Novos craques? Veja a seleção da Copinha 2020

- Internacional, Grêmio, Athletico, Vasco, Corinthians, Mirassol e Oeste têm seus representantes

A Copa São Paulo de Futebol Júnior 2020 acabou no último sábado (25), com o Internacional celebrando o título. Dessa forma, lá se foi a maior competição de base do país, que aponta todos os anos, os futuro do futebol nacional. Sendo assim, o Futebol na Veia, que cobriu o torneio de ponta a ponta, lhe mostra os melhores em cada posição. A seleção formada no 4-3-3 tem no colorado seu principal destaque com quatro nomes, seguido pelo Grêmio com dois e os demais com apenas um jogador.

Márcio (Oeste)

O Rubrão chegar até a semifinal de uma competição nacional não é algo natural. Então, seu destaque devia de estar aqui. O goleiro defendeu dois pênaltis do Avaí, um do Cruzeiro, parou o São Paulo e fez com que o Grêmio sofresse para comemorar seu gol. Esta foi a sua segunda Copinha, e não será a última, pois é de 2001. O paulista de 1,89 levou apenas seis gols em oito partidas. Então, tinha de estar na seleção.

Lucas Mazetti (Internacional)

A principal válvula de escape colorada não podia ficar de fora. Junto com Nicolas e Guilherme Pato, fez com que o lado direito fosse um inferno aos marcadores. Conhecido pela subida muito forte, o destro não só cruzava bem, como arriscava chutes, em um deles, Caio marcou no rebote. Além disso, foram três passes para gols na competição. O jogador já foi atacante, mas ao chegar ao sub-20 virou lateral e parece estar se dando bem na posição.

Miranda (Vasco)

Segunda Copa São Paulo que participa e, mais uma vez, destaque do seu time e da sua posição. Por isso, Abel Braga já chamou o jogador para integrar os profissionais. Ele não é somente um zagueiro com boa saída de bola, mas também um grande batedor de pênalti, não errou nenhum dos três que cobrou. O beque tem 1,81 de altura e muito futuro pela frente. Assim como todo zagueiro é firme na marcação e chegou a levar tres amarelos na competição e ficar de fora da partida contra o Itapirense, pela terceira fase.

Carlos Eduardo (Internacional)

Sua tranquilidade para roubar bolas e antecipar a marcação foi tremenda. Um dos pilares desse sistema defensivo que não levou gols até a segunda fase. Sendo assim, terminou com quatro tentos sofridos em oito jogos, todos eles com Cadu em campo. O jogador de apenas 18 anos têm passagens pela base de XV de Piracicaba e Corinthians, mas parece ter achado no sul, a casa para ficar. Caso suba aos profissionais, poderá render ainda mais com Cuesta ou Moledo ao seu lado.

Reginaldo (Athletico-PR)

Esse lado da defesa não foi de fácil escolha. Muitos nomes foram bem, mas nenhum se sobressaiu aos demais. Então, foi necessário chamar o mais polivalente deles. O camisa 6 do Furacão jogou na defesa e na volância quando necessário. E ainda deu duas assistências. Seu time saiu ainda nas quartas de final, mas ele se mostrou uma joia que precisa ser lapidada pelo time do Paraná.

https://twitter.com/SoccerGremio/status/1221117951782346752?s=19

Diego Rosa (Grêmio)

Chegar ao time sub-20 após ser titular na conquista do mundial sub-17 não é tarefa fácil. Entretanto, para quem tem habilidade, a coisa fica fácil. O maestro gremista junto com Pedro Lucas, fez chover no meio de campo, e tinha enorme visão de jogo para deixar seus companheiros mais perto do gol. Sua expulsão contra o Vasco mostra que, claramente, não está pronto, mas pode ser um grande nome para o time de Renato Gaúcho. O baiano marcou dois gols na competição e era noame certo nessa seleção.

Praxedes (Internacional)

Na minha opinião, Bruno pode ficar para trás. Seu sobrenome é único no nosso futebol. Assim como, seu futebol. Dono de uma grande visão de jogo, sabe pisar na área, alto (1,86) e um bom chute de longa distância que o fizeram marcar três vezes no torneio. O volante de apenas 17 anos já foi chamado por Coudet para fazer parte do time de cima. O carioca já foi da base do Fluminense, entretanto, saiu de lá após um post polêmico com a camisa do Flamengo.

Cesinha (Internacional)

O meia era o titular mais baixo na campanha do time campeão, 1,70. Sendo assim, provou que tamanho não é documento e jogou um futebol de muito alto nível. Foram três gols marcados, infelizmente não temos números de suas assistências, mas comandou as ações do ataque colorada sempre que esteve em campo. Esse não foi seu primeiro título nacional de base, pois foi campeão do Brasileirão de Aspirantes, em 2019, só que no banco de reservas.

Gabriel Pereira (Corinthians)

Faltava falar de apenas um time semifinalista e chegou a hora. A falta do camisa 7, suspenso, na partida decisiva contra o Internacional foi muito sentida. O meia foi o pulmão corinthiano a todo momento. Veloz, driblador e dono de uma boa finalização. O paulista de 18 anos surpreendeu até alguns torcedores que esperavam ver seu xará de sobrenome, Léo Pereira, ser o motor do Timãozinho. Gabriel além de ponta, pode jogar centralizado, devido a seu bom passe.

Felipe Micael (Mirassol)

O artilheiro do campeonato com 10 gols não podia ficar de fora dessa seleção, obviamente. O que surpreende ainda mais a todos, é o fato de que ele atuou em cinco jogos. Sendo assim, uma média de 2 gols por partida. Foram dois dobletes e um hat trick deixados de todas as formas com a camisa amarelinha. Dessa forma, chegou a ser procurado pelo Atlético Mineiro, mas sua multa rescisória já está acima dos 5 milhões de euros e assustou os mineiros. O jogador já foi relacionado para algumas partidas do Paulistão.

Elias (Grêmio)

Este foi escolhido por muitos, como o principal jogador da final. Infelizmente, a vitória não veio, no entanto, seu papel para a chegada do Imortal até lá foi preponderante. Foram seis gols marcados, um deles, o da vitória contra o Oeste, na semifinal. E outro, escolhido como mais bonito da competição. O atleta tem um vigor físico acima de seus companheiros, ganhou muitas dipsutas na força, ainda mais aliada a sua velocidade. Não foi o melhor da competição por detalhes, mas havia de estar na seleção.

https://twitter.com/RacionaisOneal7/status/1221096266270199810?s=19

Melhor jogador: Bruno Praxedes

Dispensa ainda mais comentários para esse jogador. Cérebro de um time campeão, o jogador foi preponderante para o título e foi unânime para entrar na seleção. Para melhor jogador, brigou com seu companheiro Cesinha para ganhar o troféu, mas sua calma e a “multiplicação” dentro de campo, o coloca como principal nome do torneio.

Imagem destacada: Tomas Hammes/ Reprodução. 

BetWarrior


Poliesportiva


Guilherme Ribeiro
Guilherme Ribeiro
Sou Guilherme Ribeiro, 20, paulista da região do ABC. Ler e escrever é um hobby, para o esporte que é a minha paixão.

    Artigos Relacionados

    Topo