Presidente do Goiás se posiciona sobre Paulo Egídio

Antecipadamente, o episódio envolvendo torcedores do Goiás, o atacante Alef Manga e o supervisor de futebol Paulo Egídio, após a derrota para o Náutico na Serrinha, ainda está rendendo nos bastidores do clube. Nesse sentido, o presidente do Goiás concedeu uma entrevista para BandNews na noite de ontem (13), onde revelou o afastamento do supervisor.

O CASO ENVOLVENDO ALEF E O SUPERVISOR

A princípio, o caso envolve o atacante Alef Manga e o supervisor de futebol Paulo Egídio. Ao ouvir todo o caso, Paulo Rogério Pinheiro relatou que, conforme disse Manga, os torcedores jogaram cervejas durante a discussão. Em contrapartida, Paulo Egídio chutou uma grade e chegou a cuspir em alguns torcedores.

POSICIONAMENTO DA ORGANIZADA DO GOIÁS

Nesta última segunda-feira (12), a torcida organizada Força Jovem do Goiás foi ao centro de treinamento do clube para tentar conversar com o atacante Alef Manga. No entanto, não tiveram autorização da diretoria para isso e, na sequência, divulgaram um comunicado pedindo a demissão de Paulo Egídio.

A POSIÇÃO DO PRESIDENTE

Em suma, a atitude não teve aprovação do presidente esmeraldino, que lamentou o fato e ainda disse que Paulo Egídio chegou a ser ameaçado de morte e estava assustado com tudo que estava acontecendo.

“Ele recebeu mais de dez ameaças de morte, com mensagens de fotos da namorada e da casa dele. Um absurdo”, relatou Paulo Rogério.

Em seguida, disse que as ameaças são inadmissíveis e deixou um recado bem claro:

“Se alguém encostar a mão nele, eu vou renunciar na mesma hora”, afirmou.

Em acréscimo, segundo o dirigente, o supervisor vai deixar o futebol profissional, uma vez “que não existe mais clima”. Entretanto, não será execrado do clube.

O FUTURO DE PAULO EGÍDIO NO GOIÁS

Por fim, Paulo Egídio, que tem entre as suas funções a organização da logística de viagem do elenco, está com a delegação em Maceió, para partida contra o CSA. Assim, retornado para Goiânia, vai entrar de férias e depois terá seu futuro definido.

Foto destaque: Divulgação/ Rosiron Rodrigues/ Goiás EC
André Merice
A paixão pelo esporte me fez escolher a profissão. A experiência como atleta não foi como o esperado. Então, procurei algo em que me encaixasse. E o Jornalismo foi a primeira opção! Falar já é bom, quando o assunto é futebol, se torna melhor ainda.