Parabéns ao artilheiro: Hernane Brocador, 34 anos

- Jogador teve grande destaque no Flamengo, mas também foi artilheiro pelo Bahia e Sport
Hernane Brocador

Nesta quarta-feira (8), mais um jogador de destaque da cena esportiva completa aniversário em meio a pandemia do novo coronavírus. Isso porque, o atacante Hernane Brocador faz 34 anos de vida. Assim, dotado de um bom faro de gol, a principal característica do jogador é a finalização de primeira, sendo um oportunista nato. Atualmente no Sport, clube com forte identificação, o atleta já passou por outras grandes equipes do cenário brasileiro como São Paulo, Flamengo, Bahia e Grêmio.

https://www.instagram.com/p/B9Kvby2HNCG/?utm_source=ig_web_copy_link

AS ORIGENS NA BASE

Baiano de Bom Jesus da Lapa, Hernane nasceu em 8 de abril de 1986. Dessa forma, iniciou sua carreira pelo futebol de várzea. Assim, ingressou no time de juniores do Guarulhos e do Atibaia, ambos de São Paulo, sob indicação de um olheiro baiano. Logo de cara, o jogador surpreendeu a todos pelo seu talento, sorte e estrela. Pelo clube do interior paulista, brigou pela artilharia da Série B do Campeonato Paulista de 2007, marcando 13 gols em 20 jogos. Logo, o bom desempenho chamaria a atenção dos times da capital. Desse modo, chegou ao São Paulo  em 2007, a princípio para integrar o elenco sub-23.

DIFICULDADES COMO PROFISSIONAL

No entanto, devido a avançada idade para o time de base, Hernane foi promovido para o profissional e chegou a ser relacionado pelo técnico tricolor Muricy Ramalho para uma partida do Campeonato Paulista de 2008. Todavia, mesmo concentrando com o elenco, acabou sendo cortado instantes antes do jogo. Não encontrando muito espaço no então campeão brasileiro, o atacante foi novamente emprestado ao Rio Preto, ao Toledo, Catanduvense e Paulista. Por esses clubes, teve melhor sorte na equipe paranaense, onde foi vice-artilheiro do campeonato estadual, em 2009, com seis gols, perdendo o prêmio por apenas um tento. Já pelo último clube, foi artilheiro da Copa Paulista com 10 gols, em 2010, e no ano seguinte, foi o maior goleador do clube.

Em seguida, desfez o vínculo inicial com o Atibaia e foi contratado em definitivo pelo Paraná Clube para a disputa do Campeonato Brasileiro da Série B de 2011. No entanto, mal fisicamente, não teve sequência no Tricolor da Vila Capanema. Assim, retornou ao interior paulista para atuar pelo Mogi Mirim. No clube, voltou a marcar gols e ser o vice-artilheiro do Campeonato Paulista de 2012 com 16 tentos marcados em 22 partidas. Além disso, pelo Alvirrubro, anotou o tento mais rápido do Paulistão com 17 segundos de jogo no confronto diante do Linense. Com tais números, foi negociado por empréstimo ao Flamengo, onde teria seu primeiro grande momento na carreira.

FLAMENGO

Assim, Hernane chegou a Gávea sob confiança da diretoria e da comissão técnica e com conselhos do ídolo Zinho. Estreou em uma partida contra o Coritiba pelo Campeonato Brasileiro de 2012. No entanto, nesse ano, não teve maiores oportunidades com apenas três gols em 14 jogos. Com a virada de ano, realizaria, talvez, sua melhor temporada na carreira. Logo de início, marcou sete gols nas primeiras rodadas do Campeonato Carioca. Dessa forma, convenceu o Flamengo a estender o vínculo, em definitivo, adquirindo 40% dos seus direitos econômicos. Assim, foi destaque no primeiro clássico FLA-FLU no Maracanã reformado para a Copa do Mundo de 2014, onde marcou dois tentos, sendo um de letra.

À essa altura já apelidado pela torcida de Hernane Brocador, ele viria a ganhar a titularidade no Rubro-Negro carioca após a lesão do atacante Marcelo Moreno. Pelas quartas-de-finais da Copa do Brasil de 2013, o jogador teve uma de suas melhores exibições com a camisa vermelha e preta ao fazer um hat-trick diante do rival Botafogo, ajudando na classificação à semifinal. Enquanto que na final do torneio, diante do Athletico-PR, marcou o gol que deu o tri-campeonato aos cariocas. Além disso, ainda foi artilheiro da copa nacional com oito tentos. Já pelo Campeonato Brasileiro, foi vice-artilheiro com 16 gols, se consolidando como o maior goleador flamenguista da temporada com 36 tentos em 58 partidas.

AL-Nassr…

Em 2014, iniciou a temporada no Flamengo, mas uma série de lesões acabaram por fazer não se firmar no elenco titular. Assim, foi negociado ao Al-Nassr, da Arábia Saudita, com um contrato de três anos. No entanto, após três meses de salários atrasados, conseguiu junto a FIFA sua rescisão com o clube saudita. Foi a porta aberta para o retorno ao Brasil para o Sport, de Recife.

PRIMEIRA PASSAGEM PELO NORDESTE

Dessa forma, chegou ao Leão da Ilha, em 2015, cercado de grande expectativa pelo que havia feito com outra camisa rubro-negra, mas o bom desempenho do atacante André, da geração de Neymar e Ganso no Santos, acabou por não lhe dar muita sequência. Era um momento que o Sport estava investindo forte no elenco principal após a repatriação de Diego Souza, recém-contratado. No entanto, Hernane Brocador figurou mais no banco que dentro de campo. Em 17 jogos, a maioria entrando no segundo tempo, fez apenas quatro gols. Com o apelo midiático, foi negociado ao Bahia em 2016.

De volta às origens, em solo baiano, Hernane Brocador se reencontrou com os gols. Isso porque, na temporada de 2016 foi o principal artilheiro com 21 gols marcados em 46 partidas. No ano seguinte, sob a batuta do técnico Guto Ferreira, foi campeão da Copa do Nordeste. Todavia, nos anos seguintes, voltou a conviver com lesões que fizeram cair seu rendimento pelo Bahia e atuou por poucos jogos.

VOLTA AO SPORT E O RENASCIMENTO NA SÉRIE B

Com as lesões, acabou sendo preterido pelo Tricolor de Aço e acertou com o Grêmio, em uma tentativa do técnico Renato Gaúcho de renascer para o futebol. No entanto, teve passagem apagada por Porto Alegre. Dessa forma, retornou para o Sport. Chegando na reta final da Série A de 2018, não conseguiu evitar o rebaixamento do Leão com apenas dois gols em 16 partidas. Apesar disso, renovou o contrato com os pernambucanos com a promessa de recolocar o clube na elite do futebol brasileiro.

Prometeu e cumpriu. Pois, em 2019, teve uma de suas melhores temporadas. Em 45 jogos, marcou 23 gols e foi um dos grandes responsáveis, ao lado do meia-atacante Guilherme, pelo título do Campeonato Pernambucano e pelo acesso do Sport à Serie A, em meio a uma crise financeira sem precedentes. Logo, fazendo gol de tudo que foi jeito, finalmente, caiu nas graças da torcida leonina que esqueceu as críticas da temporada anterior. Atualmente, segue no Rubro-Negro, mas voltou a ser inconstante e divide a titularidade com o também atacante Elton.

Foto Destaque: Reprodução / Marlon Costa / Globoesporte.com

BetWarrior


Poliesportiva


Ricardo do Amaral
Ricardo do Amaral
"Alvíssaras! Sou Ricardo Accioly Filho, pernambucano de 27 anos, advogado e estudante de jornalismo pela Uninassau. Tenho como mote que “no futebol, nunca serão apenas 11 contra 11”; é arte, é espetáculo, humanismo, tem poder de mover multidões e permitir ascensões sociais. Como paixão nacional do brasileiro, o futebol me acompanha desde cedo, entretanto como nunca tive habilidade para praticá-lo, busquei associar duas vertentes de minha vida: o prazer pela leitura e o esporte bretão. Foi nesse diapasão que encontrei no jornalismo esportivo o elo de ligação que me leva a difundir e informar o que, nas palavras de Steven Spielberg, é o “mais belo espetáculo de imagens que já vi”."

    Artigos Relacionados

    Topo