Palmeiras: Os melhores jogadores entre 2015 a 2020

- Em seus mais de 100 anos, o Palmeiras constrói história, dentro e fora dos gramados

Quando se fala em história do Palmeiras, o maior campeão nacional, é difícil não associar o Verdão às suas academias: nos anos 60, sob o comando do técnico Oswaldo Brandão a Primeira Academia contava com nomes que encantaram o futebol e toda a imprensa. O único time capaz de parar o Santos de Pelé.

Valdir de Moraes (Picasso / Leão); Djalma Santos, Djalma Dias (Baldocchi), Valdemar Carabina (Minuca) e Ferrari (Geraldo Scotto); Dudu (Zequinha) e Ademir da Guia; Julinho Botelho (Gildo / Germano), Servílio (Chinesinho / César Maluco), Tupãzinho (Vavá / Ademar Pantera) e Rinaldo (Romeiro / Ênio Andrade), são os nomes que palmeirenses de todas as idades guardam com muito carinho.

Além disso,  nos anos 70, atletas da Primeira Academia, agora mais maduros, compunham o impressionante plantel da Segunda Academia alviverde. Leão, Eurico, Luís Pereira, Alfredo e Zeca. Dudu e Ademir da Guia. Edu, Leivinha, César e Nei, conhecidos como o time que nunca perdeu.

A Era Parmalat, então, arranca suspiros dos mais saudosos, os tempos mais vitoriosos do Palmeiras. Como deixar de falar do time de 93, 94, 99 e 2000? Falar de ídolos, no Palmeiras, é lembrar de Velloso, São Marcos, de Evair, Arce, César Sampaio, Alex, Edmundo Animal, Paulo Nunes (por que não?). Até Felipão, e o nosso Luxa fazem parte do hall de ídolos alviverdes. Além de muitos outros.

2015: O ressurgimento do gigante Palmeiras

É fato que a identificação do Palmeirense com seus ídolos é algo transcendental. No entanto, não deixa de ser fato que o Verdão passou por maus bocados em um período recente. Os anos 2012/ 2013 e 2014 não foram fáceis para o clube e nem para a torcida.

O time enfrentou problemas financeiros, e um segundo rebaixamento. Mas em 2015 veio a redenção: o palmeirense pôde gritar “Campeão” de novo, diante do Santos na Copa do Brasil. Desde então, o Palmeiras voltou a ser protagonista nas maiores competições nacionais e na Libertadores. Confira o top 10 melhores jogadores dessa nova fase:

10º Mina – Zagueiro artilheiro

O zagueiro artilheiro. Atualmente, Mina defende o Everton, mas foi comprado pelo Barcelona em 2018, rendendo um bom dinheiro ao Palmeiras: o equivalente a R$45 milhões. Em sua passagem pelo Palmeiras marcou nove gols, o que é um bom número para um atleta do setor defensivo.

https://www.instagram.com/p/Bd59r_0jDDz/?igshid=iepadpzj1bi7

9º Zé Roberto- o Palmeiras é Grande

Como esquecer a preleção do lateral em que ele trazia novamente a grandeza do Palmeiras? Um líder em campo, e um exemplo para os mais jovens. bateu no peito do companheiro do lado e disse: o Palmeiras é grande. Em caps GIGANTE. Além de ter jogado pela seleção brasileira atuou em mais de 10 clubes em sua carreira, além de ter sido um dos atletas mais velhos a vencer o campeonato brasileiro, em 2016.  Se aposentou no ano seguinte, com 43 anos de idade e com muitos títulos em sua trajetória. Dentre eles estão a Copa do Brasil e o Brasileiro, com o Palmeiras, além do Campeonato Espanhol, Supercopa da Espanha e a Champions com o Real, duas Copas da confederação e Copa América com a Seleção, entre outros nas equipes em que passou.

https://www.instagram.com/p/B9XchxjH3eQ/?igshid=v6iska0v58y6

8º Bruno Henrique – Capitão do Deca

O volante que chegou ao Palmeiras em 2017 se tornou peça importante no meio de campo palmeirense. Vai bem na área defensiva e ofensiva, principalmente. Em 2018 foi um dos principais atletas na campanha campeã. Além do título junto com a equipe, venceu o Bola de Prata, Craque do Brasileirão e o troféu Mesa Redonda. A saber ele já tem 105 jogos vestindo a camisa alviverde e mais de 20 gols marcados. Além da boa visão de jogo, bate muito bem na bola.

https://www.instagram.com/tv/B3vlvjUH2HB/?igshid=1b2bqqly2nabw

7º Keno – Kenaldinho

O camisa 11 que o palmeirense ainda não superou. Rápido e driblador. Desde quando foi embora, no meio de 2018, nenhum sucessor teve tanto sucesso na posição. Vira e mexe sua volta é especulada. Em sua passagem, marcou apenas 19 gols, mas seu traço mais marcante era a velocidade e precisão.

6º Willian Bigode – Respeita o moço

O atual artilheiro do Campeonato Paulista, Willian Bigode é uma arma letal na frente de ataque alviverde. Em 2018, foi essencial para a conquista do título do deca campeonato Brasileiro.  No último jogo, sofreu uma lesão séria no joelho, ao se esticar para dar o passe para Deyverson marcar o gol do título. Apesar de não ter tido uma temporada muito boa em 2019, pois estava se recuperando de lesão, em 2020 já soma grande parte dos gols alviverdes. Peca um pouco nas bolas fácies, mas faz muitos gols bonitos, e marcantes.

https://twitter.com/palmeiras/status/1240330429724532737?s=12

5º Gabriel Jesus – cria do Palmeiras

Nascido nas bases palmeirenses, o atual atacante do Manchester City estreou como profissional no Palmeiras em março de 2015, e marcou seu primeiro gol oito dias depois. Gabriel Jesus sempre foi um atleta promissor e foi muito importante na conquista do título da Copa do Brasil em 2015 e do campeonato Brasileiro de 2016, marcando 12 gols na campanha alviverde. Além disso, ao lado de Neymar e Gabriel Barbosa, o camisa 33 trouxe para o Brasil o inédito título olímpico.

https://twitter.com/gabrieljesus33/status/1165994619978571776?s=12

4º Felipe Melo – o pitbull do Palmeiras

O pitbull do Palmeiras. Polêmico em algumas declarações, e conhecido pelo seu temperamento nada fácil. O volante e agora zagueiro cuida, como ninguém, da defesa do Verdão. Se é defesa que ninguém passa que a torcida quer, é isso que eles têm. Em seus melhores jogos, Felipe Melo joga de terno, olha para frente e vira muito bem o jogo. Entretanto, hoje, como zagueiro, Melo surpreendeu se mostrando mais controlado na zaga, com pouca incidência de cartões, chegou a ter 98% de passes certos em uma partida.

https://www.instagram.com/p/B8VBZzen3rj/?igshid=272g27lcf7vz

3º Weverton -Defesa que ninguém passa

O Palmeiras tem tradição na formação de grandes goleiros. No entanto, com a chegada de Prass, a equipe criou uma outra tradição: a contratação de excelentes goleiros. Com ele, Jailson e Weverton faziam um trio de guarda-redes de fazer inveja nos rivais. Aos poucos, o arqueiro foi ganhando a confiança dos técnicos e a titularidade. Atualmente, se tornou o ponto de confiança lá atrás, além de saber, muito bem, jogar com os pés.

https://www.instagram.com/p/B8VEXigBw0_/?igshid=1srefabb5ulwu

2º Dudu – o chapéu alviverde

O baixola, ou o chapéu alviverde, completou, nesta temporada, 300 jogos vestindo a camisa do Palmeiras. Chegou um 2015 após ser disputado entre Corinthians e São Paulo. Além disso, foi um dos comandantes na conquista da Copa do Brasil, Dudu se tornou um algoz de rivais, além de um dos principais jogadores da equipe. Foram 70 gols marcados em sua passagem, se tornando o artilheiro do século XXI, além de um dos jogadores que mais comemorou vitórias pelo time, em campo. Contudo os técnicos adoram Dudu, e ele é titular absoluto em quase todas as partidas. Seu baixo nível de cartões e lesões, fazem com que o camisa 7 seja um dos mais utilizados.

https://twitter.com/palmeiras/status/1237860853040517120?s=12

1º Fernando Prass – Se o Prass fizer, o Palmeiras é campeão!

Não tem como falar da nova era do Palmeiras e não citar o goleiro Fernando Prass. O camisa 1 chegou ao clube em 2013, para disputar a série B e desde então fez história. Passou por lesões e momentos ruins. Por muitos é considerado ídolo, um dos poucos no tempo moderno. A saber foi um dos líderes da conquista de 2015, e ganhou até homenagem da torcida. Dentre muitos feitos, em seu currículo no Palmeiras, o goleiro pegou pênalti do maior rival, e em momentos decisivos como o jogo da semifinal contra o Fluminense em 2015. Além disso, garantiu o um título da Copa do Brasil, batendo o pênalti final. Prass é tido como um dos maiores símbolos da renovação palmeirense e do ressurgimento alviverde no protagonismo do futebol nacional.

https://twitter.com/palmeiras/status/941097874267525120?s=12

BetWarrior


Poliesportiva


Valéria Contado
Valéria Contado
Eu sou a Val Contado, finalmente jornalista (uhul!), apaixonada por futebol há 24 anos, desde quando meu pai colocou em mim o uniforme do nosso time do coração. Adepta da arte da resenha, falar e respirar futebol é o que eu mais gosto de fazer.

    Artigos Relacionados

    Topo