todos que fizeram um enorme esforço, para minha volta. O Palmeiras é minha casa e um bom filho a casa torna. Durante os dois anos em que fiquei longe, era só de cabeça, pois o coração permaneceu… Pretendo me tornar um ídolo igual ao Ademir da Guia e Marcos. Eu amo o Palmeiras.” – Valdívia em 12/08/2010

Três dias após sua contratação, sua camisa de número 10 esgotou das lojas. Além disso, o Mago também teve sua apresentação exclusiva para o público do Pacaembu, antes do jogo do Palmeiras diante o Athlético-PR. Sobretudo, sua passagem pelo clube foi amistosa nos dois primeiros meses. Entretanto em outubro, após uma substituição, Valdívia demonstrou certa insatisfação com Felipão, o que gerou desgaste nos bastidores. Desse ponto, se envolveu em diversas polêmicas, principalmente extra-campo.

Em contrapartida, terminou sua segunda passagem pelo Palmeiras, sendo decisivo na reta final da Copa do Brasil, marcando gols nas semifinal e final do torneio. O que consequentemente mais tarde culminaria em título para o Alviverde. Simultaneamente, o Palmeiras caminhava em paralelo, pois ao mesmo tempo que era campeão, caia para a série B do Brasileirão. Fator esse que fez com que a torcida se dividisse em relação ao Mago. Herói ou vilão ?

ANDERSON BARROS NÃO DESCARTA O RETORNO

O recém-chegado diretor executivo palmeirense, Anderson Barros, concedeu entrevista coletiva de imprensa, no qual ao ser perguntado pela audiência sobre a disponibilidade de Valdívia, não descartou seu retorno, mas também não evidenciou.

¨O Valdívia é um ídolo da torcida, tem sua história aqui, mas ainda é uma situação muito distante do clube. Tudo aqui a gente discute no dia a dia para sempre tomar a melhor decisão para o departamento de futebol¨ – comentou o cartola.

Em suma, além de Barros, o ex-presidente palmeirense, Luiz Gonzaga Belluzo também comentou sobre um possível retorno do chileno. Principal responsável pela segunda passagem do craque em 2010, o cartola – nos dias atuais longe das estafes futebolísticas – rasgou elogios ao chileno.

Eu na verdade, como todo palmeirense, também tinha uma fixação pelo Valdivia. Ele é uma figura. É muito ligado ao clube, mas tem seus ‘poréns', em gostar de uma “saidinha”, passeios, etc. Ele foi o único jogador que foi me visitar no hospital. Eu tinha uma boa relação com ele. Eu fico pensando como seria se ele retornasse ao Palmeiras. Nesse time aí, certeza que iria matar a pau, porque é muito bom jogador. Ele é um cracaço. Pena que ele cuida pouco da carreira”.

 

FOTO DE DESTAQUE: César Greco/Agência Palmeiras

Karine Gommes
Karine Gommes
Se o céu é o limite, então voe, irmão! Sou jornalista em formação do 7° semestre pela Universidade Cruzeiro do Sul. O jornalismo surgiu em minha vida, quase que simultaneamente, com a minha paixão por esportes. Necessitava viver aquilo. Assim, fui atrás. Conforme conhecia o profissão, pude visualizar quão ampla é. Apesar de ser apaixonada por esportes, eu quero vivenciar todas as vertentes que o jornalismo me proporcionar. Estou aqui para fazer jus ao meu grande sonho. Prazer, sou Karine Gommes ;)

Artigos Relacionados