Palmeiras Campeão Paulista

Elogiar a fase excelente do Palmeiras é chover no molhado. O Porco reverteu uma desvantagem de 3 x 1 para o São Paulo em grande estilo (4 x 0) e fica com o título paulista. Uma salva de palmas é pouco. O time de Abel Ferreira merece o Tocantins inteiro. Nesse sentido, o treinador português consolida ainda mais uma geração extremamente vitoriosa. Afinal, o Palmeiras não para de empilhar taças desde que ele chegou ao clube. Dessa forma, é até natural que o Alviverde Imponente siga na sua trajetória bem-sucedida. A Era Leila Pereira está apenas começando e Abel renovou seu contrato com o Palmeiras. Enfim, novos desafios virão. O que podemos projetar?

A manutenção de Abel Ferreira

A princípio, não é inapropriado dizer que o técnico Abel Ferreira é hoje o maior ativo do Palmeiras. Estudioso, dedicado e obcecado pelo seu trabalho. Assim podemos defini-lo. O português aprimorou a mentalidade vencedora que se instalou no Palmeiras e inclusive chegou a escrever um livro sobre a sua passagem no clube: “Cabeça Fria, Coração Quente”. Acredito que a continuidade do seu trabalho é um serviço brilhante ao futebol brasileiro como um todo. Qualquer amante do futebol se encanta ao ver o Palmeiras desfilando na cancha. Por outro lado, o apoio que a presidenta Leila disponibiliza a ele funciona como uma garantia de que essa parceria vai longe.

A campanha do Palmeiras em 2022

No Paulista, o Palmeiras nadou de braçada. Foram 12 vitórias, 3 empates e apenas 1 derrota (no jogo de ida das finais diante do São Paulo). Passou por Ituano e Bragantino no mata-mata antes de encarar o Tricolor. Todavia, disputou outras duas competições nesse intervalo de tempo: o Mundial de Clubes e a Recopa Sul-Americana. No Mundial, a frustração de ter levado o segundo gol do Chelsea a três minutos do término da prorrogação. No entanto, o Porco compensou a dor da perda do título com a conquista da sua primeira Recopa. O adversário foi o enjoado Athletico Paranaense. Enfim, não foi páreo. Assim, empate no Paraná e vitória alviverde em São Paulo.

O esquema tático do Palmeiras

Antes de mais nada, quero pontuar a genialidade de Abel Ferreira no Palmeiras. Tachado de retranqueiro, tanto pela imprensa quanto pelos rivais, o português decidiu botar o Verdão para atacar e agora ele está consolidando um modelo tático que se sustenta a partir do 4-3-3. Desse modo, Abel prova que o conceito de jogo é o que prevalece em detrimento da disposição das peças no gramado. O Palmeiras preza pelo seu alinhamento tanto na defesa quanto no setor de ataque. Joga bem compactado e gosta de trabalhar a bola. O refino no passe de Raphael Veiga salta aos olhos. Assim, temos um jogo de muito movimento no qual a flutuação dos jogadores confunde muito os adversários.

Os destaques individuais do time

O centroavante Roni não é o 9 dos sonhos palmeirenses, mas executa bem sua função. Dudu e Scarpa gostam das escapadas em velocidade pelas pontas e fazem a bola chegar nele. Isso quando não são eles mesmos que infernizam as defesas alheias. Além disso, cito a trinca da meia-cancha alviverde: Zé Rafael, Raphael Veiga e Danilo. É um time que dá muito gosto de ver jogar. Por fim, a defesa que ninguém passa. O Weverton é um goleiro com nível de Seleção Brasileira e dispensa comentários. Piquerez e Marcos Rocha cobrem as beiradas defensivas. No miolo da zaga, o xerife incontestável Gustavo Gómez é quem dá as cartas. Murilo completa a dupla.

O que esperar do Palmeiras?

Taças. Estaduais, nacionais, continentais, mundiais… O que tiver pela frente eles vão buscar. Custe o que custar. Eu gosto desse Palmeiras assassino. Equipes gigantes precisam entrar em campo pensando sempre na conquista dos títulos. O tricampeonato consecutivo da Libertadores seria uma façanha pra lá de histórica. Afinal, não ocorre há pelo menos 48 anos. O Independiente ainda viria a copar a quarta Libertadores seguida em 1975. Alguém ainda duvida que o Palmeiras pode quebrar esse recorde? Eu não. A estreia é na próxima quarta-feira, diante de um fraco Deportivo Táchira. Também tem Brasileirão e Copa do Brasil. Enfim, o Porco vai atrás…

Foto destaque: Divulgação – Cesar Greco/Palmeiras

André Filipe
Apaixonado pela dimensão histórica do futebol e pela ciência da bola. Gremista desde a Batalha dos Aflitos para o que der e vier. Sinto na escrita o calor latente das minhas paixões profissionais. Historiador, jornalista esportivo e jogador de pôquer nas horas vagas.