Nesta sexta-feira (12), a coluna Parabéns ao Craque vem homenagear Mateus Vital. O camisa 22 do Corinthians completa 23 anos e já carrega bagagem expressiva dentro e fora dos gramados. Preciso nos passes e nos dribles curtos, o atleta possui convocações para as seleções de base do Brasil. Contudo, a vida do carioca sempre exigiu força. A perda da mãe quando o jogador tinha nove anos se tornou uma ferida eterna, mas ao mesmo tempo combustível para a busca pelo sucesso.

A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA NO VASCO DA GAMA

“Carioca da gema”, como diz o apelido dado a quem nasce e mora no Rio de Janeiro, Mateus Vital veio ao mundo no dia 12 de fevereiro de 1998. Filho de Viviane Vital e Jorge Assumpção, começou a vida com a bola nos pés já aos cinco anos. Assim, em 2003, ingressou no Vasco da Gama. O clube se tornou a sua segunda casa. Por lá, o atual jogador do Corinthians cresceu e chegou a estudar na escola oferecida pela instituição.

Alternando entre jogos e treinos pelas categorias inferiores do futsal e do futebol de campo, Vital conquistou títulos em todas elas. A trajetória vencedora e o estilo de jogo do atleta levaram membros do clube e colegas de time a apelidarem o meia de “Pet”, em referência ao sérvio Dejan Petković.

Ainda pelo CruzmaltinoMateus Vital recebeu sua primeira convocação para defender as cores do Brasil. Dessa forma, o jogador foi chamado para integrar o elenco da seleção sub-15 do país. Além disso, com o passar dos anos seguiu evoluindo e acumulando mais convites para as outras categorias.

MATEUS VITAL: UMA HISTÓRIA DE SUPERAÇÃO

Antes mesmo de ser convocado para defender a seleção, Mateus Vital teve que enfrentar grandes desafios, principalmente longe dos gramados. Aos nove anos de idade, o jogador perdeu sua mãe em um assalto. Após bandidos anunciarem o roubo do carro da família, um policial tentou impedir a ação e começou a trocar tiros. Contudo, uma das balas acertou Viviane, que veio a óbito pouco tempo depois.

A morte da mãe abalou o atleta, que chegou a pensar em parar de jogar futebol. Entretanto, o apoio do pai, das irmãs e do Vasco se tornaram fatores fundamentais para que Vital seguisse com a promissora carreira, que iria deslanchar em poucos anos.

“Pensei em parar, mas meu pai e minhas irmãs me ajudaram. E o Vasco esteve do meu lado a todo momento, colocou uma psicóloga quase 24 horas comigo. Claro que chegar aqui passa um filme forte na cabeça, foi o momento mais difícil da minha vida”, disse o jogador em sua apresentação no Corinthians anos mais tarde.

A IDA PARA O PROFISSIONAL

2015 foi um ano conturbado no Vasco. O time não conseguiu fazer boa campanha no Campeonato Brasileiro e teve seu rebaixamento decretado. Entretanto, tentando amenizar a situação e, ao mesmo tempo, renovar o elenco e dar sangue novo, o clube decidiu investir na promoção de Mateus Vital para o elenco profissional.

Contudo, foi apenas em 2017 que o jogador assumiu papel forte dentro do elenco. Assim, se tornou titular e, como sua característica principal, deu mais mobilidade ao meio-campo do time. Além disso, a versatilidade contribuiu em seu desempenho. Dessa forma, Vital pode exercer tanto o papel de meia de criação, bem como de ponta aberto pelos lados do campo. Em conclusão, essas propriedades do então atleta do Vasco chamaram atenção do Corinthians, campeão nacional naquele ano.

CORINTHIANS

Contratado em 2018, o jogador desembarcou pela primeira vez para jogar em um clube que não fosse o Vasco. Pelo Corinthians, o meia coleciona momentos marcantes, como as conquistas do Campeonato Paulista nas edições 2018 e 2019. Além disso, no título sobre o Palmeiras, Vital ganhou destaque pela boa jogada logo no minuto inicial do jogo, que colocou o Timão em vantagem. Na ocasião, o camisa 22 serviu Rodriguinho.

Preciso nos passes e ágil com a bola nos pés, o jogador assumiu o papel de talismã de todos os técnicos que teve no clube até o momento. Alternando jogos entre os titulares e os reservas, Mateus é presença frequente em campo com a camisa do Corinthians.

O meia vem ganhando destaque no clube paulista principalmente pelas atuações contra os times de seu estado natal. Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco já foram vítimas do camisa 22 alvinegro. Assim, dos nove tentos que tem pelo Timão, anotou seis deles contra as equipes cariocas.

Por fim, em seus três anos de Corinthians até o momento, Vital já recebeu convocações para defender a seleção olímpica do Brasil visando a Olimpíada de Tóquio. Pelo país, venceu o Torneio de Toulon, realizado na França, no ano de 2019.

A VITALIDADE DE MATEUS VITAL

No futebol moderno onde os jogadores estão constantemente se moldando, Mateus Vital faz isso com extremo talento e empenho. Às vezes assumindo papel de camisa 10 clássico e em outras figurando como válvula de escape pelos lados do campo, o camisa 22 se mostra essencial.

Mateus Vital é exemplo. Dentro do campo, põe em prática seu talento, que, claramente, absorveu dos seus tempos de futsal. Expõe a importância do esporte que muitas vezes é menosprezado por muitos, mas que agrega muito dentro dos gramados. Vertical em seus dribles, dificilmente perde uma jogada individual.

Fora dos gramados, o jogador é exemplo de superação. Em meio às dificuldades impostas pela vida, principalmente pela morte de sua mãe, tornou a dor e sofrimento combustíveis para realizar seu grande sonho.

Parabéns, Mateus Vital. Dono de uma carreira já bastante vasta e repleta de desafios, o futuro ainda se revela promissor. Dentro e fora dos gramados você é inspiração para outros jovens que buscam iniciar suas trajetória dentro do esporte.

Foto Destaque: Divulgação/Corinthians

Renan Liskai
Renan Liskai
Muito prazer! Sou Renan Liskai, paulista, natural de Santo André. Desde 1998 falando, respirando, sorrindo, chorando e enlouquecendo por futebol. A vida de goleiro não deu certo, mas o jornalismo sempre esteve ali. Descobri que se não podia estar dentro de campo ou das quadras, eu poderia estar do lado de fora, mas sempre vivendo tudo isso. Sou daqueles que não perde um jogo de futebol por nada, seja ele qual for. Costumo dizer que esse esporte é assunto mundial e que não há uma pessoa no mundo que nunca tenha falado sobre tudo que acontece dentro e além das quatro linhas. Assim como todo mundo, carrego uma história e experiências. Sou filho, irmão, neto, amigo e sempre serei um eterno aprendiz dessa vida.

Deixe uma resposta