Marcelo Ramos em ação pelo Cruzeiro em 1997 (Foto: Reprodução / Leandro Couri / EM)

Nesta quinta-feira (25), a coluna Parabéns ao Craque rende homenagem a um dos maiores artilheiros do Bahia, Cruzeiro e Santa Cruz. Isso porque, goleador por onde passou, o atacante Marcelo Ramos completa 47 anos de vida. Assim, andarilho da bola, o craque superou as dificuldades de infância para ter sucesso como jogador de futebol.

Leia mais:

Logo, em um 25 de junho como este, em 1973, nascia Marcelo Silva Ramos, um dos cinco filhos de seus pais. Assim, nordestino da Bahia, nosso aniversariante enfrentou na infância dificuldades inerentes a muitas crianças que veem no futebol a tão desejada ascensão social. Dessa forma, o craque estudou em escola pública, mas desde pequeno corria atrás de uma bola e foi durante a Copa Dente de Leite, em Itapuã, que chamou a atenção do Bahia que o convidou para uma peneira.

BAHIA: OS GOLS QUE DERAM PROJEÇÃO NACIONAL

Assim, revelado pelo Esporte Clube Bahia, Marcelo Ramos permaneceu no clube por cinco temporadas na primeira passagem, entre 1990 e 1994. Sendo a mais vitoriosa, se tornou o sexto maior artilheiro da história do Esquadrão de Aço, com 128 gols marcados. Além disso, suas bolas na rede ajudaram ao Tricolor da Boa Terra conquistar dois Campeonatos Baianos, em 1993 e 1994, sendo artilheiro do primeiro título. Já na segunda passagem, em 2008, foi peça fundamental no acesso do Bahia à Série A. Dessa forma, pelos gols em clássicos, é conhecido como o Carrasco dos Ba-Vi's.

CRUZEIRO: O AUGE NACIONAL E CONTINENTAL

Logo, as redes balançadas em Salvador deram a projeção necessária para rumar à Minas Gerais e atuar pelo Cruzeiro. Assim, na Raposa, Marcelo Ramos chegou em 1995 e já foi campeão e artilheiro do Campeonato Mineiro de 1996. Além disso, foi dele o gol do título dos Cruzeirenses da Copa do Brasil do mesmo ano na final contra o Palmeiras.

Em seguida, nosso aniversariante teve sua primeira experiência internacional, onde marcou 12 gols em 26 partidas pelo PSV, da Holanda, onde foi campeão nacional. Apesar disso, Marcelo Ramos voltou em 1997 para ser campeão da Libertadores da América, novamente, pelo Cruzeiro, onde permaneceu por mais três temporadas. Além disso, conquistou, no ano seguinte, a Recopa Sul-Americana. Após, ainda atuaria por São Paulo, Palmeiras e Nagoya, do Japão, antes de voltar ao Brasil para sua terceira e última passagem pela Raposa.

Assim, entre os anos de 2001 e 2003, Marcelo Ramos se eternizou no Cruzeiro com os títulos da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro, ambos em 2003. Além disso, conquistou nesse período ainda mais dois estaduais e dois interestaduais com a camisa celeste. Dessa forma, se tornou o quinto maior artilheiro da Raposa e foi apelidado de Flecha Azul pelos seus 162 gols marcados, entrando de vez na galeria dos grandes ídolos.

SANTA CRUZ: SEM TÍTULOS, MAS ARTILHEIRO

Após sucessos no Bahia e no Cruzeiro, Marcelo Ramos parte para “carreira solo” e atua em quatro anos por quatro clubes diferentes. Assim, nos melhores desempenhos, foi campeão baiano pelo Vitória e do Campeonato Colombiano pelo Atlético Nacional de Medellín, ambos em 2005. Antes, voltaria ao Japão para atuar pelo Hiroshima e de volta ao Brasil, passou pelo Corinthians.

Dessa forma, encontrou campo fértil para voltar a brilhar em Pernambuco. Assim, no Santa Cruz, Marcelo Ramos chegou em 2007 para ser artilheiro do Campeonato Pernambucano e iniciou bem a Série B. Tão bem que foi contratado pelo Athletico-PR. Após uma boa estadia em Curitiba e o retorno ao Bahia, nosso aniversariante regressaria para, enfim, ser ídolo do Tricolor do Arruda.

Isso porque, em 2009, Marcelo Ramos foi novamente artilheiro do Campeonato Pernambucano com 19 gols. No entanto, apesar das artilharias, mais uma vez não conseguiu dar um título ao Santa Cruz. Apesar disso, suas atuações e bolas na rede em jogos importantes e clássicos decisivos ajudaram a cair nas graças da torcida e sua segunda passagem marcou os corações de milhões de torcedores. Dessa forma, sendo conhecido como o Matador do Arruda.

UM ANDARILHO DA BOLA

Todavia, após a boa passagem pelo Santa Cruz, Marcelo Ramos não conseguiu mais reeditar as boas exibições e começou a colecionar clubes no seu currículo. Foi assim pelo Ipatinga, Madureira, Paysandú, Araxá e Itumbiara, onde se aposentou em 2011. Apesar dos títulos pelos três primeiros, não ficou tão marcado como pelo Bahia, Cruzeiro e Santa Cruz, onde participa de eventos e homenagens das torcidas. Após a aposentadoria, o craque se voltou às origens de dificuldades da infância e busca dar mais oportunidades para as jovens promessas através de uma formação escolar e comunitária.

Dessa forma, Marcelo Ramos se tornou o segundo maior campeão da história do Cruzeiro com 14 títulos, alcançando a glória à nível nacional e continental. Além disso, é um dos que mais vestiu a camisa celeste com 360 partidas. Logo, o Flecha Azul tem espaço gigante na Toca da Raposa, assim como em Salvador e no Recife. Se eternizando com um dos maiores artilheiros do futebol brasileiro.

Parabéns, Marcelo Ramos!

 Foto destaque: Reprodução / Leandro Couri / EM

Avatar
Ricardo do Amaral
"Alvíssaras! Sou Ricardo Accioly Filho, pernambucano de 27 anos, advogado e estudante de jornalismo pela Uninassau. Tenho como mote que “no futebol, nunca serão apenas 11 contra 11”; é arte, é espetáculo, humanismo, tem poder de mover multidões e permitir ascensões sociais. Como paixão nacional do brasileiro, o futebol me acompanha desde cedo, entretanto como nunca tive habilidade para praticá-lo, busquei associar duas vertentes de minha vida: o prazer pela leitura e o esporte bretão. Foi nesse diapasão que encontrei no jornalismo esportivo o elo de ligação que me leva a difundir e informar o que, nas palavras de Steven Spielberg, é o “mais belo espetáculo de imagens que já vi”."

Artigos Relacionados